Estrada das Ubaias: Risco no asfalto

 Estrada das Ubaias: Risco no asfalto

Compartilhe nas redes sociais…

Obra, tudo mundo sabe que é necessária. Principalmente em vias como a Estrada das Ubaias, há décadas sofrendo inundações na época invernosa. E precisando, portanto, de sérios trabalhos de drenagem. Segundo os especialistas, o problema ali é grave, porque sob a via existia um riacho e a água ficava sem ter como escoar, tornando a rua intransitável com poucos minutos de chuva. A estrada liga os bairros de Casa Forte e Casa Amarela.

Vamos ver se após os serviços, a situação se normaliza. Agora estão requalificando as calçadas, o que é muito bom, pois elas oferecem muito risco aos pedestres, do jeito que estão. Eu que passo sempre por lá caminhando, que o diga… O problema é o desrespeito à vida, quando o asfalto fica carregado de material sem sinalização adequada, o que já se tornou comum no Recife, tanto em obras municipais como estaduais, como as da Compesa, por exemplo.

Já há registros de acidentes fatais por falta de sinalização luminosa, sem que nada mude na atitude dos órgãos governamentais. Dia desses, eu quase caía em uma dessas armadilhas, em um trecho às escuras na Avenida Dezessete de Agosto, e desviei muito perto do obstáculo. Teria sofrido um acidente se viesse algum automóvel, moto ou bicicleta no sentido contrário. Antes, serviços que ocorriam no meio das ruas eram devidamente marcados inclusive com sinalização luminosa. Agora seja o que Deus quiser.

Sei não, mas como cidadã encaro esse tipo de atitude como uma falta de respeito à vida.  Montanhas de pedras em cor cinza, no meio de uma rua sem sinalização, convenhamos, não é nada seguro. E tanto é assim, que até existe uma lei estadual determinando que caçambas de entulho, por exemplo, tenham faixas ou pintura luminosas para evitar acidentes (embora muitas estejam apagadas). Com base em reclamações de moradores da Zona Norte do Recife e após acidente fatal envolvendo um motoqueiro que caiu em um buraco devido à falta de sinalização em obra da Compesa,  a vereadora Cida Pedrosa (PC do B) chegou a enviar  requerimento às autoridades do município solicitando que sejam cumpridas as leis que determinam sinalização eficiente em obras que ficam no meio do trânsito.

“Além dos corriqueiros acidentes havidos em diversas vias,  ora pela ausência, ora pela sinalização ineficiente, no último 29 de agosto, um motociclista caiu em um buraco aberto pela Compesa, sendo levado a óbito. Ao que parece, essa cratera estava sem sinalização, apenas com uma tela laranja, conforme relata uma testemunha”, lembrou Cida no requerimento, no qual destaca que existem alguns “regramentos” da sinalização. Esta deve “atrair a atenção do condutor”, “impor respeito ao usuário”, “transmitir mensagem simples e inequívoca”, “ser vista, permitindo obras com segurança”. Por fim, ser “uniforme e padronizada”. Por enquanto a “padronização”  na sinalização se restringe a essas telinhas cor de laranja que, no meio da noite, não servem para nada. Como sinalização, totalmente mixurucas.

Leia também
Cadê a sinalização? E o respeito à vida?
Calçadas assassinas: Novas vítimas
Armadilhas junto ao meio-fio
Ninho de fios incomoda pedestres
Prestadoras de serviço: Descalabro
Operadoras ameaçam pedestres
Os cem buracos do meu caminho
Demandas urbanas: Abrigos de ônibus oferecem riscos
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Recife: calçadas e ruas assassinas
Vocês lembram dessa calçada? A Compesa “consertou”
As inviáveis calçadas da Avenida Norte
Perigo à vista na esquina da Futuro
Futuro das usurpações urbanas
Charme: calçada para andar e sentar
Discutindo o Recife a 5 km por hora
Uma “piscina” no meio do caminho

Cidadania a pé está difícil
Bueiros viram armadilhas mais perigosas em dias de chuva
Calçada: Que saco, torci o pé de novo
Tombos nas calçadas requalificadas
Quem chama isso de calçada….
Calçadas melhoram na Av Norte, mas…
Oxe, cadê as calçadas da Avenida Norte?
Calçadas crateras na Avenida Norte
Av. Norte: reforma só atinge 12 por cento das calçadas
Acidente em calçada requer até Samu
“Revoltado com queda na calçada”
Depois daquele tombo (12)
Depois daquele tombo
Depois daquele tombo (1)
Depois daquele tombo (2)
Depois daquele tombo (3)
Depois daquele tombo (4)
Depois daquele tombo (5)
Depois daquele tombo (6)
Depois daquele tombo (7)
Depois daquele tombo (8)
Depois daquele tombo (9)
Depois daquele tombo (10)
Depois daquele tombo (11)
Assim não dá: Calçada com buracos e lixo
Riscos para quem anda e pedala
Calçadas: acessibilidade zero
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Calçadas nada cidadãs na Zona Norte
Novas calçadas: 134 quilômetros até 2020
Calçada larga na Rua Gervásio Pires
Convite ao tombo no Centro
Centro do Recife precisa de Mais Vida
Você está feliz com o Recife?
Calçada dá medo na gente de afundar
Acidente em calçada requer até Samu
Calçadas cidadãs da Jaqueira e Parnamirim: todas deviam ser assim
Comunidade recupera calçadas em Casa Amarela. Essas cenas vão sumir?
O drama das nossas calçadas
Quem inventou as famigeradas tampas duplas de nossas calçadas?
Já torci o pé três vezes
Quem chama isso de calçada…
Alguém chama isso de calçada?
Andando sobre o inimigo
Recife: calçadas e ruas assassinas
Os cem buracos do meu caminho
Mais uma calçada cidadã
Cidadania a pé: calçada não é perfeita
Charme: calçada para andar e sentar
Quem chama isso de calçada….
Pedras nada portuguesas
Santo Antônio sem pedras portuguesas

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.