Ambev: Plantio de 1,9 milhão de árvores recupera áreas degradadas e com estresse hídrico

O que não falta é informação chegando aqui, partindo de grandes corporações sobre ações que beneficiam a natureza. Algumas, no entanto, são resistem aos primeiros questionamentos. Quando eu telefono, pedindo  algum esclarecimento a respeito de métodos de quantificação sobre a iniciativa e seus resultados, as respostas nunca chegam.  Ou chegam incompletas e pouco convincentes. Aí, claro, a matéria vai para a “a cesta página”, como se dizia nas redações quando os jornais eram só de papel. Ou para a “lixeira”, nesses tempos de comunicações virtuais. O #OxeRecife – que ama a flora e a tem como objeto da campanha permanente #paremdederrubarárvores – não se nega, no entanto, a fazer o registro de empresas que trabalham no plantio de árvores, recuperando áreas degradadas, muitas vezes para preservar animais ameaçados.

A notícia mais recente que nos chega parte da Ambev, que através do Programa Bacias e Florestas, afirma ter chegado ao marco de 1,9 milhões de árvores plantadas em áreas de alto estresse hídrico espalhadas pelo Brasil . O número equivale a 800 campos de futebol em extensão de reflorestamento. A iniciativa da companhia tem por objetivo  melhorar em cem por cento a disponibilidade e a qualidade da água para das comunidades em áreas de alto estresse hídrico. De acordo com o cálculo da empresa, que o plantio representaria o mesmo que retirar “de circulação de 5,8 mil carros das ruas por ano”. O Programa atua em áreas de estresse hídrico, auxiliando na restauração e na conservação de solo, florestas e vegetações nativas. E isso que a Ambev faz, afinal, não é nenhum favor. Pois as empresas têm mais é que compensar a quantidade de recursos naturais que vivem a usufruir com a fabricação de seus produtos.

Nada como repor o verde à natureza para tentar neutralizar os efeitos das mudanças climáticas.

Que pena que o trabalho não é executado no Nordeste, mas sim no Sudeste. Em dez anos, o Bacias e Florestas já apoiou a restauração de mais de 800 hectares e a conservação de mais de 10.000 hectares em 11 municípios em bacias hidrográficas prioritárias como as Bacias do PCJ, do Paraíba do Sul e Guandu no Rio de Janeiro. “Os resultados visíveis da iniciativa mostram a importância de projetos como estes para a preservação do meio ambiente. Com quase 2 milhões de árvores plantadas, compensamos cerca de 16 mil toneladas de CO2. Aumentar a disponibilidade hídrica no Brasil faz parte da construção de um mundo melhor e talvez seja um dos nossos maiores desafios. A grandeza dessa causa é compatível com o que podemos fazer junto a um ecossistema engajado, que inclui parceiros e colaboradores, até os próprios consumidores” conta Caio Miranda, Diretor de Sustentabilidade da Ambev.

Inicialmente, o projeto atua na identificação das áreas prioritárias para recarga de mananciais e nascentes, redução dos poluentes e acesso à água. Uma vez localizadas, são definidas soluções com a comunidade e governos, estruturação e alavanca de recursos. Em seguida, são implementadas ações para conservação, produção de água, redução de poluentes e acesso à água. Ações de saneamento rural, apoio à capacitação técnica para produção sustentável, educação ambiental das comunidades e soluções baseadas na natureza também fazem parte do programa, que fomenta o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). O projeto já impactou bacias em Brasília; as regiões paulistas de Jaguariúna, Jundiaí e Jacareí, em São Paulo;  a região do Guandu, no Rio de Janeiro, além de municípios em Minas Gerais e Goiás. Pernambuco torce para que esse esforço de plantio chegue ao Estado, onde o estresse hídrico é grande no Sertão e no Agreste. Plantios de árvores ajudam, e muito, a neutralizar os efeitos das mudanças climáticas. Quem venham mais e mais. Só um lembrete: essa matéria não é um comercial. É conteúdo jornalístico mesmo, para mostrara algum tipo de esforço pela sustentabilidade. Também mostraremos, ainda hoje, plantios da Faber-Casteel e BBF.

Leia também
Ajuda à natureza: Air Europa, que também opera no Brasil, converte milhas em plantio de árvores
Reflorestamento: Cada empilhadeira elétrica vendida rende 30 árvores para a Mata Atlântica
Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada
Zetra inicia plantio de árvores na região de Mata Atlântica, em Minas Gerais
Tijuca Alimentos refloresta terras degradas com 100 mil cajueiros no Ceará
Festival de Teatro dá exemplo fazendo compensação ambiental com plantio de árvores em BH
Uma árvore por cada par de sapato
Das 100 milhões de prometidas, MST planta 2 milhões de árvores no país
Juntos pelo Araguaia: Plantio de mudas
Uma árvore para cada livro
Movida planta um milhão de árvores
Mata Atlântica ganha viveiro para produção anual de 100.000 mudas
Mata Atlântica ganha 300 mil árvores na Paraíba
Mata Atlântica ganha 1 milhão de árvores nativas
Mata Atlântica ganha 30 mil árvores no Rio Pinheiros. E no Capibaribe?
Mata Atlântica vai ganhar 1 milhão de árvores. Promessa da Nestlé
Em uma semana, Mata Atlântica ganha 14 mil  árvores da Levi´s e da Farm
Movida planta 1 milhão de árvores
No Dia da Árvore, o Recife ganha quatro. Mas quantas a cidade já perdeu?
No Dia da Árvore, o Recife ganha seis. Mas… quantas a cidade já perdeu?
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Reflorestamento: Paudalho e Carpina ganham 2 mil mudas
Reflorestamento com recursos de compensação ambiental
Carpina ganha árvores de Mata Atlântica
Semana do Meio Ambiente: Petrolina ganha 7 mil árvores nativas
Caatinga ganha 312 mil árvores nativas
Esforço pela preservação da caatinga
Degradado, Sertão do Araripe ganha ação de reflorestamento
Unesco: Serra das Almas é posto avançado da reserva da Biosfera da caatinga
Cabo ganha 7.450 árvores até 2022
Coca-Cola planta 600 mil árvores
Coca-Cola planta 100 mil árvores em São Paulo. Promessa era 600 mil até 2020
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão-dourado
Ambientalistas preocupados: só restam 1.300 muriquis
Por um milhão de árvores na Amazônia
Caatinga: Bancos ofertam R$ 10 milhões para restaurar o terceiro bioma mais ameaçado no Brasil
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Serra do Espinhaço
A  exuberância da Mata Atlântica, o bioma mais ameaçado do Brasil
Legado das Águas, a festa da natureza

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Programa Bacias e Florestas / Ambev

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.