Milícia privada, MST e ação solidária

 Milícia privada, MST e ação solidária

Compartilhe nas redes sociais…

Viva o MST. Que está dando um belo exemplo de solidariedade. O Governo Federal comemorou o Dia do Agricultor (28/7) estimulando o uso de armas no campo, ao postar em suas redes sociais um “agricultor” portando uma arma e que lembrava mais um jagunço do que produtor de alimentos . Um verdadeiro representante de milícia privada, ainda comum hoje nas grandes propriedades de terra. Nessa quinta (29/7), o MST  deu o troco, distribuindo  treze toneladas de alimentos em regiões periféricas da Região Metropolitana.

“É muito importante pra gente dizer ao governo Bolsonaro que enquanto ele promove a violência, a gente escolhe a solidariedade. E que nós estamos produzindo, mesmo com pouco nenhum incentivo  para agricultura familiar camponesa”, diz Paulo Mansan, da Coordenação Estadual do MST, movimento que é demonizado pelo Presidente e seus seguidores. A entrega teve início no final da manhã, no Armazém do Campo, no centro do Recife.

Além de distribuir marmitas e alimentos para as populações carentes,o MST que plantar 100 milhões de árvores no Brasil.

E depois a doação seguiu para ser distribuída para a Rede de Banco Populares de Alimentos da Campanha Mãos Solidárias. Além disso, mil marmitas serão distribuídas para população em situação de rua do Recife.   “A ação do movimento em solidariedade entre trabalhadoras(es) do campo e  cidade, principalmente com a escalada da fome no país”, informa o MST, lembrando que” mesmo com o desmonte das políticas de soberania alimentar e agricultura familiar, desde o início da pandemia, o MST já doou mais de 1 milhão de marmitas e 5 mil toneladas de alimentos”.

Conhecido pelas suas marchas e pela ocupação de terras, o MST vem mudando de estratégia nos últimos anos, com a disseminação da agricultura orgânica, a criação dos armazéns do campo  e também com ações sociais – como o Marmita Solidária – para garantir comida a populações carentes que foram afetadas pela pandemia, e que estão em situação de insegurança alimentar. Também está desenvolvendo ações ambientais. Em novembro do ano passado, deu início ao plantio de mudas nativas para reflorestamento de áreas desmatadas. O objetivo é chegar a 100 milhões de árvores plantadas.

Leia também
Dia do Agricultor: Agricultura com “gosto de sangue”?
Trilhas da Democracia com o MST
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
O levante dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Entre a cidania e o retrocesso: “Vacina no braço, comida no prato” 
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o Sertão já virou mar
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: MST / Semas-PE

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.