Não deixe suas tralhas nas ruas. Veja onde descartá-las

É muito triste a gente caminhar, seguindo as margens do Capibaribe e se defrontar com cenas como essaa da foto. Infelizmente o pernambucano e o recifense em particular, não mostra bons hábitos, quando a questão é o descarte de lixo. O sofá e as metralhas foram jogados na Rua João Santos Filho,  no bairro do Parnamirim. Bem frente a um condomínio de luxo, de onde já vi pessoas saindo e descartando lixo onde não deve, ao lado do rio.

Não é preciso fazer isso. Desde 2013, que funcionam Ecoestações na nossa cidade, onde pode haver o descarte de objetos maiores como sofás, camas e demais eletrodomésticos. Atualmente há 10 Ecoestações instaladas no Recife, que estão nos bairros do Ibura, Imbiribeira, Campo Grande, Totó, Cohab, Torrões, Torre, Arruda, Pina (Via Mangue) e Iputinga. Além dos recicláveis, as Ecoestações recebem outros tipos de resíduos, como móveis velhos, restos de pequenas obras residenciais e outros materiais, evitando que os entulhos sejam descartados irregularmente em vias públicas ou nos canais. Ou seja, há lugar para se recolher esse tipo de descarte.

No Parnamirim, margem do Rio Capibaribe virou depósito de lixo: montes de móveis e metralhas.

E com certeza, a melhor opção não é deixar as tralhas no meio da rua, como é comum em nossa cidade. Há países, como o Japão, onde a comunidade só pode colocar o lixo na calçada na hora da coleta. E com tudo separado. Se o morador não tiver feito isso, ele terá que recolher o próprio lixo e levar a uma das unidades de processamento. Aqui, se joga no rio, nas margens, nas ruas, nas calçadas,nas praças. Entulho é o que não falta na nossa cidade. Infelizmente.

O  problema é que tem gente que quer descartar corretamente  móveis e outros utensílios domésticos e não sabe como fazer. De vez em quando chegam aqui no #OxeRecife demandas sobre o assunto.  “Gostaria de saber como funciona o recolhimento de móveis usados. Estou com uma cama velha estilo box e não sei como fazer o descarta”, afirma a leitora Larissa Nascimento, que reside na Várzea, à Rua Visconde Correia Botelho. “Ligo para o 156 e fala que o telefone não existe”, diz ela, referindo-se ao telefone de atendimento da Emlurb.  Há um outro, de atendimento (33551024), porém para solicitar coleta de materiais recicláveis. Antes a Emlurb tinha um serviço de coleta especializado para materiais maiores, como  o móvel de Larissa. Mas segundo a assessoria de imprensa do órgão, foi uma ação pontual que não existe mais. Então, em caso de descarte de objetos grandes, o jeito é ter que ir a uma das ecoestações. Ou doar a quem esteja precisando.

Leia também
Ecoponto é o retrato da qualidade da coleta seletiva de lixo no Recife
Mais um  ecoponto sujo
Que diabo de ecoponto é este?
Coleta seletiva de lixo já voltou no Recife
Descarte correto de lixo tem manual
Lixo nas Graças: entre a falta de cidadania e a omissão das autoridades
Lixo nas Graças: ninguém faz nada
A  Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Lixo plástico vira cinema nas escolas
Canudos  achados nas praias viram óculos
Do lixo ao luxo, no Baile dos Artistas
O lixo que virou lixeira
Pet vira barreira para reter lixo em canal
O depósito de lixo da Emlurb
Ex-rios, canais viram esgotos e lixões
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pelo carnaval em Olinda
No volante e jogando lixo na rodovia
Apipucos sucumbe ao lixo
O Recife e os porcos urbanos
O porco bicho e o humano porco
“Jardim do Éden” no Alto do Mandu
Lixo retirado dos canais é 20 por cento do total coletado no Recife
Canais que um dia foram rios e riachos se transformam em esgotos e lixões
Era um riacho, mas leito espesso parece asfalto
Ex-rios, canais viram esgotos e lixões
Lixo: Dia de “pescaria” no Capibaribe
Poluição excessiva no Capibaribe é investigada e pode gerar multa alta
“Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia”

Serviço:
Veja, entre as ecoestações disponíveis no Recife, a que fica mais perto de você:
Ibura – Rua Rio Tapado, Ibura de baixo, perto da BR-101
Imbiribeira – Avenida Mascarenha de Morais, sentido subúrbio cidade, próximo ao Viaduto Tancredo Neves
Campo Grande –  Avenida Agamenon Magalhães com a Rua Odorico Mendes
Totó – Esquina da Rua Onze de Agosto com a Rua Nelson de Sena (S/n)
Torrões – Rua Maestro Jones Johnson
Arruda –  Rua Farias Neves, 954/1002
Pina – Via Mangue
Iputinga e Torre – Rua Ciclovia República da Argélia, 10
Cohab – Rua Rio Largo com a Avenida Santos, Ibura, próximo à Escola Municipal Cristiano Cordeiro

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.