Depois daquele tombo (7)

As calçadas do Recife viraram uma armadilha para os pedestres. São muitas as vítimas de tombos que até sofrem fraturas, por conta de desníveis, buracos, pedras soltas. Ou até mesmo por concreto quebrado devido às raízes de árvores em canteiros de tamanhos inadequados. É o que ocorre, por exemplo, na Rua Dom Bosco, no bairro da Boa Vista. Ou na calçada do Mercado Público da Madalena.

Como ando muito, tenho visto verdadeiras aberrações, quando o assunto é calçada.  Essa da foto do Condomínio Morada da Casa Forte, que fica no número 53 da Avenida Dezessete de Agosto, em Casa Forte, Zona Norte do Recife. Há mais de um mês que a situação é esta, sem que ninguém tome providência. No caso, o condomínio, já que pela legislação as calçadas de edificações particulares são de responsabilidade dos proprietários dos imóveis.

E deixá-las em situação ruim é tanta falta de cidadania quanto jogar lixo nas ruas. Hoje pela manhã, havia uma tentativa de reduzir o tamanho do risco, colocando-se mais uma pedra no buraco. Também em falso. Pisou, caiu. Está certo que a responsabilidade é de particulares, mas quem não fizesse a sua obrigação deveria ser advertido e multado. Mas aqui no Recife nem o particular nem o poder público fazem a sua parte. Infelizmente.

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.