Festa dupla para Chico Pedrosa

A cultura popular está em festa, nessa terça-feira. Poetas, violeiros, cantadores, autores de livretos de cordel devem comparecer em massa à Assembleia Legislativa,  onde o colega Francisco Pedrosa Galvão será homenageado. Paraibano  da Guarabira (Paraíba), Chico  Pedrosa – como é mais conhecido –  transforma-se em Cidadão de Pernambuco, a partir de hoje.

A reunião solene está marcada para 19h. Mas depois da cerimônia na Alepe, a comemoração se estenderá à Bodega do Véio, no Recife Antigo. Ali, estarão reunidos para recebê-lo amigos, admiradores, leitores, seguidores: Bruno Lins (Fim de Feira), Maciel Melo, Publius e Tonino Arcoverde, Bia Marinho, Jorge Filó, Zelito Nunes, Ivan Ferraz, entre outros. Chico, 86,  já lançou sete livros, nove CDs e um montanha de folhetos de cordel.

Chico Pedrosa sempre marca presença no Mercado da Madalena, onde poetas se encontram aos sábados

Seus poemas marcam presença no repertório de artistas como o “caboclo sonhador” Maciel Melo, Téo Azevedo, Zé Laurentino e de grupos como o Cordel do Fogo Encantado e Vates e Violas.  Chico veio ao mundo no Dia da Poesia, 14 de março. E faz dela o seu viver. Ele nasceu na Paraíba, mas reside em Pernambuco desde 1957. Começou morando em Caruaru – no Agreste – mas depois seguiu viajando pelo Brasil divulgando sua poesia popular. Em 1999, começou a morar em Petrolina – no Sertão do São Francisco – onde  trabalhou como representante de vendas de peças de automóveis. Sem, no entanto, abrir mão do verso e da verve.

Após aposentar-se, passou a se dedicar unicamente à divulgação do seu trabalho. Hoje vive exclusivamente da poesia. Já apresentou-se em praticamente todos os estados brasileiros, e sua arte já atravessou até o Atlântico, quando um grupo adaptou para o teatro o seu poema A Briga na Procissão. A encenação passou por Setúbal e Lisboa. Chico Pedrosa influenciou várias gerações de poetas, inclusive os mais jovens. O título de cidadão pernambucano é uma iniciativa do Deputado Waldemar Borges (PSB),  que havia sido aprovada em 2019. Por conta da pandemia, a homenagem foi várias vezes adiada, porém será feita – hoje – em grande estilo. Ele merece!

Leia também
Tributo a Altino Alagoano que não era ele. Era ela
Oficinas de xilogravura fazem sucesso
Samico, o devorador de estrelas

Violeiros, cantadores e poetas em Feira
Festival movimenta o Sertão dos Poetas
J.Borges lança três álbuns inéditos
O mundo fantástico de J. Borges
A epifania dos pífanos
Compre um livro e ganhe três cordéis
Para sertanejo, a vida é um carnaval
Maciel Melo, caboclo sonhador, vira garoto do calendário
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
O florescer de Fabiana Santiago
Ubuntu, tão longe tão perto
Tacaruna e RioMar lembram época junina com cordel
Aula de Cordel no Pátio de São Pedro
Médicos orientam pais com cordel
Severinas em Festa do Umbu 
Poeta da saudade ganha homenagem
Livro: Pernambuco é campeão em manifestações culturais registradas pelo Iphan

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.