Campanha “Não troque seu voto” mobiliza o Sertão contra o clientelismo

 Campanha “Não  troque seu voto” mobiliza o Sertão contra o clientelismo

Compartilhe nas redes sociais…

Nesses tempos de  uso deslavado dos recursos públicos com fins eleitoreiros, nada como a “Campanha Não troque o seu voto”, que já está nas ruas. Infelizmente, na Região do Semi-Árido, onde secularmente a miséria norteava o voto dos sertanejos, que costumavam optar por candidatos que, durante os períodos de fome, ofertavam “arranjos” como carros pipa e cestas básicas. Em 2022, a prática clientelista volta a se repetir, dessa vez em caráter nacional. O voto “fisiológico” parece ser o buscado pelo ex-capitão que disputa a reeleição. E está aí a Proposta de Emenda à Constituição que aprovou um pacote de bondades no valor de R$ 41,2 bilhões. Detalhe: As “bondades” terminam após a eleição, pois só duram até dezembro. PEC mais eleitoreira, impossível, não é?

“A água é um dos recursos naturais mais preciosos do Semiárido. Diante disso, barganhar voto por esse bem comum, prática também conhecida como clientelismo, é histórica na região”, lembra a ASA (Articulação Semi-Árido Brasileiro). “O contexto atual, no qual um milhão de pessoas ainda não têm acesso à água de consumo humano no Semiárido e em um país onde a fome  atinge 33,1 milhões de pessoas  (de acordo com o 2º Inquérito VIGISAN), há um terreno fértil para as tentativas de compra de voto”, acrescenta. Pois é neste cenário de fome e sede, e sobre o qual a nuvem da desigualdade social voltou a pairar sobre as famílias agricultoras do Semiárido, que a Campanha Não Troque o Seu Voto acaba de retornar às ruas. Em 2022, ela entra em sua sexta edição. E a mobilização defende o voto em programas de governo, que considerem o desenvolvimento, por meio da garantia do acesso à cidadania das famílias agricultoras do Semiárido.

No Sertão, carro-pipa e cestas básicas sempre eram usados como moedas de troca nas campanhas eleitorais.

A campanha é orientada por diretrizes frutos de um debate político, mobilizado pela ASA, durante a sua primeira plenária nacional realizada presencialmente, no final de maio deste ano, envolvendo representações de organizações membro dos dez estados do Semiárido. Na ocasião, foram discutidos problemas relacionados à escassez hídrica, à fome, à insegurança alimentar, à violência contra a mulher rural, dentre outros temas. As propostas de políticas públicas para combater esses problemas estão reunidas na  Carta “ASA por um Semiárido vivo”. Esse documento, além de orientar a pauta política das organizações nestas eleições, tem sido usado como ferramenta de negociação com candidatos e candidatas às eleições de 2022.

Considerando que o combate às desigualdades sociais na região semiárida dependem de ações sistemáticas e não pontuais, a mensagem desta edição defende e orienta o voto em projetos de governos alicerçados no bem estar social. Defende o voto pelo retorno dos programas de acesso à água, por apoio à agricultura familiar agroecológica, pela recuperação da Caatinga e do Cerrado, em defesa dos quintais produtivos e da produção e armazenamento de sementes e pelo combate à violência contra a mulher rural. A importância de votar em mulheres comprometidas com mulheres também está na pauta desta edição. A ideia é ampliar a presença feminina no Congresso Nacional, hoje restrita a 15%, e no Senado Federal, que não ultrapassa 13%, além dos poderes executivos estaduais.

Os conteúdos serão veiculados em formato de spots, vídeos, entrevistas e trabalhados em ações nas redes sociais. Os materiais serão compartilhados com a Rede de Comunicadores/as Populares da ASA, ligados às mais de três mil organizações membro e que têm acesso às famílias rurais, localizadas nas  comunidades mais remotas. Essa rede, mais do que acesso, possui a confiança e cultiva um diálogo estreito com essas famílias, o que facilita o compartilhamento, mas também a compreensão das mensagens. Entrevistas e matérias sobre a campanha também serão trabalhadas no endereço www.asabrasil.org.br.

Leia também
Crise hídrica: “Tenho sede e essa sede pode me matar”
Cisternas mudam vidas dos sertanejos
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Notícia falsa sobre descobrimento é retirada do ar
Velório: Índios prestam comovente homenagem
Tragédia na Amazônia: Bruno Pereira e Dom Presentes
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Finalmente o que faz Bolsonaro em Pernambuco?
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto
Ministério Público não quer homenagem a militar da ditadura em prédio do Exército
Nazista bom é nazista morto chama atenção em muro do Exército
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Live de Bolsonaro vira caso de justiça
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Trilhas da democracia com o MST
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”
Trilhas da Democracia discute autoritarismo no Brasil e censura na Ufpe
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Violência policial derruba Secretário de Defesa Social e comandante da PM
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Violência policial é elogiada por coronel da PM. Vítima protesta
Pernambuco é hoje o grande vexame político nacional
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown
Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Asa

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.