“Capiba, pelas ruas eu vou” volta ao palco do Teatro Santa Isabel no fim de semana. Não perca!

 “Capiba, pelas ruas eu vou” volta ao palco do Teatro Santa Isabel no fim de semana. Não perca!

Compartilhe nas redes sociais…

Fui, amei e recomendo. O musical Capiba, pelas ruas eu vou é simplesmente imperdível. Assisti no mês de outubro.  E neste final de semana o espetáculo volta ao palco do Teatro Santa Isabel, dando mais oportunidade ao público de conhecer a obra do nosso inesquecível compositor , que ficou famoso pelo repertório de frevos. Mas o músico foi muito mais do que isso. Ele nos deixou um acervo de valsas, cirandas, maracatus, caboclinhos e outros gêneros musicais que foram aproveitados para uma mostra bem representativa da grandeza de um dos mestres de nossa cultura.

Capiba (1904-1997) foi o tema escolhido pelo Aria Social, para comemorar os 30 anos de fundação e de serviços prestados à cultura pernambucana, através do resgate social de crianças, jovens e até adultos em situação de vulnerabilidade. No palco, 43 dançarinos cantores, que são assistidos pela instituição  responsável por dar um novo sentido às vidas de meninos, meninas, e adultos.  Os dançarinos contam com uma orquestra de câmara (teclado, primeiro e segundo violinos, viola, violoncelo, contrabaixo, violão, flauta transversal e clarinete), sob a direção musical de Rosemary Oliveira.

Espetáculo sobre Capiba volta ao Santa Isabel, no final de semana: impecável em tudo,  até no guarda-roupa.

A direção do espetáculo é de Cecilia Brennand, também diretora e fundadora do Aria Social. E a direção teatral é de Tuca Andrade. O que eu posso dizer é que Capiba, pelas ruas andei termina com gosto de quero mais. Muitas pessoas que assistiram o musical na primeira temporada, compraram ingressos para repeteco na segunda. Tudo porque o espetáculo está perfeito e nos conduz a uma viagem ao começo do século 20 – quando Capiba tocava piano no cinema mudo – até os dias atuais, já que muitas músicas que têm a  sua assinatura viraram clássicos do nosso carnaval em particular e do cancioneiro, em geral.

Todas as músicas escolhidas para a peça são acompanhadas de belíssimas coreografias e até mesmo projeções de fotos que lembram os nossos ritmos, o frevo, a festa da rua, o Recife de antigamente. O figurino está perfeito, pensado sob medida para cada ritmo. Romântico, de cores brancas, para as serenatas. Ou estilo afro, em som vermelho, para o maracatu, por exemplo. Roupas comuns, do dia a dia, para o frevo de rua, no estilo dos foliões que seguem anonimamente troças, clubes, e até chamados blocos de “sujos” (que arrastam foliões sem fantasias).

Espetáculo do Aria Social conduz a plateia a uma viagem dos carnavais passados. Homenagem impecável a Capiba

Algumas das músicas são resultantes de parceria com outros ícones da nossa cultura como Ariano Suassuna (São os do Norte que vêm), Carlos Pena Filho (A mesma rosa amarela), Ascenso Ferreira (Tororó). Mas se você for ao teatro, vai se deleitar, também, com Suite sem lei nem rei, Recife cidade lendária, É de amargar, Buquê prá minha amada, Valsa Verde, Verde mar navegar, Ciranda, Cem anos de choro (essa com música de Capiba e letra de Rosemary Oliveira), Bela, De chapéu de sol, É frevo meu bem e Trombone de Prata. Há, ainda, a Missa Armorial.

Nos links baixo, você confere outras informações sobre Capiba, sobre o espetáculo, sobre o Aria Social e também um vídeo com uma pequena amostra do espetáculo. No canal do #OxeRecife no Youtube você pode ver outro vídeo com trecho da belíssima Missa Armorial, inspirada no movimento cultural criado por Ariano Suassuna, com interpretações eruditas das músicas populares do estado.

Leia também
Cecília Brennand festeja hoje mais um acerto do Aria Social com homenagem a Capiba
Capiba,o gênio da música ganha espetáculo em sete ritmos
Festival de dança diversificado no final de semana
Natal cultural, Baile do menino Deus e Natal para sempre marcam dezembro
Baile do Menino Deus vira cinema
Natal virtual tem Baile do Menino Deus
O ser humano e encantado do frevo
Escola de frevo completa 25 anos
Renata Tarub: dança e inclusão social
Mostra Obinrin-Kunhã exibe danças populares apenas por mulheres
Fenearte inclusiva: a primeira pizzaria do mindo com jovens com Síndrome de Down
Síndrome de Down: despertando talentos
Portadores com Síndrome de Down ganham curso de jornalismo
Corpo Onírico junta sonho e natureza
Acervo e memória da dança em Pernambuco
Entranhas e estranhas marcas: Dança, fêmeas, cicatrizes
Mostra de dança acaba com três espetáculos no Santa Isabel
Conceição em Nós: Dança retrata Morro
Capoeira vira patrimônio cultural e imaterial de Pernambuco
Mostra de dança tem DNA do frevo
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
Dança sobre vida depois da morte
História de Brasília Teimosa vira dança
Entra apulso no palco: “Pode entrar”
Noite flamenca na terra do frevo
Quadrilhas ganham palcos
Chico Science redivivo
O homem de mola do Guerreiros do Passo
Renata Tarub: Dança e inclusão social
Jornada virtual, a dança da pandemia
Violetas da Aurora em movimento
Maracatu rural: as mulheres guerreiras
A única mestra de maracatu

Serviço
Para quem quiser conferir a segunda temporada espetáculo do Aria Social:
Evento: Musical “Capiba – Pelas ruas eu vou”
Quando:  03 a 06 de novembro
Horário: 20h
Local: Teatro Santa Isabel
Vendas: Sympla; na Sede  do Aria Social (Av. Ayrton Sena, 748, Piedade) ou bilheteria do Teatro Santa Isabel (Praça da República, 233, Santo Antônio); e também na sede de O Galo da Madrugada (Rua da Concórdia, 984, São José)
Preços: R$ 25 a R$ 50
Sessão extra para instituições educativas às 16h, por R$ 10

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Max Levay / Divulgação
Vídeo: Letícia Lins / #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.