“Aves da Noite”, de Hilda Hilst, chega ao palco do Hermilo e mostra inferno nazista

Entre 1967 e 1969, a escritora Hilda Hilst (1930-2004) recolheu-se ao seu sítio, no interior de São Paulo, onde passou a produzir de forma quase compulsiva. O período marcou inclusive a transição da primeira fase de sua vida literária (marcada pela poesia) para a prosa ficcional. É daquela época, também, que surgem peças teatrais, como “O Visitante” e “Aves da Noite” (ambas escritas em 1968).

“Aves da Noite” chega  agora ao palco do Teatro Hermilo Borba Filho, com encenações nos dias 12 e 13 de abril, sempre às 19h. A iniciativa é da Escola Cobogó das Artes, e a montagem é feita por “crias” da entidade, que foi fundada pelo professor, escritor, diretor de teatro e cineasta Adriano Portela com o objetivo de democratizar o acesso ao ensino de todas as linguagens de arte.

A direção do espetáculo é de Madu Melo, que tem Bia Azevedo como assistente. Hilst escreveu a peça inspirada em um fato real, que aconteceu em 1941, no campo de extermínio nazista de Auschwitz. Que, aliás, está novamente em evidência devido ao filme “Zona de Interesse”, também baseado em fato e personagens reais. O filme retrata o cotidiano de uma família nazista, que residia ao lado do campo de extermínio, como se vivesse em um paraíso particular: mansão com piscina, jardins que eram adubados com as cinzas das vítimas, e muitos empregados à disposição.

Já a peça de Hilst traz o cotidiano daquele que ficou conhecido como um dos maiores infernos da terra.  A encenação é ambientada no próprio campo de extermínio após a fuga de um prisioneiro, quando os guardas da SS condenam os que ficaram à morte por inanição.  A peça mostra os últimos momentos dos prisioneiros no porão da fome. De acordo com Adriano Portela, o texto cru e dramático de Hilst  vai “completo” para o palco.  “Aves da Noite” é uma jornada pela essência da existência, um convite para refletir sobre nossas próprias inquietações e anseios. Em um mundo onde a solidão e a busca por sentido se entrelaçam, esta obra ressoa como um farol de compreensão e introspecção”, informa a Cobogó das Artes.

Leia também
Recife Assombrado 2: A maldição de Branca Dias. Gravações do filme começam nessa quarta
Cobogó das Artes arrasa com ” A Última Volta do Ponteiro”
Cobogó das Artes volta aos palcos no Recife com a peça “Última Volta do Ponteiro
Cobogó das Artes: Estripolias de Pedro Malasarte encerr temporada no Hermilo Borba Filho
Adriano e Patrícia: Rio a quatro mãos
Escrita Criativa do Brasil vai movimentar feira de livros de Frankfurt
Elisa Volpato de volta ao Recife para oficina na Cobogó das Artes
Cobogó das Artes: Bruxas, trevas e feitiçaria no Barreto Júnior
Sonhos de uma noite de verão
Cobogó das Artes: Sonhos de uma noite deverão esgota ingressos
Perdoa-me por me traíres no palco do Barreto Júnior
Elisa Volpatto, da Série Bom dia, Verônica na Cobogó das Artes
Palco ganha Clarice Lispector e Sylvia Plath
Cobogó das Artes solta os vampiros em “Lua de Sangue”
Lua de Sangue chega em Olinda
Cobogó das Artes solta os vampiros  de Lua de Sangue no Apolo
Família Addams desembarca no Recife
Olha! Recife e Mamam : Lendas urbanas
Cobogó das Artes começa sábado
Cobogó das Artes tem cursos de férias
Só dá mulher em “Lisbela e o Prisioneiro”
Lisbela e o Prisioneiro” está de volta
Marcha Fúnebre, de Osman Lins, tem exibição no Arquivo Público
O mergulho na obra de Osman Lins
Palco ganha Clarice Lispector e Sylvia Plath

Serviço
O quê: Aves da Noite, de Hilda Hilst
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho
Quando: Sexta e sábado: 12 e 13 de abril
Horário: 19h
Endereço: Cais do Apolo, 142 (mas também há acesso pela Rua do Apolo)
Ingressos: na Sympla.com.br (link na bio)
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Obs:  Os ingressos para o sábado já esgotaram. Mas ainda restam para a sexta-feira.

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cobogó das Artes / Divulgação

One comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.