Caminhadas Domingueiras: Jardins filtrantes, canteiros floridos e Parque do Caiara vazio

 Caminhadas Domingueiras: Jardins filtrantes, canteiros floridos e Parque do Caiara vazio
Compartilhe nas redes sociais...

Meu Deus, já faz um mês que tivemos a última edição das  Caminhadas Domingueiras e já vem outra por aí.  É que o nosso último roteiro ficou entre a Cidade Universitária e o Parque do Caiara (na Iputinga), uma vez que o tema do passeio comandado pelo arquiteto e urbanista Francisco Cunha era o percurso do Riacho do Cavouco e teve por finalidade mostrar a tecnologia dos chamados jardins filtrantes, que servem para limpar os cursos d´água. O roteiro saiu do campus da UFPE (onde fico o Laguinho, a nascente do Cavouco) até o Caiara ( onde o riacho deságua, no Rio Capibaribe). O riacho é alvo da primeira experiência de jardins filtrantes do Recife.  Eles servem  para limpar os cursos d´água. Fomos seguindo pelas margens do mais importante riacho da Zona Norte, mas  que virou um canal. Ou melhor, um esgoto a céu aberto como, aliás, todos os canais do Recife, já que a cobertura de saneamento cidade  não passa de 44,99 por cento. Ou seja, sanear é preciso. Urgentemente. Jardins filtrantes constituem uma excelente iniciativa. Porém, com a carga que os nossos rios recebem e ter um só, é chover no molhado, não é? Isto enquanto a cidade não tiver um esgotamento sanitário decente, compatível com as necessidades do século 21.

Em todo caso, vale a experiência. E também a intenção. A implantação dos jardins filtrantes custou R$ 8 milhões aos cofres públicos.  E a técnica, que não é cabocla – mas sim francesa – consiste em purificar águas poluídas, para que estas desemboquem mais limpas em um rio ou no mar. O sistema foi criado pelo arquiteto e paisagista Thierry Jacquet. Em Paris a tecnologia ganhou estrutura gigantesca e já faz sucesso. Tanto é assim, que as águas do Rio Sena foram consideradas aptas para provas de natação em competições olímpicas, em 2023. Será que o Capibaribe seria aprovado? Com certeza, não. Em  2025, o Sena deverá dispor de três balneários, onde as pessoas poderão mergulhar, nadar. E no Capibaribe, quando isso acontecerá? Como se sabe, por dia, os rios pernambucanos recebem o equivalente a 208 piscinas olímpicas de esgoto. Dá para acreditar?

Nesta semana, o Prefeito João Campos (PSB) postou em suas redes sociais um vídeo descrevendo o sistema, que “faz tratamento natural de água suja, passando por vários lagos” que permitem  a manutenção dos “mais bonitos jardins do Recife”. É verdade, o Parque do Caiara, antes um imenso areal, agora possui jardins floridos (foto superior), justamente  nas terras úmidas que ficam sobre as lagoas subterrâneas que ajudam na limpeza da água poluída do riacho. Os jardins filtrantes foram implantados com recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, via CITIinova e têm capacidade para limpar 360 mil litros de água por dia. É melhor do que nada, mas é muito pouco diante da carga de esgoto que nossos rios e canais (ex-riachos) suportam.

Estrutura gigantesca de jardins filtrantes na França já permitem aos franceses nadar no Rio Sena sem sustos

Por conta da umidade, as plantas estão sempre em bom estado, floridas, o que é raro nos parques do Recife. O que chama a atenção, no entanto, é que o Parque do Caiara ficou muito bonito após a reforma e a implantação dos seus jardins filtrantes, porém estava praticamente vazio, quando o visitamos. Não havia público, o que é estranho para um domingo ensolarado, como o que lá estivemos. Não tinha gente.  Praticamente só o nosso grupo. Ao contrário do que ocorre, nos mesmos horários, em parques como o da Jaqueira, o de Santana e o das Graças, que são verdadeiros formigueiros. Enfim, o que está acontecendo com o Caiara, apesar dos seus jardins floridos? Temor devido à falta de segurança? Ou o parque ainda não foi descoberto (ou redescoberto) pelos recifenses?

Lembrete: Domingo que vem (29/10) tem mais uma edição das Caminhadas Domingueiras. Tendo como tema “De Fernandes Vieira a Francisco Brennand – Caminhada pela Várzea do Capibaribe que poucos conhecem”. Saída: 8h, em frente ao Centro de Convenções da UFPE. Não é preciso fazer inscrição.

Leia também
Abandonado durante longo tempo, Parque do Caiara está de cara nova com Jardins flutuantes
Grupo Caminhadas Domingueiras faz o mesmo percurso do Riacho do Cavouco: da nascente à foz
Grupo Caminhadas Domingueiras revive os caminhos percorridos pela maxambomba
Caminhadas Domingueiras faz passeio seguindo o roteiro dos heróis da Revolução de 1817
Caminhadas Domingueiras em Olinda
Caminhadas Domingueiras faz percurso da cidade holandesa
Percurso entre dois arrais do século 17 que ficaram história em Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Trindade, história, festa, verde e abandono
Memorial da Democracia no Sítio da Trindade reverencia Paulo Freire
Sessão Recife Nostalgia: Viagem do século 20 ao 17 com livro e expô inédita no Museu da Cidade do Recife
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad,  arcos, Boi Voador e memória
Caminhadas Domingueiras voltam a ser mensais. Roteiro hoje foi pelo bairro de São José
Caminhadas Domingueiras: “Olhem o Recife pelo que ele pode vir a ser”
Caminhadas Domingueiras: Passeio do estilo colonial ao moderno bossanovista
Caminhadas Domingueiras: Verde Olinda
Mergulho no estilo neocolonial no Recife
Art Déco: Miami ou Recife?
A República e o estilo eclético no Recife
Aluga-se um belo prédio na Bom Jesus
O charme dos prédios da Bom Jesus
Derby: eclético, art déco, modernismo
Lembram dele? O caso do prédio que teve duas fachadas simultâneas
Os gelos baianos e a revolução de 1930
Os primeiros das Américas
O Sertão urbano do Benfica
Praça Dom Vital de roupa nova
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Silenciosa relíquia do tempo de Nassau
Sinos novos na Basílica do Carmo
Uma pérola na comunidade do Pilar
O ferro na arquitetura do Recife
Rua da Conceição e relíquias religiosas
Matriz de Santo Antônio: Xô, vândalos
Ginásio Pernambucano no Olha! Recife
Passeio por três séculos de história
Um passeio pela história do Recife
Bairro do Recife em discussão
Dê o Recife de presente ao seu  papai
Recife, saneamento, atraso e tigreiros
Nota dez para o Recife que te quero ver
O ar “refrigerado” da mata sob o sol
Vai sair reforma do Chalé do Prata
São José e Santo Antônio ganham livro

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Internet

Posts Relacionados

2 Comments

  • Olá, gostei muito da ideia e mais ainda da execução dos Jardins Filtrantes. Sobre ter ninguém no domingo em que foram lá: a população do entorno é completamente diferente. As pessoas do local por anos, acostumaram a fazer dali e das redondezas um lugar de bater bola. Era um público jovem e masculino quase que exclusivamente. Pessoal de outras localidades têm medo de ir pelo histórico da comunidade do Caiara.
    Aproveito para daqui ( não sei de uma forma mais direta) sugerir ao prefeito a implantação de jardins de chuva. Estes iriam evitar alagamento em vários pontos do Recife, na CDU por exemplo. Em São Paulo tem exemplos de compravadas eficácias. É visitar e ver.

    • Obrigada Recife. Muito oportuno comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.