“Coração do Meio”: Criatividade musical no meio da pandemia

 “Coração do Meio”: Criatividade musical no meio da pandemia

Compartilhe nas redes sociais…

Os primeiros contatos de Maurício Cavalcanti com a música vieram das aulas de acordeom da mãe, quando a família morava em Olinda. Depois, ainda menino,  já no Recife, vivia ligado nos LPs dos Beatles, da Jovem Guarda, mas também dos frevos de Capiba e Nelson Ferreira, na voz de Claudionor Germano. No bairro de Casa Amarela, onde morava, escutava sempre as rodadas de chorinho dos vizinhos. E também as músicas que vinham das festas de aniversário e casamento da rua e até mesmo da casa de famílias de ciganos que ali moravam.

Os ciganos, lembro bem deles, que tinham residência na Estrada do Arraial e na Conselheiro Nabuco, onde Maurício residia. Depois, passou a curtir o som dos blocos de frevo, dos caboclos de lança, dos maracatus. A ligação com a cultura popular se fortaleceria quando, nos anos 1980 foi trabalhar no Pátio de São Pedro, onde travou conhecimento com grandes nomes do carnaval pernambucano. A  partir daí, tomou gosto pela composição. E agora, prepara-se para mostrar mais um trabalho. O seu sexto CD físico deverá ser lançado com festa, na Loja Passa Disco, no início do próximo ano. Mas algumas faixas entram já a partir de hoje nas plataformas digitais. Coração do Meio, que é autoral, faz homenagem a duas cidades, Recife e Olinda. “A intenção é agradecer a inspiração e a influência, recebidas de ambas, em minha musicalidade”. O CD conta com a participação de vários artistas.

E a pré-venda já está valendo (https://backl.ink/143702954). O interessante é que o CD foi produzido durante o isolamento social, determinado pela pandemia. Entre os intérpretes encontram-se Isadora Melo (Olinda, Olanda), Almério (Olinda é meu lugar), Ylana Queiroga (Frevo Cantoria), Flaira Ferro (Ensaboados), Amanda Cabral (Ciranda do teu balanço), Isaar (Azul), Malu Rizzo (Batutas, o Bloco), Tonfil (Menina Traquina), Gabi da Pele Preta (Recife capital federal do carnaval brasileiro).

Entre os parceiros musicais estão Lenival Silveira, Humberto Vieira, Xico Bezerra e Marcelo Varella, todos figuras conhecidas na tradicional música pernambucana. Em tempos de pandemia, não houve outro jeito: a gravação foi remota, e ocorreu entre junho e setembro de 2020, no Estúdio Muzak. A direção musical é de Rafael Marques (Orquestra Malassombro). Entre os músicos convidados estão Yacauã (bateria), Jefferson Cupertino (baixo), Rafael Meira (guitarra e violão), Rafael Marques (bandolim e cavaco), Júlio César (acordeon).  Confira, a partir de hoje, nas redes sociais.

Leia  também:
Amizade 67 na Passa Disco
Os novos artistas da pandemia
A arte de fazer arte na pandemia
A capacidade de se reinventar
As roupinhas e máscaras coloridas da família de Francisca
Pró-Criança: Começa a campanha Colorindo a Esperança
Fabio: Entre a Passa Disco e a Natureza
Recife, mangue e aldeõs guaiás
Jardim Secreto completa três anos: esforço coletivo, mudança e resultado
Trilhas voltam com força mesmo na pandemia
Eco Verdejante: Trilhas pelas matas com direito a banho de rio
Profissionais de eventos farão protesto
Aos dez, Alice ganha sua primeira taça em torneio de tênis
Guerreiros do Passo “rendem” 5 mil foliões e ampliam trincheira do frevo

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Coração do Meio

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.