Carta de Quaresma divulgada por Frei Beto pede apoio para os Yanomami. Cufa recolhe donativos

Tristeza, vergonha, revolta, com a situação  dos povos Yanomami, que amargaram por completo o abandono do poder público, tiveram suas terras invadidas e contaminadas pelo garimpo ilegal e que começaram a morrer à míngua. Situação que se agravou no governo passado, liderado por Jair Bolsonaro, que sempre se posicionou contra os interesses indígenas.  Ainda como deputado federal, em 1993, o ex-capitão apresentou proposição para tornar sem efeito decreto presidencial criando a reserva Yanomami, que havia sido homologado em 1992.

Na presidência, ele  mostrou  mais preocupação em liberar a exploração predatória da Amazônia do que em manter em pé sua floresta. Que desmontou a rede de proteção ambiental no Brasil, e não só tolerou como incentivou a ocupação de terras dos povos originários. O resultado é a tragédia que está aí. Uma tragédia, aliás, anunciada. As imagens da tragédia humanitária divulgadas desde a semana passada remetem às  velhas fotografias  captadas entre 1967 e 1970, durante a guerra civil pela independência no território da Biafra, na Nigéria, quando  mais de um milhão de pessoas morreram, a maioria devido à fome. Felizmente, o Presidente Lula e seu ministério começaram a correr para recuperar o tempo perdido, para evitar que se alastre o  chamado “genocídio” que, com certeza – em um futuro não muito distante – chegará até os tribunais internacionais.

Pelo menos, a sociedade está mobilizada. Passando para divulgar a carta assinada por Frei Beto sobre a situação das comunidades originárias, com um apelo à sociedade para colaborações em nome daquele povo, cuja situação comove o mundo. Contribuições podem ser feitas para a conta bancária Hutukara Associação Yanomami, Banco do Brasil, Agência2617-4, Conta Corrente 58.918-7. O CNPJ é 07.615.695/0001-65. Chave aleatória PIX: 8b323044-0123-49e5-8938-03bdc8491277. Caso você queira recibo ou algum esclarecimento, pode entrar em contato pelo e-mail hutukaraassociacaoyanomami@gmail.com. Identificar o título com Campanha Quaresma Yanomami.  Vamos colaborar, gente, os yanomami precisam de nós, mais ainda do que tanto necessitaram de assistência os nordestinos, durante o flagelo das secas. Em carta divulgada nas redes sociais, Frei Beto informa que “a Campanha da Quaresma será dedicada aos povos originários que habitam a Terra Indígena Yanomami (TIY)”, com cujos líderes ele sempre mantém contato. Por favor, ajude a divulgar esse apelo em suas redes sociais.

Frei Beto lembra que em maio deste completam-se 30 anos da TIY, a maior área destinada a povos indígenas do Brasil, com 9,6 milhões de hectares de floresta, na qual moram 700 pessoas da etnia Ye’kwana e aproximadamente 26 mil indígenas da etnia Yanomami, distribuídos em 321 aldeias. Ele mostra que esses últimos “são um dos maiores povos indígenas do Planeta que ainda mantêm seu modo de vida tradicional”, e que falam seis idiomas. E denuncia que esses povos enfrentam problemas desde a década de 70 do século passado, por conta de abertura de estradas que causaram fortes impactos ambientais, o que ajudou a disseminar doenças e a provocar mortes entre os indígenas. Já na década de 1980, o TIY passou a ser invadido por garimpeiros, situação que vem piorando.

Ressalta que o Sistema de Monitoramento do Garimpo Ilegal na Terra Indígena Yanomami mostra que essa invasão cresceu 30 por cento em 2020, e que – em 2021 – as cicatrizes deixadas foram 2.933 hectares de matas destruídas. Isso sem falar nos rios contaminados por mercúrio, substância usada no garimpo e que traz danos irreversíveis ao meio ambiente, incluindo rios e peixes. Estima-se em cerca de 20 mil os garimpeiros atuando ilegalmente na área. Frei Beto relembra violências envolvendo até armas de fogo contra os indígenas. E mostra que, em 2021, as infecções já avançavam em proporções assustadoras entre eles: 250 por cento. Frei Beto pede doações para a Hutukara, associação da TIY, com “maior reconhecimento nacional e internacional”. E apela: “sua doação, ainda que de R$ 1, poderá favorecer a aquisição de cestas básicas com alimentação adequada, apoio a ações de saúde, compra de testes rápidos para Covid-19 e até para aquisição de ferramentas de pesca. No Recife, a Central Única de Favelas (Cufa) deu início à arrecadação de donativos par os yanomami, principalmente alimentos. Mais informações no telefone (81) 997475008. A Cufa fica na Avenida Norte, 5300, Casa Amarela.

Leia também
Longe dos caciques políticos, índígenas fazem coletivo para disputar mandato
Velório: Índios prestam comovente homenagem
Tragédia na Amazônia: Bruno Pereira e Dom Presentes
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Documentário sobre Bolsonaro: O Senhor da morte chefiando o país
Um bufão no poder: Livro analisa negacionismo, catastofrismo e messianismo em Bolsonaro
Livro mostra passageiros da tempestade: facistas e negacionistas nos tempos presentes
Ninguém aguenta mais, fora bolsonaro e seus generais
Mais um peetista morto por um bolsonarista
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Notícia falsa sobre descobrimento é retirada do ar
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Finalmente o que faz Bolsonaro em Pernambuco?
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto
Ministério Público não quer homenagem a militar da ditadura em prédio do Exército
Nazista bom é nazista morto chama atenção em muro do Exército
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Live de Bolsonaro vira caso de justiça
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Trilhas da democracia com o MST
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown
Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Condisi/ YY / Divulgação 

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.