Dia Internacional da Mulher: Centro de Mulheres do Cabo faz 40ª caminhada

 Dia Internacional da Mulher: Centro de Mulheres do Cabo faz 40ª caminhada

Compartilhe nas redes sociais…

Tida como uma das organizações não governamentais mais antigas da Região Metropolitana do Recife e que tem luta feminista por direitos não só de gênero mas também de raça, o Centro de
Mulheres do Cabo (CMC), realiza mais uma  caminhada, para assinalar o Dia Internacional da Mulher.
A concentração acontece às 15h, na Praça da Bíblia, na Avenida Historiador Pereira da Costa, Centro da cidade, com término na sede da instituição, localizada na Rua Padre Antônio Alves, nº 20, por trás do antigo Teatro Barreto Júnior. A manifestação comemora os 40 anos da entidade, que deu origem a outras organizações populares de mulheres, que passaram a atuar em defesa dos seus direitos e das comunidades.
A coordenadora geral do CMC, Izabel Santos, ressalta que a caminhada é um ato político e de comemoração. “Neste dia vamos afirmar os nossos direitos e denunciar todas as violências de gênero e lutar por novas conquistas. Além disso, vamos comemorar os 40 anos da nossa instituição que é pioneira na implementação e monitoramento das políticas de enfrentamento à violência contra a mulher em Pernambuco”, afirmou a feminista.

O evento  pretende reunir mais de 2 mil mulheres das diversas comunidades do Cabo de Santo Agostinho na Região Metropolitana do Recife (RMR), na ocasião grupos de mulheres das cidades de Ipojuca e Escada estarão presentes. Já estão confirmadas para animar o público presente a cantora Ava Guimarães e o Coral Orquestra Fantasia da Juventude Lírica. A ação tem o apoio da Prefeitura do Cabo.

Abaixo, você confere informações sobre o Centro de Mulheres do Cabo, que fica localizado no município do Cabo de Santo Agostinho, localizado a 41 quilômetros do Recife. Também confira informações sobre  o município e a respeito de personagens e lutas feministas.

Leia também
Prêmio Nobel da Paz, MalaYousafzai chega a Pernambuco, confere escolas e conhece forró
A presença de Malala em Pernambuco, a menina que conquistou o Prêmio Nobel aos 17 anos
Covid-19 ultrapassa gravidez precoce como causa da evasão escolar
Documentário: O impacto provocado pelo Porto de Suape
Mangue Mulher: clipe mostra a vida das pescadoras com a voz de Elza Soares
A luta pelo acesso ao mangue
Mulheres do Cabo de Santo Agostinho vão daqui a pouco às ruas exigir direitos femininos
Rio Tatuoca: Rios livres mangues vivos
Meros mortos no litoral sul
Corrente do bem no Cabo e em Ipojuca
Cabo recebe voluntariado
Mulheres aprendem a empreender
Amazon Brasil inaugura estrutura gigantesca
Vale da Lua, no Cabo de Santo Agostinho, tem movimentação cultural e histórica
Cabo ganha 7.450 árvores
Preguiça em alta tensão, no Cabo
Trilha no Paiva: Caminhada de cinco quilômetros pelas matas de Camaçari 
Após desova, a volta para o mar
Praia do Paiva: Tartarugas ao mar
Sobre violência de gênero
Inspirado em lei que levou jogador Daniel Alves à prisão, Protocolo Violeta entra em vigor no Recife 
Violência doméstica: Sempre ouvi dizer que numa mulher não se bate nem com uma flor
Mulheres do Cabo de Santo Agostinho vão daqui a pouco às ruas exigir direitos femininos
A presença de Malala em Pernambuco, a menina que conquistou o Nobel da Paz aos 17 anos
Covid-19 ultrapassa gravidez precoce como causa da evasão escolar
Mangue Mulher: clipe mostra a vida das pescadoras com a voz de Elza Soares
Mulheres aprendem a empreender
Dia de memória às vítimas de feminicídio no Recife. Abaixo a violência contra a mulher!
Benefício para os órfãos de feminicídio
Aborto em menina de dez anos gera guerra em Pernambuco
Gravidez precoce responde por 21 por cento dos partos em Pernambuco
Caso Pedro Eurico: “Em mulher não se bate nem com uma flor”
Ex mulher de Pedro Eurico faz acusações a Maria Eduarda
Relacionamentos abusivos viram espetáculo de dança: “Eu mulher”
Mulheres contra a violência
As mulheres e o boçal deputado Artur do Val
Acusado de matar Kauany e Jailma em Glória de Goitá aparece em Caruaru
Chamar candidata de “picolé de menstruação” é desrespeito e misoginia
Gabriela e Rayane movimentam escritório só para mulheres
Estranhas e entranhas marcas: dança, fêmeas, cicatrizes
Gretchen: A mulher faz o que quiser
Pelo fim da violência contra a mulher
Inaldete Pinheiro ganha homenagem
Tejucupapo revive batalha do século 17
Conheça melhor  a lendária Branca Dias

A mulher empoderada do século 17
Nassau e Ana de Ferro estão em Olinda
Sarau das Lobas e minas no Mamam
Poesia oral tem novas caras
A única mestra de maracatu
Maracatu rural: as mulheres guerreiras
Peça sobre Soledad Barret, assassinada grávida pela ditadura em temporada na Espanha

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto de arquivo da instituição

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.