Acusado de matar Kauany e Jailma em Glória do Goitá aparece em Caruaru

 Acusado de matar Kauany e Jailma em Glória do Goitá aparece em Caruaru

Compartilhe nas redes sociais…

Finalmente, apareceu Edson Cândido Ribeiro, acusado de ter violentando e assassinado a facadas duas jovens no até então pacato município de Glória do Goitá, localizado a 63 quilômetros do Recife. Ele era procurado há oito dias pela Polícia Militar e agentes da Polícia Civil, mas apareceu no município de Caruaru, a 130 quilômetros do Recife.

A busca exigiu o uso de helicóptero, drone, motos, viaturas e até a população ajudou à polícia nos primeiros dias de procura do assassino. Depois de se embrenhar pelas matas da zona rural de Glória do Goitá, driblando a perseguição, ele decidiu se entregar em um outro município, alegando que tinha medo de morrer, que a população fizesse justiça pelas próprias mãos.

Uma irmã do acusado, que não tinha nada a ver com os crimes dele, terminou pagando o pato, pois sua casa foi incendiada por populares. Temerosos, os parentes  enviaram a ele várias mensagens solicitando que se entregasse,  porque a família passou a sofrer riscos de agressões, por conta dos assassinatos que chocaram a população, onde as duas moças eram muito queridas.

Uma delas,Jailma Muniz de Souza (19)  inclusive foi  abordada, abusada e morta a facadas quando fazia o caminho diário de casa ao roçado, para levar o almoço da mãe, que trabalha na lavoura. A outra vítima é Kauany Mayara Marques (18),cujo corpo foi encontrado em um esgoto da cidade, antes conhecida devido à produção de farinha de mandioca e sobretudo à produção e ao movimento de grupos que vivem da produção e encenações de mamulengo, teatro popular de bonecos.  Uma entrevista coletiva sobre o caso está marcada para 15h.

Leia também
NO Brasil de Moise e Durval, a falta que faz o Dom da paz
#MedusaMusaMulher
Aborto em menina de dez anos na Cisam gera guerra em Pernambuco
Gravidez precoce responde por 21 por cento dos partos em Pernambuco
Pelo fim da violência contra a mulher
Mulheres contra a violência
Carnaval sem assédio em Pernambuco
Grecthen: Mulher faz o que quiser
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
No Dia da Mulher,o legado dos livros daquelas que fizeram história
De Yaá a Penépole africana

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto:  Redes Sociais / Caruaru no Face

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.