Chamar uma candidata de “picolé de menstruação” é misoginia e falta de respeito a todas as mulheres

 Chamar uma candidata de “picolé de menstruação” é misoginia e falta de respeito a todas as mulheres

Compartilhe nas redes sociais…

Não é a primeira vez. Em 2020, quando disputava a Prefeitura do Recife  e disparou nas pesquisas de intenção de voto, a Deputada Marília Arraes (então no PT) foi alvo de uma campanha sórdida e misógina, que chocou o eleitorado feminino. Na época, o “tiroteio” foi disparado às vésperas de finalizar a corrida para o segundo turno, e seu adversário era o primo João Campos (PSB), hoje Prefeito do Recife. Muita gente que conheço decidiu votar em Marília por solidariedade de gênero.

Agora, grávida e enfrentando a dureza que é uma campanha  eleitoral, a candidata à sucessão estadual volta a ser alvo de agressão machista, reconhecida pelo TRE como “violência política contra a mulher”.  Uma das autoras de lei que propôs o fornecimento de absorventes a estudantes de escolas públicas do ensino fundamental e médio, a  agora candidata pelo Solidariedade foi chamada de “picolé de menstruação” nas redes sociais de pessoas ligadas à adversária, Raquel Lyra (PSDB).

Imediatamente, o Setor Jurídico do Comitê de Marília apelou ao TRE, que deu prazo de 24 horas para que o agressor se explique. O vídeo sobre o assunto foi publicado na página de Mateus Souza no Instagram. E é grotesco, de péssimo gosto. “Você tem um picolé de menstruação que é Marília. Eu não chupo um picolé de menstrução, e você”.

Mas o comitê de Raquel esclarece que o autor do vídeo é o policial Maxwell Souza, que não tem vínculo com seu comitê eleitoral. E Mateus foi assessor do Deputado Daniel Coelho (Cidadania), coordenador da campanha de Raquel Lyra. Mateus não trabalha mais com Daniel, mas sim com o ex-Ministro e candidato derrotado ao Senado, Gilson Machado Filho. O TRE intimou Mateus a se explicar. É lamentável que esse tipo de violência política contra a mulher aconteça em uma campanha  disputada por duas pessoas do sexo feminino.

Raquel Lyra desautoriza expressão “picolé de menstruação” e avisa que responsáveis não são seus assessores

Infelizmente, uma profunda falta de respeito com Marília e com todas as mulheres. Incluindo as de baixa renda, que faltavam às aulas durante o ciclo menstrual porque não tinham como se proteger, já que faltava dinheiro para comprar absorventes. Se eu tivesse que aplicar a lei, fazia esse rapaz cumprir pena alternativa, obrigando-o a subir morro para entregar pacotes de absorventes  a entidades em escolas públicas.

Só assim, ele não chamava mais de “picolé de menstruação” quem tanto lutou para suprir essa necessidades entre mulheres pobres, jovens e adolescentes. Ou povo de alma pequena…. Meu Deus! Hoje, em Caruaru, Raquel Lyra prometeu ajudar as mulheres que precisam trabalhar com construção de creches no Estado, e também proteger aquelas que enfrentam violência doméstica. “Vamos ter Delegacia da Mulher, 24 horas por dia, sete dias da semana, com equipe profissional para fazer atendimento, psicóloga, assistente social…”,disse.

Leia também
Após morte do marido e cirurgia do filho Raquel Lyra volta às ruas
Festa para Lula vira mar vermelho no centro do Recife
Campanha esquenta em Pernambuco com denúncia de fake news
Raquel retoma campanha após missa de sétimo dia 
Expectativa, recomeço do horário eleitoral gratuito e a difícil decisão de Raquel Lyra: Lula ou Bolsonaro?
Institutos de Pesquisas falharam muito acima da chamada margem de erro
Marido de Raquel  Lyra tem ataque fulminante e morre no dia da eleição

Eleições 2022: PSB ocupa ruas com bandeiras mas caminho não será fácil
Longe dos caciques políticos, caciques indígenas fazem coletivo para disputar mandato
Com  candidato a governador em baixa, proporcionais do PSB omitem nome de Danilo
Pedestre rejeita propaganda do PSB nas ruas e é confundido como eleitor de Bolsonaro
Sem Eduardo Campos nem Miguel Arraes, PSB adota estratégia do morto carregando o vivo
Na caça ao voto, candidatos precisam aprender a separar o que é público e o que é privado
Mulheres lideram corrida sucessória
Mulheres lideram corrida sucessória para o governo e para o senado em Pernambuco
Eleições: Teatrinho em feira chega à Várzea
Eleições 2022: PSB ocupa as ruas com bandeiras mas caminho das urnas será difícil
 João Campos contraria pesquisa e é eleito com 56,27  por cento dos votos
Machismo, baixarias, cães raivosos e o exemplo das ruas no Recife
Marília cai em um dia e sobe no outro
TCU: 10.000 candidatos receberam auxílio emergência, treze em Pernambuco
Marília cai em um dia e sobe no outro
Ibope: João Campos joga pesado e reverte vantagem de Marília
Debate: Campanha do ódio
Direita pede votos para João Campos porque “Lula tem pacto com o demônio”
Campanha vira lavagem de roupa suja
PSB: Dá para acreditar? Nunca fez nada pelo Recife e quer ser prefeita
Segundo turno começa a esquentar temperatura. Debate foi só o inicio
A virada de Marília Arraes
A nova cara da Câmara Municipal
João Campos deve disputar segundo turno com a prima Marília
Eleições municipais, 2020: Pernambuco tem 1.140 fichas sujas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Assessorias das candidatas 

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.