Ele se parece muito conosco

 Ele se parece muito conosco

Compartilhe nas redes sociais…

Desde domingo passado, que essa criatura aí da foto vem chamando a atenção de crianças e adultos que acorrem ao zoológico, que funciona dentro do Parque Estadual de Dois Irmãos (Pedi), na Zona Norte do Recife. É que Sena acaba de completar 62 anos e é tido como um dos animais mais idosos do local. Para comemorar o aniversário, ele ganhou bolo especialmente preparado para ele, com ingredientes à base de produtos naturais, e sem o exagero da confeitaria dos bolos apreciados pelos humanos. Sena é um chimpanzé (Pan troglodytes), que chegou ao zoo em 1972 depois de passar a vida trabalhando em circo.  Permanece em cativeiro,  infelizmente. Mas, pelo menos, sem ter que trabalhar de graça nem dar expediente  para ninguém. A espécie é muito inteligente, pois “dividem conosco 98 a 99 por cento do nosso DNA”, segundo nota enviada pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas), responsável pela gestão do Pedi.

Vejam que curiosidade. Uma vez, cientistas estrangeiros colocaram um chimpanzé em uma casa com tudo a que os humanos têm direito. Pretendiam estudar o comportamento do animal. E quando foram monitorar o que ele fazia, espionando o bichinho pelo buraco da fechadura, o macaco fazia exatamente a mesma coisa. Estava do outro lado,  tentando descobrir pelo buraco da fechadura o que os humanos faziam lá fora. Pensem em um bichinho esperto. Não é à toa que os circos costumavam abusar de sua inteligência, colocando-os para andar de bicicleta, fazer malabarismos, cambalhotas e outras palhaçadas. Felizmente, no Brasil o uso de animais silvestres em circo é proibido por lei.

Os chimpanzés alimentam-se de uma variedade de comidas, incluindo frutas e folhas. São encontrados no norte do Rio Congo, na África. E estão classificados como em perigo de extinção devido à perda de habitat natural e pela caça irregular. Há outras espécies de macacos em Dois Irmãos como os macacos-pregos-galegos (Sapajus flavius) e os macacos-bugios (Alouatta belzebul). Os Macacos-pregos-galegos são espécies endêmicas da Mata Atlântica no Nordeste. Têm ocorrência restrita a poucos fragmentos nos estados de Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas. Eles já integram a lista de animais em extinção, classificados como criticamente em perigo pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN).

Já os macacos-bugios, também conhecidos por guariba, possuem cauda longa e uma das características marcantes é o som emitido que pode ser escutado a longas distâncias. Essa vocalização pode se assemelhar a gritos, latidos, rugidos. O macaco-bugio pode ser encontrado no Brasil, próximo a regiões de remanescentes de Mata Atlântica. Estão classificados com status de vulnerável à extinção, principalmente pelo desmatamento e caça predatória. O Parque Dois Irmãos fica na Praça Farias Neves, s/n, Dois Irmãos,  Zona Norte do Recife. Ingressos custam R$ 2,00 por pessoa . Entrada é gratuita para visitantes com mais de 60 anos, e também para crianças até 1 metro de altura e pessoas com deficiência com seus acompanhantes.

Leia também:
O lado “humano” dos macacos
Sérgio: seis horas para salvar sagui
Saguis infectados são sacrificados
Descarga elétrica desorienta sagui
Jujuba vira remédio para os macacos
Macaco prego aparece em Apipucos
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico leão dourado em risco
Uma mata protegida para o guariba 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Lu Rocha / Divulgação/ Semas-PE

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.