Parem de derrubar árvores (em Anapu)

Para o Presidente Jair Bolsonaro, a Amazônia é um mar de rosas. Não tem queimada porque “a floresta é úmida” e está “exatamente igual a quando o Brasil foi descoberto”. Nem Pinóquio saberia mentir tanto, ainda mais em um encontro internacional como o Fórum Invest Brasil, em Dubai, nesta semana. Em 2020, a região amazônica registrou 103.161 focos de incêndio. E em outubro, foram destruídos “somente” 877 quilômetros de mata, em um nível  sem precedentes segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

O Inpe é órgão mundialmente respeitado, mas várias vezes questionado pelo governo brasileiro, por não ter tapado o sol com a peneira, quando o assunto é desmatamento na Amazônia. Vez por outra, tem carregamento de madeira ilegal sendo apreendida nas rodovias brasileiras. E de onde vêm? Sempre de lá de cima, do Norte, onde a grilagem e o corte ilegal de madeira correm soltos, depois que o Capitão desmantelou todo o sistema de fiscalização e proteção ambiental do  país. Segurou o Ministro Ricardo Sales – aquele da Boiada – até o último instante, só aceitando o seu afastamento quando não houve mais jeito de manter no governo o maior inimigo oficial da natureza que o Brasil já teve.

Nesta semana, a Polícia Rodoviária Federal apreendeu mais uma carga de madeira ilegal, que havia saído do município de Anapu (Pará) e que vinha para Cajazeiras (Paraíba).  Anapu fica a 651 quilômetros de Belém. A carga foi descoberta  com desvio de rota no município de Sertânia (Pernambuco). Localizada no Sertão do Moxotó, Sertânia está situada a 316 quilômetros do Recife. A carga (34 metros cúbicos) estava avaliada em R$ 15 mil e foi doada pela Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) ao Projeto Casa de Acolhimento para Dependentes Químicos. O projeto de assistência aos dependentes é coordenado pela Paróquia de Nossa Senhora de Araripina, município localizado no Sertão do Araripe, a 692 quilômetros do Recife.

Agora cabe perguntar: O que são  34  metros cúbicos diante do gigantismo da Amazônia? Nada. Mas, é como diz a gíria, de “grão em grão faz um milhão”. E quanto mais frouxa a fiscalização, mais fácil o corte e o transporte ilegais. Pelo menos a PRF está de olho no que rola nas estradas. A  chefe do Setor de Fiscalização Florestal da Cprh, Elba Borges, informa que embora a Agência seja o órgão estadual competente para fiscalização do transporte de madeira, o apoio e a integração da PRF com a Cprh tem sido fundamental nas operações de combate ao transporte ilegal desse tipo de carga. Porque se ninguém abrir o olho, a tendência é o aumento do número de infrações. Elba lembra que a produção, venda, transporte e aquisição da madeira devem seguir os ritos previstos na Legislação. A  madeira apreendida era de diversas espécies de árvores nativas da Amazônia, todas vítimas da motosserra insana, mais uma vez.

Leia também
Dia da Amazônia: Comemorar o quê? Parem de derrubar árvores
Amazônia  pode virar um cerrado. “Estamos a meio caminho desse cenário”
Tukumã, a fênix da Amazônia
Ucuubeira preservada rende três vezes mais do que vendida a madeireiros
Piranga é afrodisíaca?
Mães do mangue: Cozinha da maré

Parem de derrubar  árvores (no Pará)
Amazônia em discussão em evento virtual, com inscrições gratuitas
Dia da Amazônia: Agrofloresta ou extração ilegal de madeira?
Madeira clandestina da Amazônia
Parem de derrubar árvores, Brasil. O total devastado
Animais de volta à Amazônia
No Dia de Proteção às Florestas, o Brasil tem o que comemorar?
Verdades e mentiras no Dia da Terra
No Dia da Árvore, a vovó do Tapajós
No dia da Amazônia,trilha pela Mata Atlântica
No dia da Amazônia, viva a natureza
Dia Mundial de Áreas Úmidas
Por um milhão de árvores na Amazônia
Baderna inaugura delivery de mudas para reflorestar a Amazônia
Já me falta ar para falar das florestas
Sem Salles, a “boiada” ainda vai passar?
Assine também: #Tchau Salles
Salles, o veneno contra a natureza
O Brasil pegando fogo, e Bozó bota a culpa no índio e no caboclo
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
Cerrado ganha corredor ecológico

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife 
Fotos: Divulgação / Cprh/ PRF

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.