Caatinga é o segundo bioma mais desmatado no Brasil em 2022, alerta o MapBiomas

 Caatinga é o segundo bioma mais desmatado no Brasil em 2022, alerta o MapBiomas

Compartilhe nas redes sociais…

Números preocupantes, nesses tempos de mudanças climáticas. Divulgado nesta semana, o Relatório Anual de Desmatamento (RAD) do MapBiomas mostra que, em 2022, as ações de desmatamento cresceram 22 por cento em todos os biomas brasileiros. As maiores perdas foram na Amazônia, que ocupa um percentual de 58 por cento da área total devastada no país. Para os nordestinos, no entanto, fica mais uma preocupação. É que a caatinga é o segundo bioma mais devastado no Brasil. Aliás, foi. Em 2022.

Como se sabe, a Caatinga – existente no Semiárido – é o único bioma do país que é exclusivo do Brasil. Todos os outros: Amazônia, Cerrado, Pantanal, Pampa, Mata Atlântica existem, também, em outros países. E, portanto, a Caatinga precisa de muito cuidado. Até porque é, também, um dos mais vulneráveis, devido ao clima, às secas periódicas, ao avanço da agropecuária e da pressão provocada pelo crescimento urbano de cidades do Agreste e do Sertão. Segundo o RAD, nada menos de 62,1 por cento dos eventos de desmatamento ocorreram na Amazônia, somando-se um total de 1.192.635 hectares de matas destruídas. Seguindo a Amazônia, aparece logo a Caatinga, que concentra 18,4 por cento dos alertas e teve 140.637 hectares de área destruída.

Bioma muito vulnerável, a Caatinga é o segundo mais desmatado do Brasil, segundo relatório do MapBiomas

 

Algo grave, para um sistema já tão vulnerável, onde a pressão antrópica aumenta a cada estiagem e no qual os processos de desertificação permanecem avançando em estados como Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte. De acordo com o estudo, é no mês de fevereiro que acontece o pico de desmatamento na Caatinga, região onde matas nativas vêm sendo derrubadas para ceder lugar principalmente ao gado. Não há números discriminados no relatório sobre a importância do avanço da agropecuária na Caatinga, mas de acordo com o RAD, essa atividade responde por 95,7 por cento de todo o desmatamento realizado no Brasil, em 2022. E, no Sertão, a situação não deve ser diferente.

Há alguns dias, por exemplo, foi criado um parque ecológico no Agreste de Pernambuco, para preservar espécies nativas da Região. Isso porque os próprios pecuaristas reconhecem que o avanço de suas fazendas está colocando em risco a flora nativa do Semiárido. Desmatamento, aliás, é a norma, também, em 62 por cento dos 5.570 municípios brasileiros. De acordo com o relatório, o fenômeno foi registrado em 3.471 deles, em 2022, incluindo os do Nordeste. Nos últimos quatro anos, aliás, segundo o RAD, apenas 1.426 municípios não tiveram registros de desmatamento. Isso significa 25,6 por cento do total existente no Brasil. Os municípios que registraram maior índices de desmatamento, em 2022, não ficam no Nordeste, mas sim no Norte do País. As  maiores devastações foram em Altamira (Pará) e Lábrea (no Amazonas).

A devastação da Caatinga preocupa mulheres que residem no Sertão de Pernambuco. A Secretaria de Meio Ambiente, Sustentabilidade e Fernando de Noronha (Semas-PE) informou que projeto contemplado no edital nº 1 do FEMA  (Fundo Estadual do Meio Ambiente) e  proposto pela Rede de Mulheres do Sertão do Pajeú visa restaurar serviços ambientais  na  Caatinga. Trabalho será em áreas de nascentes e matas ciliares de rios e riachos intermitentes e deve aumentar a resiliência de agroecossistemas familiares, que contam com práticas de controle da erosão. Projeto prevê implantação de reservas com plantas xerófilas para alimentação de animais durante secas severas. Haverá produção e disseminação de mudas nativas, inclusive para comercialização.  O projeto contemplou mulheres de cinco municípios da região do Pajeú: Iguaraci, Itapetim, São José do Egito, Afogados da Ingazeira e Carnaíba.

Nos links abaixo, você confere mais informações sobre a Caatinga.

Leia  também
Produtores rurais de Surubim inauguram parque ecológico para preservar a flora nativa da caatinga
Associação Caatinga desenvolve ação para catadores de materiais recicláveis no Sertão
Unesco: Reserva Natural de Serra das Almas é posto avançado de Reservada da Biosfera da Caatinga
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Vamos deixar a Caatinga em pé?
Dia da Caatinga. Há o que comemorar?
Bromélias raras no Jardim Botânico
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
FPI: a despedida da vida no lixão
A mentira da fome e a realidade do lixão que comoveu o Brasil
Adultos e crianças: A vida no lixão
Unesco: Reserva Natural Serra das Almas é posto avançado de reservas da biosfera da Caatinga
Vamos deixar a Caatinga em pé?
Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada
Povo e aceiros contra o fogo
Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural na Caatinga
Esforço pela preservação da caatinga e pelo sequestro de carbono no Sertão
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Cordilheira do Espinhaço
O drama do  São Francisco e da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Como neutralizar as mudanças climáticas
Em nome de São Francisco e do Sertão
Árvores viram carvão no Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça

Represa cheia vira “praia” no Sertão
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão
Salvem os ipês, por favor
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Mudanças climáticas: Sertão sem água e caatinga cada vez mais seca
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe
Empresa de energia solar (Insole) paga conta por uma boa ideia
Reforço para pequeno produtor
Ministro manda oceanógrafo para caatinga. E o Sertão já virou mar?
Crise hídrica: ” tenho sede” e “esta sede pode me matar”, adverte Gilberto Gil
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
FPI resgata animais em risco no Sertão
A Serra da Canoa na caatinga
Gatinho órfão, onça puma volta saudável para a caatinga
Falta d´água é entrave ao crescimento
No Sertão, palhada da cana alimenta o gado de 51 mil criadores
Degradado, Sertão vai ganhar ação de reflorestamento em 2021
Caatinga ganha 321 mil árvores nativas 
O Rio São Francisco está secando
Ventos que transformam no Agreste
Prêmio para quintais agroecológicos
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Umbuzeiro é o refrigério do Sertão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh  e Genival Pparazzi / G.F.V Paparazzi / ZAP (81)995218132)/
gfvpaparazzi@gmail.com

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.