Direitos humanos no Parque

É preciso. Principalmente no Brasil de hoje, onde os direitos humanos mais elementares são diariamente violentados, principalmente entre os manis vulneráveis, situação que piorou com a pandemia e com tanta besta-fera às soltas circulando por Brasília. E também necessário no Recife, onde ninguém respeita ninguém. Motorista não respeita motociclista, que não respeita ciclista, que não respeitam pedestres. Falta água e saneamento básico, dois direitos fundamentais. Faltam, também, moradia, segurança, serviços de saúde e educação de qualidade. A poluição sonora incomoda, prova de que as pessoas não respeitam as outras.

Então é bom que todos passem no Parque Treze de Maio – a única grande área verde do Centro – onde estive nesta semana, e me surpreendi com uma exposição que retrata os 30 tão caros artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. É  passeando e… lendo.  Muito bom.   Que todos leiam os cartazes, inclusive algumas autoridades. A intervenção foi feita pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos, Juventude e Políticas Sobre Drogas do Recife. E terá caráter permanente com o nome Do Direito a Ter Direitos. Sim, todos nós os temos. E devemos defendê-los. Cidadania se exerce com direitos e deveres.

Declaração Universal dos Direitos Humanos no Parque Treze de Maio, no Bairro da Boa Vista. Vamos ler?

O parque fica no Bairro da Boa Vista. A mostra traz painéis produzidos em lona que estão espalhados ao lado da pista. Eles reproduzem os 30 artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, documento que expõe e norteia o ideal de sociedade e afirma que os direitos humanos são inerentes a todos os seres humanos, independentemente da sua raça, sexo, nacionalidade, etnia, idioma, religião ou qualquer outra condição.

Veja alguns dos  vários direitos previstos nos 30 artigos, retratados nos painéis:  “Todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião”, “Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão”,”todo ser humano tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego”, bem como “direito à instrução” “direito de participar livremente da vida cultural da comunidade”, “direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica, literária ou artística da qual seja autor”.  O Dia Internacional dos Direitos Humanos é comemorado, desde o ano de 1950, em 10 de dezembro e nessa data, celebra-se a oficialização da Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Organização das Nações Unidas, fato que ocorreu em 1948. Já se passaram sete décadas, mas infelizmente o cumprimento da Declaração de 1948 ainda é muito desrespeitada. No Recife, no Brasil, no mundo. Então, vamos lembrá-la. Sempre!

Leia também
Pelos parques do Recife: Treze de Maio
Jaula contra vandalismo no Treze de Maio
Treze de Maio: Brinquedos com história
Dia de pão e paz no Treze de Maio
Monumento Nacional, Faculdade de Direito no meio do matagal
MeninXs na Rua com Abelardo da Hora
Atenção Grupo Tortura Nunca Mais: Sumiu homenagem a Cândido Pinto
Placa em homenagem a vítima da ditadura volta à Ponte da Torre: “Herói”

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Daniel Tavares / Divulgação / PCR

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.