Calçada do Hospital Agamenon Magalhães é requalificada, mas pedestre fica sem espaço

As fotos desse post não são recentes. Foram feitas em agosto de 2022, por dois motivos. O primeiro, os dejetos totalmente infectos escorrendo junto ao meio-fio, na calçada de um hospital público, o Agamenon Magalhães, que fica na esquina da Estrada do Arraial com a  Desembargador Góis Cavalcante. Se qualquer esgoto  estourado já é um atentado à saúde pública, imaginem o que vem de um estabelecimento que recebe pessoas com todos os tipos de doença. Além disso, o esgoto vazado corre juntinho dessa “praça” de alimentação improvisada por ambulantes, que deixa a calçada sem espaço para pedestres.

Passei nesta semana pelo mesmo local e vi água acumulada, de novo. Como passei de carro, não deu para perceber se era novo transbordamento de esgoto, água que acumulou da chuva, ou galerias pluviais entupidas. Mas o fato é que moradores do Parnamirim estão satisfeitos com a reforma nas calçadas do Agamenon, mas reclamam daquelas que ficam no entorno do hospital, justamente as que se encontram ocupadas por barracas, que vendem quentinhas, bolos, sanduíches, até refeições. Há dias que há lixo acumulado na calçada, mesas, cadeiras, lixeiras demarcando território e ninguém passa. O pedestre, como  a moça da foto acima, disputa espaço com os carros no asfalto.

Calçada nova é melhor do que nada. Pois a situação anterior era sofrível, e colocava em risco a segurança dos pedestres. Buraco, tampas soltas, concreto desgastado, tudo que não presta. Moradora do Parnamirim, a jornalista  Sílvia Santos reclama, no entanto, da situação. Ela diz que a implantação das novas calçadas não vai mudar muito a vida das pessoas que por ali circulam. Ela acha que a Prefeitura e a direção do Agamenon deveriam entrar em entendimento, para disciplinar o comércio que ocupa a área. Sugere que as novas calçadas sejam precedidas da relocação das barracas no pátio do próprio hospital, a exemplo do que ocorreu com o da Restauração, cuja calçada também era ocupada. Diz ela:

“A propósito das novas calçadas que estão sendo feitas, em especial da Desembargador Goes Cavalcanti, no trecho em frente ao Hospital Agamenon Magalhães,  não adianta novo calçamento, porque ali  o pedestre não tem é calçada. Por que não resolvem o problema definitivamente, como ocorreu no Hospital da Restauração, que colocou todos os ambulantes na sua área interna? É só a gestão municipal determinar a abertura de uma conversa com o gestor do referido hospital. Bastaria ele organizar o seu pátio interno (aliás totalmente desorganizado) e as barracas poderiam ser realocadas no próprio lugar onde hoje se encontram, só que no lado interno, dentro do pátio do hospital”

Ela lembra, ainda, que “a grande maioria dos consumidores dos produtos vendidos nas barraquinhas é formado pelos visitantes, parentes de pacientes e profissionais de saúde que ali trabalham”. Então, nada mais civilizado e urbano do que desocupar a calçada sem prejudicar os comerciantes, deixando o espaço livre para o ir e vir da população, nesses tempos que assuntos como mobilidade e acessibilidade estão na ordem do dia.

A moradora do Parnamirim lembra, ainda, que “a grande maioria dos consumidores dos produtos vendidos nas barraquinhas é formado pelos visitantes, parentes de pacientes e profissionais de saúde que ali trabalham”. Então, nada mais civilizado e urbano do que desocupar a calçada sem prejudicar os comerciantes, deixando o espaço livre para o ir e vir da população.

Sílvia Santos é uma atenta observadora do bairro onde reside, inclusive da Góis Cavalcanti, por onde sempre passa, quando se dirige para casa, vai ao supermercado, à farmácia. Além da ocupação indevida da calçada, ela já relatou aqui no #OxeRecife, as mudanças operadas naquela via, onde os casarões estão desaparecendo para ceder espaço aos espigões cada vez mais altos. Novos habitantes, novas demandas, inclusive de saneamento. Como nada é feito nessa área, o que sempe se vê por aquela região é esgoto estourado por tudo de quanto é lugar. Prédio, aliás, é só o que não falta. Mas as calçadas deixam sempre a desejar. Então, viva às novas calçadas. Mas disciplinara ocupação do seu espaço, ah isso é muito necessário!

Leia também
Dejetos infectos na frente do hospital
Caminhos dos recifenses mostram rotina de esgoto transnbordando em bairros nobres e populares
Casa do início do século passado é derrubada para dar lugar a esse monstrengo, na Estrada do Arraial
Uma barra de ferro no caminho
Parem de derrubar árvores (212)
GGE diz que fez a coisa certa
Calçadas assassinas (6): Maria das Dores da Silva é mais uma vítima de nossas calçadas assassinas


Calçadas assassinas (5): As exceções da regra e as armadilhas do caminho
Calçadas assassinas (4): Jornalista Homero Fonseca leva tombo na Estrada do Encanamento
Calçadas assassinas do Recife (3): Cais do Apolo e Avenida Dantas Barreto
Calçadas acessíveis no Cais do Apolo
Calçadas assassinas (2): Avenida Mário Pereira de Lyra no Cordeiro
Recife: calçadas e ruas assassinas
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Calçadas assassinas: Novas vítimas
Acidente em calçada requer até Samu
Os cem buracos do meu caminho
Perigo à vista na Rua do Futuro
Futuro de usurpações urbanas
Calçadas assassinas  do Recife também estão na  Rua do Futuro, área nobre da cidade
Com trecho abandonado, Rua da Aurora tem calçadas esburacadas e marquises desabando
Risco para o pedestre e acessibilidade zero na Avenida Norte
Avenida Norte: Reforma só atinge 12 por cento das calçadas. Pedestre corre risco
Calçadas melhoram na Av Norte. Mas…
Calçadas crateras na Avenida Norte
Oxe, cadê as calçadas da Avenida Norte?
Calçadas requalificadas começam a ceder em vários trechos
Cidadania a pé em risco na Rua do Hospício
Crea-PE faz caminhada pelo centro do Recife para avaliar condições das calçadas
Estrada das Ubaias: Calçada infecta e perigosa
Estrada das Ubaias: Risco no asfalto
Blocos intertravados: calçadas com problemas no Recife e em Jaboatão
Comunidade recupera calçadas em Casa Amarela
Crea faz caminhada para avaliar situação de calçadas do centro
Difícil ser pedestre sem correr risco
Cidadania a pé está difícil
Assim não dá: Calçada com buracos e lixo
Calçadas: acessibilidade zero
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Um iceberg no meu caminho. Pode?
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Bueiros viram armadilhas mais perigosas em dias de chuva
Calçada: Que saco, torci o pé de novo
Tombos nas calçadas requalificadas
Quem chama isso de calçada…
Av. Norte: reforma só atinge 12 por cento das calçadas
Acidente em calçada requer até Samu
“Revoltado com queda na calçada”
Depois daquele tombo (12)
Depois daquele tombo
Depois daquele tombo (1)
Depois daquele tombo (2)
Depois daquele tombo (3)
Depois daquele tombo (4)
Depois daquele tombo (5)
Depois daquele tombo (6)
Depois daquele tombo (7)
Depois daquele tombo (8)
Depois daquele tombo (9)
Depois daquele tombo (10)
Depois daquele tombo (11)
Assim não dá: Calçada com buracos e lixo
Riscos para quem anda e pedala
Calçadas: acessibilidade zero
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Um iceberg no meu caminho. Pode?
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Calçadas nada cidadãs na Zona Norte
Novas calçadas: 134 quilômetros até 2020
Calçada larga na Rua Gervásio Pires
Convite ao tombo no Centro
Centro do Recife precisa de Mais Vida
Você está feliz com o Recife?
Calçada dá medo na gente de afundar
Acidente em calçada requer até Samu
Calçadas cidadãs da Jaqueira e Parnamirim: todas deviam ser assim
Comunidade recupera calçadas em Casa Amarela. Essas cenas vão sumir?
O drama das nossas calçadas
Quem inventou as famigeradas tampas duplas de nossas calçadas?
Já torci o pé três vezes
Quem chama isso de calçada…
Alguém chama isso de calçada?
Andando sobre o inimigo
Perigo à vista na Rua do Futuro
Futuro de usurpações urbanas
Recife: calçadas e ruas assassinas
Os cem buracos do meu caminho
Mais uma calçada cidadã
Cidadania a pé: calçada não é perfeita
Charme: calçada para andar e sentar
Quem chama isso de calçada….
Pedras nada portuguesas
Santo Antônio sem pedras portuguesas

Texto e fotos: Letícia Lins /  Acervo #OxeRecife

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.