A luta pelo acesso ao Mangue

Nesta terça-feira, 26 de julho, Dia Mundial de Proteção dos Manguezais, que tal assistir um documentário retratando a luta de uma comunidade tradicional  que foi privada de ter acesso a manguezal e a um rio que, durantes séculos, alimentaram suas famílias? O drama é o tema do documentário Sangue: Vidas e lutas quilombolas em defesa do rio”, que será lançado  no Núcleo de Poeirinha, às 17h, na Ilha da Mercês , que fica no município de Ipojuca, localizado a 57 quilômetros do Recife.
A iniciativa é do Fórum Suape, organização que luta pelos direitos das comunidades tradicionais do Litoral Sul, assim como pela defesa do meio ambiente e da natureza. O filme denuncia o drama da comunidade quilombola de Ilha de Mercês, que enfrentou o represamento do Rio Tatuoca, pelo Complexo Industrial de Suape, o que impediu o acesso de comunidades ao local e à pesca.  A luta pela reabertura do Rio durou 14 anos.
Represamemento do Rio Tatuoca trouxe prejuízos aos manguezais e às comunidades tradicionais: documentário.
A Associação Quilombola de Ilha de Mercês, com apoio do Fórum Suape, travou um logo processo contra a empresa Suape.  Em 9 de agosto de 2021, finalmente o Complexo iniciou a reabertura parcial, com a retirada de 34 metros dos 170 metros totais do dique de enrocamento irregularmente mantidos na foz do rio. Mesmo parcial, a reabertura já é comemorada pelas comunidades da Ilha da Mercês.
Pois já possibilitou um respiro e alívio ao rio, com o rápido reaparecimento de espécies de moluscos, crustáceos e peixes que há muito tempo não apareciam naquele manguezal.  O documentário tem direção e roteiro de Débora Brito, fotografia de Ana Olívia Godoy, e conta até com imagens aéreas (Ana Olívia Godoy/Hamilton Tenório – Ação Comunitária Caranguejo Uçá ).
Leia também
Dia Internacional dos Manguezais é lembrado em Pernambuco
MapBiomas: Manguezais do Nordeste são os mais ameaçados do Brasil
Rio Tatuoca: “Rios livres, mangues vivos”
No Dia Mundial de Proteção ao Mangue, ferramenta para preservá-lo
Maracaípe: ecoturismo, manguezal e trilha flutuante
Mangue mulher: Clip mostra a vida de pescadoras do mangue na voz de Elza Soares
Mães do Mangue: Cozinha da Maré
MapBiomas: Manguezais do Nordeste são os mais ameaçados
Crime ambiental em Paulista: Prefeitura multada por destruição de mangue
Nuvens de plástico no Capibaribe
Vida para o caranguejo-uçá
Deixe o mangue para o caranguejo
Começa segundo defeso do caranguejo-uçá de 2021. Não consuma!
Caranguejo-uçá: Todo mundo quer comer, na praia, no bar. Mas preservar…
Defeso: Verão sem  consumo de caranguejo a partir do dia 14 de janeiro
Respeite o faxineiro da natureza
Defeso: Não coma caranguejo-uçá
Não consuma caranguejo-uçá: defeso
População em defesa dos caranguejos
Proibido comer guaiamum
A matança dos guaiamuns ameaçados
Guaiamuns ameaçados são liberados
Evite comer crustáceos ovados
Comer lagosta ovada é não ter coração
Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia: gangrena o corpo
Pescado está liberado para o consumo
Litoral Sul: turismo sustentável?
Salvem tartarugas e caranguejos
Recife, mangues e “aldeões guaiás”
Capibaribe: unidades de conservação
Emlurb limpa rio e tartaruga luta para sobreviver no meio do lixo
Comunidade quer a volta do caranguejo gigante na Rua da Aurora

Serviço
Evento: Lançamento do filme
Local: Núcleo de Poeirinha, na Ilha de Mercês, Ipojuca
Quando: Terça-feira, 26/7
Horário: 17h

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.