Eleições: Teatrinho em feiras chega à Várzea, com candidatos que defendem as questões ambientais

 Eleições: Teatrinho em feiras chega à Várzea, com candidatos que defendem as questões ambientais

Compartilhe nas redes sociais…

Nesses tempos de venenos dando nas canelas da gente – pois o que o Governo do ex-capitão mais fez foi liberar o uso de produtos tóxicos (alguns já banidos em outros países) para a nossa agricultura – nada como a iniciativa  do Centro Sabiá e da Rede Espaço Agroecológico, que estão percorrendo as feiras do Grande Recife com atrações culturais e debates políticos, que visam chamar a atenção de feirantes e consumidores para optar por candidatos comprometidos com as causas ambientais.

A ação acontece em momento bem propício, pois estamos às vésperas das eleições. E, nas feiras, o debate é sobre as propostas e políticos que se posicionem a favor da agricultura familiar, da lavoura orgânica e da agroecologia. Neste sábado, o grupo está na Feira Agroecológica do Bairro da Várzea,um dos mais bucólicos bairros do Recife. Ali, marcam presença o grupo teatral As Memoriadas contra os abutres do Centrão  e Max Antônio, mais conhecido como o Menino do Violino.

Há, também, uma roda do ciclo de diálogos com Robeyoncé Lima (PSOL),  Paulo Rubem Santiago (Rede) e Alexandre Pires (PSOL). Os dois  primeiros disputam mandato de deputado federal. O terceiro tenta uma cadeira na Assembleia Legislativa . Os debates de hoje, além da Agroecologia, trataram de Sexualidade, Gênero e Direitos Humanos. O Brasil enfrentou um grande retrocesso na questão ambiental nos últimos quatro anos.

É que além de devastação das nossas florestas, da livre ação de madeireiros e grileiros, o governo atual liberou a importação e o uso de agrotóxicos e defensivos agrícolas que estão proibidos em muitos países.  De acordo com entidades ambientais, a liberação é recorde, o que põe a saúde da população em risco. Nós estamos comendo veneno. Então, o melhor é optar pelas feiras agroecológicas. Porém ao comprar seu produto, peça ao feirante o certificado de que os produtos são realmente orgânicos. Eles são emitidos por órgãos estaduais e devem estar expostos, fixados nas barracas, de frente para os consumidores. No século passado, inclusive no final da ditadura, o teatro popular foi muito usado em comícios para conscientizar a população sobre os políticos que lutavam em defesa da democracia.

Leia também
Longe dos caciques políticos, indígenas fazem coletivo para disputar mandato estadual
Mais alimentos saudáveis na mesa do pernambucano: 121 feiras agroecológicas
Pernambuco tem o maior movimentos de feiras orgânicas do Nordeste
Faça a feira sem veneno
Vem mais veneno por aí nos alimentos
Com tantos venenos liberados no Brasil, cuidado com o que você come
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira

A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
 Casa Forte: Atrapalho em feira orgânica
Para tocar o coração das pessoas
Casa Forte sem feira paralela
Reforço para pequenos produtores
Hortas orgânicas crescem nas escolas
Refazenda lança Coleção Cor de Agrião em feirade produtos orgânicos
Festivas, feirinhas estão de volta
Culinária sustentável: Iguarias com casca de banana

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.