Centro do Recife requer mais do que só festa

Desde o início da pandemia, não tenho saído muito. Tanto que há um bom tempo, não via o centro do Recife à noite. Confesso que fiquei decepcionada, nesta semana, ao perceber trechos escuros, no maior breu, em algumas ruas importantes como as do Sol, Aurora, Mário Melo. Alguns monumentos carecem de iluminação cênica, porém quando esta acontece – como no caso da Ponte da Boa Vista – o pedestre fica exposto à insegurança, porque o lugar a ele destinado é muito escuro, quando a população tem direito a iluminação que lhe garanta, pelo menos, um pouco de segurança.

Portanto, festas como a Viva Guararapes podem até ser um atrativo para a população, mas que eu saiba, nada acrescentam à revitalização do centro o Recife. E revitalizar é tudo que bairros como Boa Vista, Santo Antônio e São José precisam.  É só andar pelo centro para constatar. Ruas nem tão limpas quando deveriam, desordem urbana, calçadas sem manutenção, desconforto térmico por falta de vegetação, iluminação pública insuficiente, prédios desocupados e degradados, e por aí vamos…  Sinceramente,  depois de tanto estardalhaço, eu esperava mais do chamado Recentro, o gabinete de revitalização do centro.

Em todo caso, nada como a velha máxima do “pão e circo”. E se falta pão – aqui no sentido mais abrangente e figurado – “circo” é o que vai sobrar, no domingo (6/7), quando acontece mais uma edição de Viva a Guararapes, que movimenta aquela famosa avenida  uma vez por mês. A Guararapes  é um pedaço bem representativo do Recife, pela concentração de prédios em estilo Art Déco. Mas, ao que parece, ninguém lembra disso. Se lembrasse, não teriam deixado o abandono dominar aquela região. Vamos ver o que melhora. Já festa… Segundo a Prefeitura do Recife, o domingo está reservado para cem atrações para o lazer do público. Toda a programação será gratuita e estará disponível das 9h às 17h.

Avenida Guararapes representa concentração de prédios em estilo Arte-Déco, porém enfrenta desordem urbana

Segundo a PCR, a Viva a Guararapes deste final de semana contará uma cenografia toda especial, com uma espécie de “arena da música”, com discos em vinil que vão dar o tom da decoração e outros elementos. No local, terá uma radiola de ficha para que os cantores amadores possam se divertir com o karaokê e escolher as músicas preferidas para tocar no momento. Também no espaço haverá um lounge para as pessoas dançarem e aprenderem ritmos da terra. Confira as atrações programadas: eventos esportivos e gastronômicos, pet, feira literária, de economia criativa e geek e de outros gêneros, tudo com o toque musical. Ao longo de cerca de 200 metros de extensão serão dispostos polos temáticos com os elementos que remetem à música.

No Polo Sesc, haverá apresentação de passistas e oficina de Frevo. No Palco Esportivo, os interessados vão apreciar a malemolência do Passinho e dançar o verdadeiro coco de roda. Todas as atrações musicais escaladas para o Polo Cultural e Artístico – como o Maracatu Baque Mulher, Forró do Escaletador, Samba Star, Faringes da Paixão e outras – exaltarão ritmos típicos da cidade. O Polo Sebo, na Praça do Sebo, oferecerá contação de histórias infantis com Mari Bigio e Cordel Animado e oficina de musicalização com a Fada Magrinha. “ A iniciativa do Viva a Guararapes, da Prefeitura do Recife, foi criada para que a população ocupe os espaços da cidade, possa vivenciar e conviver no centro, admirar as paisagens, monumentos e a arquitetura das edificações da área”, informa a PCR. No total, mais de 100 atrações para todos os públicos, produtos e serviços estarão disponíveis para quem for curtir o domingo. Tudo bem, festa é bom, distrai. Mas depois da festa, o Centro volta à velha rotina de sempre. O que é uma pena. Até porque minha cidade é tão bonita…

Leia também
Recentro usa forró para animar São José
Ainda sem mudanças a apresentar, Recentro faz festa na Guararapes
Festa: Avenida Guarararapes rediviva?
Recentro é criado para cuidar do degradado centro do Recife. Será que agora vai?
 Imperatriz tem 15 lojas fechadas
Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Em dois anos, lojas fechadas aumentam 140 por cento na Imperatriz
Frente parlamentar pelo centro do Recife
Moradora pede fiscalização no centro
Praça Maciel Pinheiro vai de mal a pior
Histórica, Praça Maciel Pinheiro vive a decadência e o abandono
Praça Maciel Pinheiro: falta grama e sobra lixo
Praça Maciel Pinheiro pede socorro
Pobre Recife.Será que isso vai mudar?
Recife longe dos objetivos de desenvolvimento sustentável
Novo vandalismo no Circuito da Poesia
Decadência na Praça da Independência
Pronto projeto para recuperação do Parque de Esculturas
O drama do Parque de Esculturas
Instituto Oficina Francisco Brennand: O Recife não merece tamanho desrespeito
Parque das Esculturas pilhado. Cadê a serpente que estava aqui?
Parque das Esculturas e indignação: “Esse post é um pedido de socorro”
Marginais roubam tudo, de escultura de uma tonelada a trator. Punição..
A voz do eleitor: Que prefeito respeite mais o Recife e o recifense
Que breu é esse na Torre de Cristal?
Torre de Cristal não pode apagar: Trevas onde devia haver luzes
Torre de Cristal sai do breu, mas peças roubadas ainda estão sem reposição
Mural sobre Restauração Pernambucana precisa de reparos
Estátua de Ariano no chão
Uma “pérola” na comunidade do Pilar
Fórum Arte Cidade movimenta o Recife
Monumento ao maracatu pilhado
Os remendos nas pedras portuguesas
Vandalismo dá prejuízo de R$ 2 milhões
Cine Glória: Art-Noveau e decadência
Cine Glória agora é Lin-Lin
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror: Pátio de São Pedro fica sem lampiões até depois de julho
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Ponte da Boa Vista pede socorro
Ponte da Boa Vista: efetuada reposição mas faltam reparos
Bonde vira peça de museu e trilhos somem do Recife sem memória
Recife da paisagem mutilada
A cidade que precisamos
Hamburgo e Recife: semelhanças

Aos 483, o Recife é lindo? Veja fotos
Com Hans, entre o barroco e o rococó
De olho nas luminárias da Bom Jesus

Art Déco: Miami ou Recife?
Passeio do estilo colonial ao moderno bossanovista
Vamos salvar o centro do Recife
Caminhadas Domingueiras: Mergulho no estilo neocolonial no Recife

Você está feliz com o Recife?
O índice de felicidade urbana do Recife
Viva 2018, Recife
O Recife que queremos, em 2019
Recife, cidade parque em 2037
Recife se prepara para os 500 anos
Uma cidade boa para todo mundo
Recife, mangue e aldeões guaiás
Livro mostra o Recife que se esconde
Nota dez para o Recife que te quero ver
Hans Von Manteuffel dedica fotopoema ao Recife
Recife virado que te quero ver
Art Déco: Miami ou Recife?
Vamos salvar o Centro do Recife?
O centro do Recife não é mais um chiqueiro
Decadência no Cais do Imperador
Decadência na Praça da Independência
Centro do Recife precisa de mais vida

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e PCR

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.