“A África que persiste em nós” no Pátio de São Pedro

 “A África que  persiste em nós” no Pátio de São Pedro

Compartilhe nas redes sociais…

Instituído pela Organização das Nações Unidas em 1972, o Dia da África é comemorado em 25 de maio. Porém os eventos que estavam programados para a data no Recife foram cancelados, diante do dilúvio que tomou conta da cidade, que provocou transbordamento de canais, alagamentos de ruas, deslizamentos e que deixou escolas, repartições e universidades sem funcionar.

A data foi criada em referência ao dia de 1963, em que 32 chefes de estados africanos se reuniram em Addis Abeba (Etiópia) com o objetivo de defender e emancipar o continente africano, para libertá-lo do colonialismo e do apartheid. Naquela ocasião, os líderes africanos  criaram a Organização  de Unidade Africana (OUA), para tirar a África das mãos do domínio do continente europeu.

Como se sabe, a divisão da África entre os europeus já havia sido definida muito antes, entre 1884 e 1885, quando se deu a aqueles  os direitos às riquezas do continente. A OUA não se mostrou potente para resolver os seus próprios conflitos e em 2002 criou-se a União Africana (UA). O Dia da África, no entanto, foi mantido no mesmo 25 de maio.

No Brasil, a presença da África é muito forte na nossa cultura, na alimentação, nos manifestações populares, na música, nos terreiros, no sincretismo religioso. Às 16h da sexta-feira (27/05) haverá uma conversa no Pátio de São Pedro sobre “A África que persiste em nós”. Será no Núcleo Afro, sendo conduzida por Vó Cici e Fernando Batista. Vó Cici é Mestre Griô da Fundação Pierre Verger ( com sede em Salvador). Já Fernando é Mestre em Antropologia (pela UFPE) e doutorando na UFBA. Cici é figura cultuada pela sua sabedoria. Encanta com as histórias que conta da África, pelos significados dos orixás, pelo conhecimento profundo dos rituais, significados, ritmos e a culinária dos terreiros de Candomblé. Na segunda-feira,  durante palestra, ela lotou o auditório da Reitoria da UFPE.

Para o antropólogo, Cici  “é reverenciada como a  materialização de Oxalá entre nós”. Na UFPE, ela falou sobre Exu. O orixá entrou em grande evidência este ano,  quando levou a Escola de Samba Grande Rio ao campeonato do carnaval no Rio de Janeiro.  Na palestra da UFPE, Cici desfez mitos sobre o orixá incompreendido e injustiçado pelos leigos e adeptos de outras religiões. “Exu é a boca do mundo, o caminho do meu destino, o caminho do Ifá, que dá resposta para equilibrar a vida”.  No Pátio de São Pedro, a griô e o antropólogo falarão sobre a presença da África nas nossas vidas. Cici conviveu com Pierre Verger durante muitos anos, e o ajudou inclusive a catalogar um acervo de 12 mil fotografias feitas no Brasil. Fotógrafo autodidata, Pierre Fatumbi Verger foi etnólogo,antropólogo e escritor. Viajou pelo mundo, mas radicou-se na Bahia, e adotou o candomblé como religião.

Leia também
Griô, Vó Cici ganha homenagem
A sabedoria ancestral da Griô Vó Cici
Ebomi Cici é um patrimônio vivo
Dia das Mães: Vovó Cici (80) viaja da Bahia ao Rio de Janeiro para visitar a sua (de 104)
Vovó Cici no Paço do Frevo
Ebomi Cici fala sobre orixás e convivência com Pierre Verger
Baobás so Recife sacralizados na Bahia
Dia do baobá: verdades e mentiras sobre a árvore mágica 
O despertar musical da flor do baobá
De Yaá a Penélope africana
Resgate histórico: primeiro deputado negro do Brasil era pernambucano
Entre Boa Viagem e África
Ojás contra o racismo religioso
Nação Xambá: 88 anos de resistência
Pipoca é alimento sagrado? 
A simbiose entre a igreja e os terreiros
Museu da Abolição: Cultura material africana ganha catálogo

Texto: Letícia Lins (#OxeRecife) e Fernando Batista (UFBA)

Fotos: Acervo #OxeRecife e Fernando Batista

 

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.