Capibaribe: “Vamos jogar lixo no rio que o barco vai passar para limpar”.

Dá uma tristeza ver cenas como esta da foto, em um manguezal do Rio Capibaribe, à altura do Bairro de Apipucos, onde reside a titular desse Blog. O jacaré não é o primeiro animal que é encontrado quase sufocado no meio do lixo, no chamado “rio das capivaras”, onde observa-se, também, quelônios – como cágados e tartarugas – fazendo esforço para sobreviver no oceano de detritos. Capivaras até que aparecem, de vez em quando. Mas em pequenos grupos, em quantidade bem distante das abundantes populações do passado que terminaram por dar nome ao nosso principal rio.

É uma pena que aquele que é um dos nossos principais cartões postais e antiga estação de veraneio do Recife esteja transformado em um lixão. Infelizmente. São os detritos jogados nas ruas, que se misturam às águas da chuva, que escoam para canais e depois chegam ao rio. E daí para o mar. E tome lixe em canais e rios.  Em abril deste ano, o Prefeito João Campos (PSB) informou que 20 por cento do lixo coletado no Recife é proveniente dos canais. Então, dá para se ter ideia da carga  de detritos que o rio recebe. Até porque não há ecobarreiras nos canais que impeçam a passagem do lixo.  E, infelizmente, este é atirado o tempo todo na água até do próprio rio. O resultado é o que se vê nas fotos.

O órgão encarregado da limpeza do Capibaribe é o mesmo que limpa as ruas da cidade, a Emlurb. O #OxeRecife solicitou ao órgão público um balanço do que foi recolhido em 2020 e o que já foi coletado em 2021, só para que o leitor tivesse uma ideia do que foi retirado do Capibaribe. Pelo menos por um órgão oficial. Mas a assessoria de imprensa não forneceu os números. Limitou-se a dizer que “ todos os meses, a Emlurb realiza a limpeza dos manguezais que margeiam o Capibaribe”. Informou os locais das intervenções: Rua da Aurora, Cais da Alfândega, Cais José Estelita, Cais da Jaqueira e Poço da Panela. Ou seja, nada que a população não saiba. O #OxeRecife insistiu nos números. Mas a assessoria disse, referindo-se às informações: “Só temos essas”. Haja inércia! Ou desinformação, não sei.

É incrível que a população não tenha direito de saber o total de lixo coletado nas águas do Rio Capibaribe que passam no Recife. Pelo menos para ter conhecimento que algum esforço de limpeza está sendo feito na cidade.  E uma boa forma de se avaliar o serviço é mostrar números. Mas cadê? Qual mistério há em saber isso? Sinceramente….  Segundo informa essa mesma assessoria, há um “ecobarco”, que atua “em trechos navegáveis do município, incluindo as ilhas do centro do Recife, a Zona Norte até a BR 101 e a Bacia do Pina”. No entanto, segundo alguns estudiosos, a ação do barco é inócua, se não for precedida por esforço de conscientização para as populações ribeirinhas. “Embora recolha o lixo, a eficiência do ecobarco é duvidosa,  se não houver um trabalho pesado de educação ambiental”, afirma Alexandre Ramos, membro do Comitê da Bacia Hidrográfica do Capibaribe.

“Uma vez eu acompanhava o trabalho do ecobarco no Pina, e vi a reação equivocada de alguns moradores. Eles diziam: vamos jogar o lixo no rio que o barco vai passar para limpar”, conta Ramos. Ou seja, o que se vê no rio é um comportamento semelhante ao adotado por ambulantes na areia da praia de Boa Viagem, que reagem mais ou menos da mesma forma, quando os banhistas reclamam que eles estão acumulando o lixo na areia. Eu já virei a chata da beira da praia. Reclamo sempre. Mas a resposta é sempre a mesma. “O gari da Emlurb vai passar para limpar”.  Quando a tarde começa, a praia já está cheia de montanhas de lixo, principalmente junto ao paredão que separa a areia do calçadão. E o tempo que os garis poderiam ganhar em recolher o que fica nas lixeiras, gastam juntando as montanhas de detritos que, com certeza, afugentam turistas. Se houvesse fiscalização e multa, com certeza, a sujeira aí seria menor.

Ou seja,  a educação ambiental está realmente precisando de reforço. Seja nas margens dos rios, nas praias, nas ruas. A foto do jacaré cercado de lixo é de Antônio Gomes Neto, amigo aqui do #OxeRecife e que sempre envia fotos poéticas ou tristes do nosso “Cão sem plumas”, que até o início do século passado tinha as margens ocupadas por casas de veraneio de famílias abastadas da cidade. A água era tão cristalina, que os banhos de rio – até noturnos nos meses de calor – eram a diversão da época. Posteriormente, o #OxeRecife vai voltar à questão do nosso querido Capibaribe, abordando o problema do saneamento.

Leia também
Lixo oficial permanece às margens do Rio Capibaribe, no bairro da Torre
Poluição excessiva no Capibaribe é investigada e pode gerar multa
Cadê  o Parque Capibaribe? O Rio merece respeito
Lixo oficial à margem do Capibaribe, cidade entregue e prefeito impopular 
Metralhas à margem do Capibaribe foram colocadas pela Prefeitura. Pode?
Águas pluviais e esgoto doméstico: Quando tudo se mistura sob o chão
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade era cem por cento saneada
Sessão Recife Nostalgia: Os banhos noturnos de rio no Poço da Panela
Recife, saneamento, atraso e tigreiros
Mais 19 anos sem saneamento. Pode?
Dejetos infectos no meio do caminho
Dejetos infectos em Casa Forte
Boa Viagem tem esgoto na areia
Língua negra em Boa Viagem
Esgoto incomoda no Espinheiro
Ecobarreira: Mustardinha vai a São Paulo e Paraguai
Capibaribe: lixo é rua sem saída
Dia da Água: nossos rios poluídos
Riacho Parnamirim ainda tem jeito
Era um riacho, mas leito espesso parece asfalto
Um Brasil de rios sujos
Ex-rios, canais viram esgotos e lixões
Açude de Apipucos virou um lixão
Pouco resta do lindo Chalé do Prata

Quanto mais tira mais lixo aparece

Dinheiro público vira ferrugem em PE
O leito de vidro do Rio Capibaribe
Emlurb limpa rio e tartaruga luta para sobreviver
Recife, saneamento, atraso e tigreiros só em 
Você está feliz com o Recife? 
Nossos rios poluídos em discussão
Recife, mangue e aldeões guarás
O “rio” de João Cabral  na Passa Disco

Jacaré no asfalto está ficando comum
Entre o rio, a vacina e o jacaré
“Jacaré na rua não é fato inusitado”
Jacarés urbanos liberados na Mata Sul
Fauna urbana: Dona Noêmia e o jacaré “amigo” do Açude de Apipucos
Fauna silvestre cada vez mais urbana
A peleja de Princesa com o jacaré
Chuvas: Jacarés ganham as ruas do Recife mas Cprh os devolve à natureza
Jacarés liberados em Dois Irmãos
Chuvas levam jacarés às ruas
Resgate de jacaré desorientado no mar
Jacarés urbanos voltam à natureza
Em meio à pandemia, capivaras voltam à natureza. E outros animais também

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Antônio Gomes Neto / Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.