Flagrante de “passarinhada” em Pernambuco: “torneio” premia quem caçar mais aves, pode?

Meu Deus do Céu, quanto maldade. Imaginem só. Um torneio chamado “passarinhada” foi flagrado na Região Agreste de Pernambuco. Vocês sabem o que é “passarinhada”? É simplesmente uma competição clandestina, realizado por gente sem noção e desalmada, que confere prêmio à pessoa que capturar o maior número de aves. Durante a Operação Nascentes, a fiscalização ambiental apreendeu 135 aves, das quais 87 haviam sido  caçadas durante o certame criminoso.  Algumas não resistiram aos maus tratos e morreram.

Várias aves estavam em condições inadequadas de confinamento, como os lourinhos da foto abaixo. Coitadinhos, pelados, famintos e privados de viver na natureza. “Encontramos casos com  até 20 aves em gaiolas com dimensões inapropriadas para a criação de um único indivíduo. Três aves não resistiram ao estresse  provocado pelo confinamento”, explicou Cosme de Castro, analista ambiental da Agência Pernambucana de Meio Ambiente (CPRH). Cosme participou da operação conjunta que, além da CPRH, envolveu a Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (Depoma). A ação constou de fiscalizações na Área de Proteção Ambiental (APA) Serras e Brejos do Capibaribe (em Brejo da Madre de Deus); e no Refúgio de Vida Silvestre (RVS) Cabeceiras do Capibaribe (em Jataúba). Os dois municípios ficam no Agreste, sendo que Brejo está a 204 quilômetros do Recife. E Jataúba  fica 24 quilômetros depois do Brejo.

Sob maus tratos e confinados em jaulas minúsculas com até 20 indivíduos, passarinhada matou três aves

Os animais silvestres encontrados em cativeiro ilegal foram recuperados pela equipe de campo.  Os que estavam em condições de viver livremente, foram soltos na região. Outros terminaram sendo transportados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetras) Tangara, no Recife. Entre as aves apreendidas estão jandaias, patativas, papa-capins, papagaios, concriz (foto superior) e cravinas.

Os agentes  também  apreenderam tatus e jabutis. E ainda quatro espingardas e 24 armadilhas destinadas à caça e à captura de animais silvestres. Os fiscais também destruíram  um forno de madeira, para produção de carvão. Considerando todas as infrações ambientais encontradas durante a Operação, os responsáveis foram multados em R$ 49 mil. Já os proprietários  das armas foram identificados como caçadores da  região e a Depoma deu inicio aos procedimentos criminais.

Arsenal foi recolhido entre os caçadores de aves, além de gaiolas e animais confinados

No total, segundo Cosme Castro, foram vistoriados 115 hectares em áreas de conservação. As equipes, com base nas imagens de satélites  de diferentes períodos e de consulta a sistemas oficiais de alertas de desmatamento, percorreram vários quilômetros de estradas e trilhas, a pé, como também realizaram sobrevoos com aeronave não tripulada, para melhor acessar as áreas. Desse total, foram constatados que 108 hectares que já haviam sido desmatados e as atividades embargadas em outras fiscalizações, encontram-se em processo de regeneração. Em seis hectares foram constatados desmatamento irregular e as áreas serão objeto de embargos com processo administrativo em andamento, explicou Cosme de Castro.

Leia também
Vítimas do cativeiro e do tráfico, 40 aves silvestres são repatriadas do Recife para o cerrado
Cobiçadas desde o século 16 (valiam o preço de dois escravos) ararajubas estão ameaçadas
Ararajubas nascidas no Recife vão recompor população no Pará
Torneio de canto de pássaros estão proibidos em todo o estado
Torneio clandestino de canto de curiós
Cipoma destrói rinha de canários
CPRH desmonta rinha de galos de briga
Gripe aviária: aves mortas no Litoral pernambucano acendem alerta
Aves silvestres destinadas ao tráfico foram apreendidas
João Paulo Krajewski e o deslumbrante espetáculo das aves dançarinas
Bebês fujões: carcará, bem-te-vi e sabiá
Aves brasileiras são  visadas pelo tráfico
Animais silvestres exóticos e nativos rendem multa em Caruaru
Tráfico tira anualmente 36 milhões de animais silvestres da natureza no Brasil
Tráfico usa anilhas falsificadas para “legalizar” comércio de aves silvestres
Tráfico tira anualmente 38 milhões de animais silvestres da natureza no Brasil
Vítimas do tráfico voltam à natureza
Tráfico: PRF apreende aves silvestres
O massacre dos pássaros no Sertão
Multa de R$ 4 milhões contra tráfico de papagaios e outras aves da caatinga
Brasil é o terceiro do mundo em espécies de aves. Mas o tráfico…

Araras repatriadas  para a Amazônia
Tucano será repatriado para a Amazõnia
Zooterapia: Aves vítimas do tráfico ajudam pacientes psiquiátricos
Aves brasileiras são alvo do tráfico
Papagaio é vítima de tráfico
Salvo papagaio acusado por cachorros
“Dê cá o pé, meu louro”
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
PM evita venda de papagaio bebê
Policial militar devolve papagaio
Papagaio passa 25 anos na gaiola
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação
352 papagaios voltam à vida selvagem
Projeto Papagaio da Caatinga ganha reconhecimento internacional
Animais voltam à natureza na pandemia
Maldade com os pássaros rende multa
Flagrante no tráfico de pássaros
Cipoma destrói rinhas de canários
Canários da terra apreendidos
Pobres pássaros cativos do Agreste
Pássaros silvestres apreendidos
Pássaros presos e multa de R$ 94,5 mil
Aves liberadas no Sertão
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Festival de Aves no Sul da Bahia
Abaixo as gaiolas: liberdade para as aves
Quase 6000 aves resgatadas em 2017
Aves cativas ganharão a liberdade
Pássaro na gaiola rende multa
O triste fim das arribaçãs na caatinga
Depois do tráfico, o repatriamento
Mais um bebê que cai do ninho 
O tempo bom do João-de-barro 
A Tim e o ninho tecnológico do carcará
Pássaros não merecem prisões
A  inédita visita do sabiá ferreiro
Com belo canto, sabiá volta à natureza

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: CPRH / Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.