Artigo: “O autista é ‘vítima perfeita’ para o bullying”, por Lucelmo Lacerda *

 Artigo: “O autista é ‘vítima perfeita’ para o bullying”, por Lucelmo Lacerda *

Compartilhe nas redes sociais…

“A prática do bullying, apesar de fortemente condenada, ainda é comum em todo o mundo. Infelizmente, o autista se destaca como a “vítima perfeita” para esse tipo de abuso. Isso porque o autismo não é uma deficiência visível, como a Síndrome de Down. Especialmente nos níveis mais leves, ele se manifesta a partir de nuances que não são tão fáceis de identificar. Uma das principais características, porém, é a dificuldade em interagir socialmente, o que pode transmitir a imagem de um indivíduo soberbo ou arrogante.

Justamente pela falta de habilidades sociais, o autista pode ser considerado a “vítima perfeita”. Na maioria das vezes, ele não consegue identificar uma série de situações de violência simbólica ou não sabe o que fazer para evitar essa violência. Sou autista e vivi situações terríveis na infância e adolescência em diferentes escolas. Meu filho, também autista, sofreu os mesmos abusos de colegas de classe na primeira infância e só posteriormente passou a ser protegido pela turma, quando as deficiências dele se tornaram mais notórias, o que não acontece nos casos de autismo leve.

O bullying, veja bem, não se caracteriza por uma criança que xinga a outra, um adolescente que briga com o outro. Como professor, já presenciei esses atritos muitas vezes em sala de aula. Esses casos não costumam escalar, sendo resolvidos facilmente pelos próprios envolvidos. O bullying tem como raiz ataques coordenados e contínuos, muitas vezes praticados coletivamente, com a intenção de humilhar, ofender e magoar. Quem é agredido, por estar sozinho ou se sentir impotente, não consegue revidar na mesma proporção.

Essa perseguição constante afeta os autistas de forma mais pungente. Dados mostram que as taxas de depressão e ansiedade são muito maiores em pessoas com autismo leve que naquelas com desenvolvimento típico. Eles também são mais propensos ao suicídio, até nove vezes mais comum nesse público. Então, esse é um problema que só conseguiremos resolver coletivamente, olhando com mais atenção para essa parcela da população.

Para enfrentar o bullying, principalmente da pessoa com autismo, precisamos trilhar dois caminhos. Primeiro, é preciso trabalhar a conscientização por meio de um calendário fixo de debates sobre deficiência. A sociedade precisa saber o que é o autismo e conhecer essas diferenças para respeitá-las. Outro caminho é incentivar o treino de habilidades sociais do autista, capacitando-os para reconhecer, enfrentar e denunciar situações de bullying. O ideal é que ambas as alternativas sejam realizadas concomitantemente, é o que possui os maiores e mais sustentáveis resultados de pesquisa.

É imprescindível refletirmos sobre o impacto devastador dessa forma de violência e agirmos coletivamente para combatê-la. Somente através da união de esforços e da construção de uma cultura inclusiva e respeitosa, poderemos proteger os autistas e garantir que todos vivam em um ambiente seguro, acolhedor e livre de discriminação. Juntos, podemos fazer a diferença e promover uma sociedade mais empática e justa para todos.

* Lucelmo Lacerda é Doutor em Educação e autor do livro “Crítica à Pseudociência em Educação Especial”

Leia também
Dia Mundial de Conscientização do Autismo tem campanha “O autista é campeão”
Instituto do Autismo anuncia abertura de novas unidades nas Graças e Poço da Panela
Raquel Lyra cria carteira de identificação para autistas e anuncia política estadual para pessoas com autismo
Recife com duas prévias carnavalescas para crianças e adolescentes autistas
Projeto Kinoplex Azul institui sessões de cinema para autistas
Cinema tem sessão especial para autistas
Colônia de férias para autistas tem recorde de inscrições
Dicas de diversão para autistas por quem entende do assunto
Colônia de férias para autistas
Casa Azul  para atender autistas em Macaparana vira exemplo a ser seguido
Carnaval inclusivo:  Festa no Praia sem Barreiras e no Balança Rolhinha
Olhar para as diferenças: Crianças deficientes do Agreste e do Sertão ganham transporte especial
Praia sem barreiras retorna a Boa Viagem no Dia Internacional da Pessoa com deficiência
Relançado, Pernambuco Conduz facilita a vida das pessoas com deficiência
Praia sem Barreiras: 10 mil pessoas deficientes com direito a banho de mar
União Mãe de Anjos em fotografias
Dia “D”: emprego para deficientes
Renata Tarub: dança e inclusão social
Deficientes com vez no desfile do Galo
O carnaval inclusivo do Recife
Carnaval inclusivo na Rua da Moeda
Carnaval inclusivo Recife Antigo
Abertura do carnaval: inclusão, frevo, brega, samba, pífano e música eletrônica
Isso é muito bom: carnaval inclusivo
O frevo inclusivo de Werison
O ser humano encantado do frevo 
Música para Surdos: é o som da pele
Os incríveis batuqueiros do silêncio
Carnaval sem barreiras em Boa Viagem
A luta por inclusão e acessibilidade
 Campanha por escola inclusiva
Óculos trilíngues facilitam leitura para cegos
Síndrome de Down: despertando talentos
Cultura inclusiva em curso gratuito
Com o coração se faz uma canção
Síndrome de Down: Expedição 21
Portadores de Down ganham curso de jornalismo em PE
Saga de Bruno em cordel
Festa inclusiva no Parque da Jaqueira
Com respeito construímos a igualdade
Bruno, exemplo a ser seguido
Bruno, exemplo para todos
Encontro na estrada: passeio inclusivo
Caminhada para cadeirantes fez sucesso
Jovens da Apae mostram talentos
Macaxeira tem parque inclusivo
REC Férias inclusivo na Zona Norte
Sou diferente e faço a diferença
Com respeito, construímos a igualdade

Texto: Letícia Lins /#OxeRecife
Foto:  Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.