Gabriela e Rayane movimentam escritório só para mulheres

Do jeito que anda a violência de gênero – aqui no Recife tem até mulher levando tiro do namorado, porque estava em um bar com os amigos, como ocorreu na semana passada – é cada dia mais necessária a criação de escritórios de advocacia voltados para a questão feminina. Se há carência na capital, imaginem no Sertão, onde o machismo é ainda mais exacerbado.

Foi pensando nisso que as amigas Gabriela Moura Melo e Rayanne Moraes decidiram abrir um escritório voltado para as demandas  das mulheres. Pena que o Moura e Moraes Advocacia não fique no Recife, mas sim em Petrolina, no Sertão do São Francisco, a exatamente 769 quilômetros da capital pernambucana. A proposta da dupla é atender a clientes do sexo feminino nas áreas de direito de família, cível, penal, previdenciário, sexual e  reprodutivo.

Elas dizem que resolveram partir para a iniciativa, depois de constatar que o próprio judiciário é o primeiro a reproduzir a desigualdade de gênero. “Os prejuízos começam com as peças escritas pelos operadores de direito, das decisões judiciais, do texto da lei e dos estereótipos que colocam as mulheres como  ciumenta, desequilibrada, alienada, rancorosa, oportunista, o que mantém o cenário alarmante de violência contra o universo feminino”, reclama Gabriela.

“Acreditamos que a mulher deve ser protagonista de sua história”, diz. “E para isso é necessário que ela possa compreender os seus direitos”. Para Rayane, “estamos ajudando as mulheres a reescrever suas histórias, através de atendimento personalizado que vai do ambiente acolhedor a uma escuta ativa”.  O escritório conta, ainda, com atendimento psicológico. A profissional, Jessica Mayara Campos Melo, possui vasta experiência nos casos de violência doméstica.

Não são só as clientes que são discriminadas nos tribunais. De acordo com o Site Universa, as profissionais do setor também sofrem até xingamento nos fóruns.  Em entrevista a aquele site, a advogada paulista Marina Ruzzi, especialista em gênero, ela própria já foi verbalmente agredida muitas vezes no exercício profissional. “Víbora”, “feminazi”, “louca” e “mentirosa” foram algumas das “classificações” que lhe deram, durante o decorrer de vários processos. É fogo, não é? Lembro que no século passado uma vez fiz uma reportagem sobre o machismo no Tribunal de Justiça de Pernambuco, acusado por um dos seus membros – o falecido Desembargador Agamenon Duarte – de “ginefobia”. Isso porque quando lá havia concurso para juiz, as candidatas eram automaticamente eliminadas, pelo fato de ser mulher. Desembargadora, então, nem pensar… Hoje a composição do Tribunal Pleno são 52 desembargadores, sendo só uma do sexo feminino: Daisy Maria de Andrade Costa Pereira. Então, tá….

Leia também
Aborto em menina de dez anos na Cisam gera guerra em Pernambuco
Gravidez precoce responde por 21 por cento dos partos em Pernambuco
Pelo fim da violência contra a mulher
Mulheres contra a violência
Carnaval sem assédio em Pernambuco
Grecthen: Mulher faz o que quiser
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
No Dia da Mulher,o legado dos livros daquelas que fizeram história
De Yaá a Penépole africana
Mary de Priori é atração do Circuito Cultural
Branca Dias  “retorna” ao local onde viveu
Sarau das Lobas e Minas no Mamam
Porque somos todos Clarice?
O ano de Cida Pedrosa: escritora premiada, feminista e vereadora
Violetas da Aurora em movimento
Poesia oral tem nova cara
No Dia da Mulher,o legado dos livros daquelas que fizeram história
De Yaá a Penépole africana
Mary de Priori é atração do Circuito Cultural
Branca Dias  “retorna” ao local onde viveu
Sarau das Lobas e Minas no Mamam
Porque somos todos Clarice?
O ano de Cida Pedrosa: escritora premiada, feminista e vereadora
Violetas da Aurora em movimento
Poesia oral tem nova cara

Serviço:
Email: mouraemoraesadvocacia@gmail.com

Instagram: @mouraemoraesadvocacia; @advogadadefamilia_ ; @rayannemoraes_adv.

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.