Açude de Apipucos: Emlurb retira 300 toneladas mensais de detritos e sujeira nunca termina

 Açude de Apipucos: Emlurb retira 300 toneladas mensais de detritos e sujeira nunca termina

Compartilhe nas redes sociais…

Olhem  só essa montanha de lixo.  Não foi retirada da rua não. Mas sim do Açude de Apipucos, um dos cartões postais daquele que é um dos mais tradicionais e ainda “rurbanos” bairros do Recife. Infelizmente, aquele que já foi um cristalino espelho d´ água – que atraía lavadeiras de toda a Zona Norte para lavagem de roupa de ganho no século passado – transformou-se em um esgoto a céu aberto. Mas não é só isso. Tem, também, todo tipo de detrito e a foto acima é uma prova disso.

Lamentável que no Recife as pessoas pensam que rios, riachos, lagos, açudes, são depósitos de lixo.  Ou seja, educação ambiental zero. Como se não bastasse o recebimento diário de toneladas de dejetos domésticos (a capital pernambucana só tem saneamento em pouco mais de 30 por cento dos seus domicílios) o Açude vive a ser agredido com bichos mortos, garrafas de todo o tipo, latas, tralhas. Tem até quem estacione o carro às suas margens, para nele descartar móveis velhos, como mesas e sofás. Eu, por exemplo, já testemunhei cenas desse tipo. Reclamei, mas levei um baile dos  porcalhões.

Com ajuda de um barco, seis garis da Emlurb recolhem diariamente mais de dez toneladas de lixo no Açude

Não devia ser assim. Pelo menos por respeito ao Sítio Histórico de Apipucos, à sua Zona de Preservação Rigorosa e à Zona de Preservação Ambiental, na área da qual as duas anteriores encontram-se incluídas. Acontece que é tanto lixo, mas tanto lixo, que a Autarquia de Limpeza Urbana e Manutenção do Recife (Emlurb) mobiliza diariamente seis garis e um barco para remover a sujeira. No final do dia, o total recolhido chega a dez ou doze toneladas, o que equivale a uma caçamba de lixo.  Por mês, seriam mais de 300 toneladas de lixo retirado. E a sujeira aumenta a cada chuva, porque os detritos de córregos e riachos próximos nele desaguam tudo que não presta.

É uma pena que isso aconteça. Não faz muito tempo, o livro “Açude de Apipucos, História e Ecologia” (Editora Cepe) relacionou a importância do Açude para o Recife, inclusive com o registro de seis espécies de peixes que ali eram comuns: traíra, cará, muçum, piaba, tambaqui e tilápia do Nilo, praticamente a única que sobrevive hoje, por sua grande resistência a poluição orgânica. Entre as aves que ali ocorrem, encontram-se galinha-d´água-azul, lavadeira, carcará, pardal, sanhaçu-cinzento, frei-vicente, viuvinha, marreca-irerê, garça-branca-grande, pato-do-mato, tetéu, beija-flor-rabo-de-tesoura, guriatã, bem-te-vi, entre outros. Moradores das margens do Açude citam jacarés e grupos de capivaras.

Passo quase diariamente pelo local, e sou testemunha do trabalho inglório da Emlurb. Tiram lixo durante o dia, e à noite o Açude recebe uma cascata de detritos. Os próprios pescadores se ressentem do problema. Pois a  cada dez tarrafas jogadas no lago, nove só trazem lixo. Triste, não é? Como o Açude fica em nível bem mais alto do que o Capibaribe, poderia ser limpo, isento de poluição. Mas o que ocorre é o contrário. E, quando não coletado, todo o seu lixo do Açude escorre para o Rio pelo sangradouro. E com ele, toneladas de esgoto doméstico…

Leia também
Açude de Apipucos tem entorno requalificado
Atentado  estético contra igreja histórica em Apipucos gera impasse em obra da Prefeitura
Paróquia faz seresta em Apipucos
Festa religiosa em Apipucos
Apipucos pede socorro
Prefeitura anuncia requalificação do pier que nunca existiu no Açude de Apipucos
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
Parque Apipucos começa a desabar
Parque Apipucos sofre incêndio
Sessão Recife Nostalgia: Antônio Gomes Neto revive o passado de Apipucos
Cuidado: Perigo em Apipucos
O abandono do Açude de Apipucos e o pier que nunca foi construído
Açude de Apipucos ganha Pracinha
Açude de Apipucos ganha equipamentos urbanos
Açude de Apipucos virou um lixão
Fauna urbana: Dona Noemia e o amigo jacaré e o amigo jacaré do Açude de Apipucos
A “Serra Pelada” de Sinha é só riqueza
Macaco prego aparece em Apipucos
Natureza: A beleza do frango d´agua que ocorre até no Açude de Apipucos
Apipucos: Casa Museu Magdalena-Gilberto Freyre tem Feira na Foz
Apipucos: Feira na Foz movinta jardins da Fundação Gilberto Freyre
Apipucos: Feira NaFoz faz mais uma edição no domingo e terá espetáculo sobre assombração
A arte popular que vem da Amazônia, Ceará e Pernambuco na Feira NaFoz
Apipucos: Casa Museu tem Feira NaFoz. Vamos?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.