Desalojados com obra de ponte ganharão habitacional no Monteiro

O Prefeito do Recife, João Campos (PSB) tranquilizou os moradores da Vila Esperança Cobocó, que temem ser desalojados  com construção da ponte Engenheiro Jaime Gusmão, que ligará os bairros de Iputinga e Monteiro. Iniciada há mais de uma década e com a obra interrompida por problemas técnicos, a ponte teve a construção retomada em setembro deste ano e apenas os seus alicerces serão aproveitados. A parte restante precisou ser demolida. O prefeito disse que construirá um conjunto habitacional com 75 apartamentos para as famílias residentes naquela Zona Especial de Interesse Social (Zeis) e que precisarão ser removidas.

O conjunto ficará no  bairro do Monteiro, onde será construída também uma creche. O complexo receberá o nome de Vila Esperança. Os equipamentos serão construídos num terreno próximo ao limite da ZEIS e o habitacional será dividido em dois blocos, com térreo mais quatro andares, um com 40 unidades e o outro com 35. “ São 75 unidades que serão construídas aqui, vizinhas à ponte, com creche nova, playground, espaços de lazer, para a gente garantir que todas as famílias que serão impactadas de maneira direta terão a oportunidade de também escolher poder ter uma habitação nova dentro desse habitacional”, disse o socialista.

Moradores da Vila Cobogó, no Monteiro, serão desalojadas mas  ganharão conjunto habitacional, creche, bicicletário.

Lembrou ser “um investimento de mais de R$ 9 milhões que será executado com fontes próprias da Prefeitura do Recife”. De acordo com o prefeito, a obra do habitacional começa em julho do ano que vem. “A previsão é que em um ano e meio ou dois, a obra seja concluída”. Os apartamentos terão dois quartos, com área de aproximadamente 40 metros quadrados. O acesso será feito pela Rua 19 de Abril. Para a creche, a proposta é aproveitar a fachada do casarão existente no local, respeitando a tipologia do imóvel e preservando a história do bairro.

A Vila Esperança ganhará também horta, pomar, playground, bicicletário, espaço para coleta seletiva e equipamentos para eficiência energética. O conjunto de intervenções será realizado de forma articulada pelas Secretarias de Habitação, Educação e pela Autarquia de Urbanização do Recife (URB). As obras do novo projeto da Ponte Engenheiro Jaime Gusmão foram iniciadas em setembro, para interligar os bairros da Iputinga e do Monteiro, cruzando o Rio Capibaribe. A intervenção, orçada em R$ 38 milhões, inclui um elevado de 170 metros de extensão, 20,65 m de largura e 12,18 m de altura, com calçadas de 1,5 m e ciclofaixa de 1,5 m de largura em cada lado. São quatro faixas de rolamento, duas em cada sentido.

Leia também
Ponte que “enterrou” R$ 16 milhões (sem levar a lugar nenhum) é retomada
Três pontes em obras. E a da Boa Vista
Ponte da Boa Vista ganha reparos
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Ponte Duarte Coelho sofre atentado estético
Vamos salvar o centro do Recife?
Ponte da Boa Vista pede socorro
Vandalismo: prejuízo de R$ 2 milhões

Pontes restauradas e Giratória que não gira
Pontes passam por restauração 

Pontes ainda vão esperar por reparos
Recife: pontes e “fontes de miséria” 
Recife com Nassau, pontes e jornal 
Ponte restaurada e giratória que não gira 
MeninXs na Rua foram pelo Rio
Colorido degradê na Ponte do Pina
Caminhada das Pontes foi um sucesso
Parque Apipucos totalmente detonado
Parque Apipucos começa a desabar
Parque Apipucos sofre incêndio
O abandono do Açude de Apipucos e o pier que nunca foi concluído
Açude de Apipucos virou um lixão
Açude de Apipucos: toneladas de lixo
Metralhas poluem Apipucos

Texto:  Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Rodolfo Lopert/ PCR

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.