A vida do pernambucano Mia com a Barbie daria um filme: Paixão sem limites pela icônica boneca

 A vida do pernambucano Mia com a Barbie daria um filme: Paixão sem limites pela icônica boneca

Compartilhe nas redes sociais…

O filme Barbie não é só um fenômeno midiático. É, também, expectativa e ansiedade para muita gente, que é fã da boneca mais famosa do mundo e que, aos 64, aparece em várias versões, sem perder o charme nem o encanto da juventude. Tem Barbie de todo jeito: loira, morena, negra, atleta, cadeirante, fashionista, esportista, ecológica e… por aí vai. Entre os “amantes” da Barbie, o #OxeRecife traz a história de um pernambucano que gosta tanto da boneca que não vive sem ela. Basta dizer que ele  já vestiu a sua com look pink, e vai assistir o filme estrelado por Margot Robbie e Ryan Gosling  com a boneca a tiracolo, para todo mundo ver.

Parece uma filme, mais é verdade. A história de vida do maquiador, personal stylist, e estilista Jonatas Almeida da Silva, o Mia, é atrelada à Barbie.  A  boneca passa pela sua infância, adolescência e chega à idade adulta, interferindo não só na escolha de sua profissão, no “financiamento” do material necessário ao seu trabalho e até na orientação sexual. “Devo assistir o filme neste final de semana, e  Barbie vai comigo, mas ainda estou definindo o look dela, pois preciso resolver se vai de botinha ou sapato em estilo mocassim”. A relação de Mia, 31, com a Barbie é antiga.

Em foto antiga, Mia aparece com parte de sua coleção de Barbies, mas hoje são apenas quatro

Quando ele tinha sete anos, a irmã (de cinco), ganhou da madrinha uma Barbie que vinha com o Ken (namorado da boneca), roupinhas, apetrechos de esqui, kit completo Ele caiu de paixão pela boneca da menina. “A gente fazia troca, ela me dava a Barbie e eu cedia uma mini Kombi para ela brincar”. Depois, a madrinha da garota deu outra Barbie de presente. Dessa vez, grávida. Mia enlouqueceu. “A gente apertava a barriga da Barbie e o bebê saía”. Quando a madrinha Marluce chegava com novos presentes para a irmã de Mia, ele “rezava para ser outra Barbie”. Aos dez, Mia produziu um primeiro look para uma das Barbies da irmã. “Tinha uma tia que estava grávida, aí peguei escondido uma caixa de lencinho umedecido de limpar bumbum de bebê, botei para secar e fiz uma roupa de noiva”. Passou, então, a fazer roupinhas de papel usando cola.

Posteriormente, uma outra tia pediu a um figurinista para desenhar modelos para a roupa da festa de formatura. “Peguei os croquis que ele fez e aprendi a fazer outros, inspirados no corpinho dela”, diz, referindo-se a Barbie. Diante da então paixão pelas bonecas da irmã, ele brincava longe da visão da família. “Fazia tudo escondido, debaixo da mesa de minha avó”, diverte-se. Só aos 16,  quando assumiu sua orientação sexual, Mia iria produzir looks com tecido para a boneca, expandindo e ratificando sua paixão. Hoje ele produz roupinhas estilosas e vende toda a sua produção. Uma parte vai para Minas Gerais. A cliente compra Barbies, substitui cabelos por outras com estética afro, e elas ganham roupinhas confeccionadas por Mia. Ficam totalmente customizadas.  “Penso que já fiz mais de 2 mil roupinhas para a Barbie, mas agora são 30 looks completos por mês com comercialização já assegurada com a cliente de Minas”, diz.

Em 2021, a Mattel entrou na onda da sustentabilidade e anunciou a Barbie “verde”, fabricada com plástico reciclado

Mas as roupinhas  também estão à venda em outros locais (ver serviço abaixo).  Apaixonado pela boneca, Mia chegou a ter uma coleção de 56 Barbies. “Vendi as mais caras, e me capitalizei para comprar meu material de maquiagem”, comemora, referindo-se à profissão principal. Doou o restante das bonecas para uma sobrinha e ficou com apenas quatro, porém mantendo os objetos da sua paixão: casinhas, cachorrinho, mobília, etc. Entre as quatro, a mais antiga – a primeira que comprou – que guardou de recordação. “Mas esta não mostro a ninguém, pois ela está horrível, pois fui cortando o cabelo dela, maquiando-a, pintando as unhas”. Hoje,  o ambiente da Barbie serve para levar Mia de volta ao maior prazer de sua infância: as bonecas. “As pessoas não acreditam, mas minha paixão pela Barbie é tão gande, que brinco com ela todos os dias, boto para tomar café, para ir no salão de beleza e até para andar de bicicleta, uma companheira”. Nas horas de lazer, ele ocupa o tempo entre a bela e a fera: a Barbie, e Ody Francisco, o cão de estimação, da raça pitibul.

Conheci Mia no final do ano passado, na residência de minha filha Juliana, que sempre acorre aos seus serviços, quando vai a alguma festa e quer maquiagem brilhar. Nos links abaixo, você confere mais informações sobre a Barbie, e sobre outros tipos de bonecos como os gigantes e os mamulengos.

Leia também
Aos 62 anos, boneca Barbie vira verde e é feita com plástico reciclado
Museu do Mamulengo de Glória do Goitá: Mais mamulengo, menos Barbie
O mané gostoso de Saúba
A trágica morte do Meste Saúba, criador de Benedito e da dançarina Lindalva
O menor museu do mundo
Galpão das Artes: Começam as visitas guiadas ao menor museu do mundo
Dia do Artesão: Viva para Miro dos Bonecos!
Cultura Popular:  Galpão das Artes e Museu do Mamulengo firmam parceria
Galpão das Artes traz de volta o teatro de lambe-lambe
Galpão das Artes ganha prêmio, melhora a sede e ajuda famílias carentes
Galpão das Artes faz a festa em Limoeiro
Galpão das Artes faz concurso de desenho
“Se eu soubesse escrever”
Galpão das Artes e brinquedo popular
Mestre Titinha ganha documentário
A trágica morte de Mestre Saúba
Mamulengos contam a própria história
Mamulengo Risadinha é o primeiro grupo infantil do teatro de bonecos
“Vaquinha” para presépio de mamulengo em Glória do Goitá
O adeus de Zé de Vina
Em meio a tanta tristeza só mesmo um mamulengo para nos fazer sorrir
Zé de Vina, mestre mamulengueiro ganha homenagem em Glória do Goitá
Mamulengueiros tradicionais se rendem ao mundo virtual
Bonecos fazem a festa em Casa Forte
Resgate do mamulengo pernambucano
Fotógrafos documentam mamulengos
“Para tocar o coração das pessoas”
A festa mágica dos bonecos
Poço das Artes: Música e Mamulengos
Zona Norte tem  Bossa Nova, samba, jazz e mamulengo
Mamulengo, fado, choro e economia criativa
Tacaruna: Exposição de “bonecos gigantes de Olinda” que, no entanto, são do Recife
Bonecos gigantes: Não confunda alhos com bugalhos
Bonecos gigantes: Crise de identidade
A festa do trio de bonecos gigantes
Bora Pernambucar chega ao fim com encontro de bonecos gigantes
Zé Pereira festeja cem anos no Recife
A Zé Pereira, com festa e com afeto
Mão Molenga no Ricardo Brennand
Sesc prorroga expô do Mão Molenga
Mão Molenga é um sucesso

Serviço
Mia Maquiagem e roupinhas para Barbie –  (81) 999758525 – @miaalmeida.make
Roupinhas para Barbie (looks diversos, venda só pelo Instagram)   – @m.antonietta_almeida
Roupinhas para Barbie  – Loja Roberta Cabelos MLW, Rua Joaquim Murtinho, 386, loja 1, Centro, Arcos, Minas Gerais CEP 35588-000 . Também vende pelo Instagram (@Rodolls)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Arquivo pessoal e Mattel / Acervo #OxeRecife

Posts Relacionados

1 Comments

  • Muito bom, Letícia.

    Que história de amor mais linda.
    Uma delicadeza o relato de Mia sobre a sua paixão da vida inteira.
    Quem dera muitos de nós conservássemos essa essência.

    Abraço

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.