Alunos sertanejos desenvolvem fralda infantil biodegradável e ficam entre finalistas de Prêmio

 Alunos sertanejos desenvolvem fralda infantil biodegradável e ficam entre finalistas de Prêmio

Compartilhe nas redes sociais…

Olhem aí a meninada da escola pública voltando a acontecer. E  no… Sertão. Estudantes da Escola Técnica Estadual (ETE) Paulo Freire, localizada no município de Carnaíba, criaram protótipo de fralda infantil biodegradável, com custo de apenas R$ 1,40. O projeto, chamado de EKOfraldas, chegou a ficar entre os finalistas do Prêmio Solve for Tomorrow, que incentiva soluções inovadoras para problemas locais e globais, desenvolvidos por alunos da rede oficial.

A fralda é composta por um short de algodão reutilizável, que é preenchido por cartuchos absorventes feitos com casca e fibra de coco e plástico biodegradável, revestidos por um tecido de algodão. “Esses cartuchos são capazes de absorver os líquidos e dejetos sólidos liberados pela criança. Dessa forma, quando ela utilizasse a nossa fralda, seria necessário apenas trocar os cartuchos,”, explica o professor Gustavo Bezerra, orientador do projeto. O plástico biodegradável e a fibra do coco são produzidos no laboratório da própria escola, em Carnaíba,  417 quilômetros do Recife.

Estudantes sertanejos desenvolveram fralda mais barata e menos poluente do que as descartáveis comuns: biodegradáveis

As EKOfraldas surgiram a partir de uma disciplina eletiva focada na implementação das abordagens STEAM (sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes  e Matemática), em que os alunos buscam desenvolver soluções a partir de conhecimentos integrados dessas áreas do conhecimento. Rafaella Queiroz, Raissa Oliveira, Shayane Gomes, Jhonnata Diogo Lopes e José Henrique Rocha, alunos do 2º ano do curso de Redes de Computadores, foram provocados a identificar um problema social e apresentar uma solução prática e viável para resolvê-lo.

“O grupo chegou ao problema causado pelas fraldas descartáveis. Não apenas no aspecto econômico, devido ao preço cada vez maior desse produto, mas também no aspecto ambiental, por conta do problema gerado pelo descarte desses produtos após a sua utilização, que ficam na superfície terrestre por cerca de 450 anos até sua decomposição”, conta o professor orientador. A equipe também contou com o apoio da professora Carla Robecia no desenvolvimento do projeto.  O tempo de decomposição das fraldas convencionais motivaram o grupo a buscar uma alternativa sustentável para o problema, mas os alunos também foram buscar inspiração na família para a concepção do projeto. “Tanto eu quanto a Rafaella temos primos pequenos e, a partir daí,  a gente pensou em como fazer com que essa fralda fosse produzida de forma barata, para que fosse acessível à população e não prejudicasse o meio ambiente tanto quanto as outras”, conta José Henrique Rocha, um dos integrantes do grupo.

Leia também
Escola Técnica Estadual de Floresta tem disciplina sobre a cultura do couro e dos vaqueiros do Sertão
Alunos de escola pública desenvolvem aplicativo para facilitar a vida de turistas nas festas juninas
Único representante da Rede Pública na Olimpíada Internacional de Química viaja para Uzbequistão
Tem curso grátis de quatro idiomas para alunos da rede pública
Missa do Vaqueiro para lembrar saga de Raimundo Jacó
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
A Rádio que Paulo Freire sonhou no Memorial da Democracia
João Victor é o primeiro aluno da escola pública do Brasil na etapa final da Olimpíada de Química
Matemática: 28 alunos premiados
Dandara Guilherme, aprovada em três universidades estrangeiras ganha passagem
Fred Ramon, herói da escola pública
Robótica: equipes pernambucanas voltam com premiações
Pernambucanos brilham na robótica
Equipe de Escada é a única em torneio de robótica
Fred Ramos, herói da escola pública
Rafael Costa, egresso da escola pública faz bonito no vestibular da USP
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru
Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai
Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife
Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros
A volta das cartas e dos postais

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.