Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada

 Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada

Compartilhe nas redes sociais…

Puxa vida, como se não bastassem os problemas da vegetação da caatinga –  secas, especulação imobiliária, criação de gado, agricultura em larga escala – infelizmente algumas áreas enfrentaram incêndios no final de semana. Foi o que ocorreu, por exemplo, no Sertão do São Francisco, onde a vegetação nativa de municípios como Sobradinho e Juazeiro, ambos na Bahia, foi atacada pelo fogo em vilarejos e distritos como Lagoa do Boi, Angico, Pinhões e Campo dos Cavalos. Fogo lá, bem pertinho do Velho Chico…. Mas, como sempre acontece no Sertão, a mobilização foi grande para debelar as labaredas.

Fogo que começou na última quinta-feira, no Sertão do Velho Chico estava controlado na segunda-feira. Ainda bem!

O fogo, que teve início na sexta-feira  (29/7) persistiu por todo o final de semana e só na segunda-feira (1/8), a situação estava completamente controlada. Houve dificuldade para apagar os incêndios, porque eles ocorreram em áreas de complicado acesso, com focos em regiões íngremes.  O Comandante do Corpo de Bombeiros, Major Eminelvino da Fonseca Soares Neto, informou que não houve mortos nem feridos. Felizmente. Mas além da vegetação, alguns bichinhos devem ter sucumbido ao calor.

O militar informou que não foi identificada a causa dos incêndios. Ele disse que contou com a colaboração de equipamentos de empresas da região – como Agrovale e Mineração Caraíba – que cederam brigadas para combater o fogo. Segundo a Agrovale, sem a ajuda de voluntários, talvez não tivesse sido possível evitar que o fogo se alastrasse mais por Sobradinho e Juazeiro, município este que fica vizinho a Petrolina (Pernambuco). A empresa forneceu pessoal, carros pipa, máquinas tipo patrol, abafadores, água para abastecer bombas costais, auxiliando o Corpo de Bombeiros na construção de uma linha molhada. Ainda não se sabe o total da área atingida.

Brigadas da iniciativa privada ajudaram bombeiros a debelar o fogo no Sertão

A Agrovale informou que, ainda nesta semana, começa a mobilizar a comunidade para o plantio de mudas de espécies nativas, como umbuzeiro, ingazeiro, ipê, jatobá, umburana e juazeiro. O objetivo é repovoar as áreas prejudicadas pelo fogo. A empresa já vem atuando em campanhas pelo plantio de mudas na região. “Preservar a caatinga, único bioma exclusivamente brasileiro, é uma das formas de proteger valores ecológicos e também econômicos,  integrando ações que visem o equilíbrio entre preservação ambiental e geração de renda, para a construção de um desenvolvimento sustentável”, afirma Thaisi Tavares, Coordenadora de Meio Ambiente da Agrovale. A empresa – que atua na produção de álcool e açúcar – tem feito várias campanhas na região para o plantio de mudas. Incluindo mobilizações educativas.

Leia  também
Povo e aceiros contra o fogo
Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural na Caatinga
Esforço pela preservação da caatinga e pelo sequestro de carbono no Sertão
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Cordilheira do Espinhaço
O drama do  São Francisco e da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Como neutralizar as mudanças climáticas
Em nome de São Francisco e do Sertão
Árvores viram carvão no Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça
Represa cheia vira “praia” no Sertão
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão
Salvem os ipês, por favor
Por um milhão de árvores na Amazônia
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Mudanças climáticas: Sertão sem água e caatinga cada vez mais seca
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe

Empresa de energia solar (Insole) paga conta por uma boa ideia
Reforço para pequeno produtor
Ministro manda oceanógrafo para caatinga. E o Sertão já virou mar?
Crise hídrica: ” tenho sede” e “esta sede pode me matar”, adverte Gilberto Gil
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Mudanças climáticas: Sertão sem água e caatinga cada vez mais seca
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe
FPI: A despedida da vida no lixão
FPI resgata animais em risco no Sertão
A Serra da Canoa na caatinga
Gatinho órfão, onça puma volta saudável para a caatinga
Falta d´água é entrave ao crescimento
No Sertão, palhada da cana alimenta o gado de 51 mil criadores
Degradado, Sertão vai ganhar ação de reflorestamento em 2021
Caatinga ganha 321 mil árvores nativas 
O Rio São Francisco está secando
Ventos que transformam no Agreste
Prêmio para quintais agroecológicos
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Agovale

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.