Artigo: Indústria têxtil, produção, meio ambiente e economia circular, por Fabianne Pacini

“Circularidade, porque a terra é redonda – As discussões sobre o futuro do setor e a implementação de boas práticas alinhadas com as ações de sustentabilidade, é ponto crucial para o desenvolvimento responsável da indústria têxtil. Neste contexto, o conceito de circularidade ganha agora status de megatendência que promove ações de responsabilidade socioambiental compreendendo que nada possui um fim definitivo, mas tudo se transforma na natureza.

O modelo tradicional linear de produção, uso e descarte, que resulta em resíduos significativos, terá um fim? Essa é mais uma questão sem resposta, pois a intenção ainda não reflete a ação necessária da indústria têxtil para deixar de exercer um papel significativo na economia como fonte de impacto ambiental. Neste cenário contrastante, a circularidade surge como a grande tendência na economia global.

O “New 2024 Report on Circularity Gap”, documento produzido pela Circle Economy Foundation, mostra claramente que a abordagem de um mercado sustentável cresceu significativamente em volume de discussões, debates e artigos em torno do tema, tendo triplicado nos últimos cinco anos. Porém, o relatório mostra que apesar desse interesse crescente, a circularidade apresentou declínio no consumo de materiais secundários pela economia global, com uma queda de 21%, ou seja, de 9,1% em 2018 para 7,2% em 2023.

Estas estatísticas evidenciam que apesar da economia circular ter atingido a posição de megatendência, ela ainda continua na esfera do discurso, precisando passar rapidamente à prática. A mudança só virá com soluções que comecem no design de moda, com produtos pensados para maior longevidade, durabilidade, e que ao final do ciclo de vida possam ser ressignificados de forma eficiente e relevante. Cada vez mais será necessário às empresas buscar colaboração na cadeia de valor, troca de conhecimento, inovação e tecnologia para que a circularidade aconteça e que como sociedade tenhamos sucesso nessas iniciativas.

O consumo continua crescendo. O relatório indica que só nesses últimos cinco anos consumimos globalmente 500 gigatons, o que equivale a 28% de tudo, todos os materiais, que a humanidade consumiu desde 1900. Veja bem: em 5 anos consumimos quase um terço do total consumido em 117 anos. Precisamos nos mover rapidamente para criar uma economia circular, incorporar os conceitos e trabalharmos juntos em direção a um impacto positivo do setor. “Se duplicarmos esta taxa de 7,2%, limitaremos o aquecimento global bem abaixo dos 2 graus, aumentaremos a biodiversidade e criaremos um ar mais limpo. Num mundo 17% circular, a catástrofe climática será evitada.”, segundo a Circle Economy.

Não basta uma ou outra alternativa, é necessária uma transição, um novo modelo e muita criatividade, coisas que só a moda sabe fazer, mas agora pensadas desde a produção até o descarte. Pense em qualidade, durablidade e beleza, associadas à menor emissão de gases de efeito estufa na produção, biodegradabilidade ao final da vida útil, menor uso de recursos como energia e água, redução de resíduos com a reciclagem, na reutilização de matérias-primas. As ferramentas já existem: a NILIT por exemplo, já oferece todas essas possibilidades com soluções sustentáveis na poliamida SENSIL®, que transformou todo o seu portfólio de produtos para preparar a transição para um menor impacto possível. O desejo dos consumidores está diante de nós e como indústria temos uma grande oportunidade pela frente. A Terra é redonda, o mundo gira e a moda pode ser circular”.

*Fabiane Pacini é Diretora Global de Marketing da NILIT (maior  produtora de nylon ou poliamida 6.6 do mundo). Abaixo, você lê outros artigos que abordam a questão do meio ambiente e reportagens sobre a questão têxtil , reciclagem e economia circular

Leia também
Novidade: Tecidos são fabricados a partir da reciclagem de garrafas pet
Brasil tem camisa carbono zero
Aproveitamento de sobra de jeans rende prêmio: Moda do futuro
Novidade: Moda sustentável com tênis a partir de garrafas PET recicladas
Do lixo ao luxo
Boa ação com a coleta de… sutiãs
Economia circular: “Uma dor que o mercado de eventos enfrenta. O que fazer com o que sobra?”
Moda sustentável na Fenearte
Que tal escolher presentes sustentáveis?
Empresas fazem parceria para produção de cartões com material reciclado
Resíduos de cápsulas de borra de café são transformados em óculos para preservar a natureza
Óculos ecologicamente corretos feitos com plásticos colhido no mar 
Economia circular: Recicladas, cápsulas de café viram cadeiras sofisticadas
Reciclagem: No  The Town, embalagens de chocolate serão transformadas em móveis
Asfalto modificado com plástico reciclado dura três vezes mais do que o normal
Em expedição contra a invasão de plásticos nos oceanos, navio Plastic Odyssey chega ao Recife
PepsiCo anuncia primeira carroceria feita com embalagens descartadas
Plástico pode virar  até cadeira. O caso de reaproveitamento das canetas de insulina
Malas feitas com garrafas PET chegam ao Comitê Olímpico Brasileiro
Dell anuncia mouse a  partir de plástico reciclado de garrafas PET
Reciclagem para poupar os oceanos
Canudos plásticos de praia viram óculos e natureza agradece
Plásticos nas praias viram embalagens
Xô, plásticos. A vez das canecas
O lixo que virou lixeira
 Guimbas de  cigarro comam cerca de 300 mil toneladas de microplásticos descartados
Reciclagem de plástico rende utensílios domésticos e corrimão nos morros
Quatro milhões de canudos a menos no mercado
Dia Internacional sem sacos plásticos. Vamos nessa?
Nestlé quer embalagem biodegradável
Campanha contra plástico rende prêmio
Maquininha de passar cartão feita com plástico reciclado do mar
Lixo plástico vira cinema nas escolas
As garrafas biodegradáveis da Bacardi
Água mineral copo biodegradável
Reciclagem de esponjas poupa natureza
Boa ação na coleta de… sutiãs
Cada vez mais frequente em nossas água, plásticos viram fibras para fabricação de colchões
250 milhões de tampinhas retiradas da natureza em seis estados
Startup faz campanha contra lixo
Não jogue lixo eletrônico no Capibaribe
A Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Dia Internacional da reciclagem: Palmas para a Cooperativa Palha de Arroz
Barco robô vai tirar plásticos dos oceanos
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pela folia em Olinda
250 milhões de tampinhas retiradas da natureza
Aproveitamento de sobra de jeans rende prêmio: Moda do futuro
Do lixo ao luxo
Pneus na guerra contra o lixo
Troque o lixo eletrônico por plantas
A reciclagem da Renova Ecopeças
Sustentabilidade: Festival de Inverno de Garanhuns tem oficina para aproveitar sobras de papel
………………………………
Artigo: Carnaval aquece economia criativa e anima empreendedores,por Paula Sauer
Artigo: O que o Brasil tem a ganhar com a pauta verde?, por Wagner Ferreira
A vida moderna nos afastou da natureza e o ativismo não corresponde às ações, por Marcos Torrigo

Edição: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto:  Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.