Lula: “Voltando porque tudo que a gente fez foi destruído e precisa ser consertado”

“Se eu, aos 76 anos, fui capaz de me apaixonar outra vez, de casar outra vez, então eu estou melhor do que antes”. O candidato do PT à sucessão presidencial, Luís Inácio Lula da Silva, contou hoje que não pretendia mais ser candidato, pois o que queria, mesmo, era “curtir a vida”. Mas explicou que decidiu voltar muito mais “disposto” do que antes, porque tudo que  “a gente fez foi destruído” e o país “precisa ser consertado”.

Lula afirmou estar voltando “não para fazer mesmice, mas para fazer melhor”. Citou o desmonte dos mecanismos de defesa ambiental, da rede de proteção social, até da educação. “À frente da Fundação Palmares, tem pessoa que não gosta de negro, o Ministro do Meio Ambiente só fazia destruir floresta e o da Educação não trabalha pela educação. Eles acabaram com o Prouni, o Fies e avacalharam o Enem, mas tudo isso vai voltar”. Lula fez os comentários durante encontro com o setor cultural, no Teatro do Parque, que fica no centro do Recife, quando prometeu criar o Ministério da Cultura, para cuidar de um setor que gera tanto emprego. O setor sofreu um verdeiro desmonte no governo do Presidente Jair Bolsonaro, e a grita é geral  entre artistas e produtores. “Cultura dá emprego descente, de qualidade, não precisa desmatar, nem destruir o Pantanal nem invadir a Amazônia”.

Lula fez reunião no Teatro do Parque, no Recife, quando prometeu “uma revolução cultural” no Brasil.

Lula afirmou que o estado deve funcionar como indutor da cultura  que precisa ser tratada ” como um rio, onde se deixa a água fluir com mais velocidade”. Lembrou ser necessário tratar a cultura de forma diferente como vem sendo tratada no país. “Precisamos fazer uma revolução cultural, mas não para se queimar livro, mas para se dar livro a todo mundo”. Lembrou que a cultura tem que ser entendida “não como gasto mas como investimento”. Lula  já chegou a ser  criticado pelo ex-capitão, que disse temer que o petista seja eleito,  porque substituirá os clubes de tiro por bibliotecas. O que, na visão do Presidente belicista, seria um retrocesso. Uma das oradoras, Beth de Oxum, lembrou que o “Brasil não precisa da cultura da arma, mas do tambor do coco e do maracatu”.

Lula enviou, também, recado para os petistas que ainda torcem o nariz para sua aliança com Geraldo Alckmin. “Fui estabelecer aliança com segmento que não era meu”, lembrou o “somatório de sete partidos” que o apoiam  e lembrou porque isso é preciso:

Não estamos enfrentando uma eleição comum,  mas um fascista cercado de milicianos por todos os lados, e é preciso restabelecer a democracia.

Durante a reunião, com o auditório do Teatro do Parque lotado, Lula assistiu a exibições de frevo, de coco, e se emocionou ao ver o exemplo de superação de Mateus, que é paralítico, mas que faz o “passo” ao som do frevo, em sua cadeira de rodas. Também interrompeu o discurso para ceder seu microfone para Rosa, hoje à frente de um hotel, que é um dos patrimônios de Pernambuco.

“Foi por sua causa, Lula, que eu mudei. Você me disse que um vendedor de macaxeira, manga ou feijão que carrega a mercadoria na cabeça pode ser um empresário. Eu tirei meu CNPJ, hoje emprego 23 mulheres e tenho quatro filhas formadas na universidade, sem que eu tenha gastado um tostão”, disse Rosa Nascimento que, durante a pandemia, decidiu assumir a direção do Hotel Central, do qual o proprietário desistiu. Rosa era a cozinheira do estabelecimento, e conseguiu reerguê-lo.  O hotel central tem o prédio tombado, por sua história e por ter sido o primeiro “arranha céu” do Recife. “Tenho fé, Presidente, que no seu governo, muito vendedor de macaxeira vai virar empresário”. Lula almoça nesse momento na casa do candidato do PSB à sucessão estadual, Danilo Cabral. E à noite participa de novo ato, também em ambiente fechado. O comício, que seria na Praça do Carmo, no Centro do Recife, foi transferido para lugar coberto, o Classic Hall, na Zona Norte. Mas segundo os petistas, não foi por questões de segurança. Mas porque a Meteorologia previa muita chuva para a tarde dessa quinta. Realmente, é chuva que não acaba mais no Recife.

Leia também
Lula faz alerta contra fake news
Lula passa dois dias em Pernambuco
Lula passa dois dias em Pernambuco
Cícero Belmar: Lula e os baobás eternos
Lula chega ao Nordeste, encontra políticos no Recife e amanhã vai ao MST
Lula aos 74, com “tesão de 20 para lutar contra a canalhada no Brasil”
Festival Lula Livre vira carnaval
Festival Lula Livre já começou
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Intolerância política ou motivo torpe?
Livro oportuno sobre a ditadura que o Presidente eleito diz que nunca existiu
Lição de história sobre a ditadura de 1964 no Olha! Recife
A história de 1968 pela fotografia
“Nazista bom é nazista morto”
Os segredos da guerrilha
Mutirão contra a censura de Abrazo
Teatro mostra a saga dos excluídos
Lição de história sobre ditadura de 1964 no Olha! Recife
Público tem acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
Livro revela os segredos da guerilha 
Alguém viu a República Brasil por aí?
Vídeo sobre procurador assassinado mobiliza universidades 
Pensem: em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis em PE
A mentira da fome
Cuidado, armas à vista
Com tantos venenos no Brasil, cuidado com o que você come
O Brasil está virando o rei do veneno
Servidor federal é punido porque fez a coisa certa na área do meio ambiente
Filme revive fatos da ditadura militar  
Livro oportuno sobre ditadura (que o presidente diz que nunca existiu)
“Cárcere” mostra o Brasil desde a ditadura
Nazista bom é nazista morto
“Ditadura nunca mais”: lembrados os 50 anos da morte do Padre Henrique
Idosos encenam anos de chumbo
Cinema dominado e poucas opções: anos de chumbo

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Genival  Paparazzi 

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.