Pronto projeto para recuperação do Parque das Esculturas no Marco Zero

“O Parque de Esculturas Francisco Brennand é um dos principais atrativos turísticos da cidade, de valor inestimável para o recifense”. Até parece. A frase, retirada de um comunicado oficial da Prefeitura dá a impressão que, aquele que é um dos locais mais procurados por turistas no Centro do Recife, está um  primor de conservação. Não está.  O Parque pode ter valor inestimável para o recifense. Mas, pelo que se observa, não tinha nenhum para a gestão municipal passada, comandada pelo então Prefeito Geraldo Júlio (PSB).

Todos nós sabemos que foi no seu  mandato que  Parque foi pilhado à exaustão.  E que dele desapareceram – silenciosamente – 64 das 79 peças criadas por Francisco Brennand (1927-2019). E que foram gentilmente doadas à cidade pelo artista, tendo se transformado em uma das principais atrações do Bairro do Recife, ali, em frente ao Marco Zero. O sistemático sumiço das obras de arte aconteceu ao longo dos últimos três anos da gestão passada.  E foi denunciado com exclusividade aqui no #OxeRecife, no final de 2020.  Depois, o descaso ganhou dimensão nacional. Entre as peças que desapareceram encontra-se, como vocês lembram,  a escultura da serpente, que pesava uma tonelada e possuía mais de 20 metros de comprimento. Essa aí abaixo. Pensem… uma escultura deste tamanho ser roubada…. Só no Recife mesmo….

Gigantesca, esta escultura de Francisco Brennand foi roubada e transformada em sucata para venda em ferro velho.

Mas de acordo com o Prefeito João Campos (PSB), a situação não vai permanecer assim. “A preservação do Parque de Esculturas é uma das prioridades da gestão municipal, que encomendou um projeto de recuperação de todas as obras ao artista plástico Jobson Figueiredo, também idealizador do Parque”.  De acordo ainda com a PCR, o projeto está pronto, e aguardando validação do Instituto Francisco Brennand para ser iniciado.  Aleluia! Os investimentos serão feitos a partir de emendas parlamentares que somam R$ 5 milhões. Ou seja, muito dinheiro. E que poderia ter sido poupado se a gestão passada fosse mais cuidadosa com o patrimônio artístico da cidade.

Após iniciada a execução do projeto, a manutenção e substituição das obras levarão em média dez meses, segundo informa a Prefeitura, que andou dando umas maquiagens no local. De acordo com o Prefeito, o projeto em andamento faz parte das melhorias propostas pela Prefeitura do Recife para fortalecer o equipamento enquanto atrativo turístico e de lazer da cidade. “Somente este ano, o Parque de Esculturas ganhou iluminação cênica e a instalação de sistema de videomonitoramento infravermelho, além de monitoramento 24h da Secretaria de Segurança Cidadã do Recife e vigilância no local. As medidas visam inibir ações criminosas e também garantir que a população usufrua deste equipamento que faz parte da cidade desde 2000”, informa a PCR.

O Parque é, também, fonte de renda para onze famílias recifenses. Os barqueiros que fazem a tradicional travessia da Praça do Marco Zero às esculturas de Brennand compõem a experiência turística e também de lazer que o Recife Antigo oferece aos visitantes e moradores da cidade. Agora, a PCR – em parceria com a Copergás e a Recria (Brasil) – está promovendo uma qualificação destes profissionais, além de melhorias dos barcos e equipamentos de segurança.  O Programa de Qualificação dos Barqueiros do Marco Zero teve início essa semana e segue até o final de julho.

As capacitações serão em Qualidade no Atendimento, Sustentabilidade e Turismo Criativo e Inovação em roteiros. Os módulos vêm sendo trabalhados em cinco encontros espaçados que tiveram início na última segunda-feira (07) e seguem até 19 de julho, na Associação Comercial de Pernambuco, no Recife Antigo. Os barqueiros irão receber também equipamentos de segurança (colete), camisa UV, boné e ainda reparos e pintura em seus barcos. A articulação tem como objetivo valorizar o serviço destes profissionais que também representam a cadeia produtiva do turismo na cidade.

Leia também
Torre de Cristal sai do breu, mas peças ainda estão sem reposição
Que breu é esse na Torre de Cristal?
Torre de Cristal não pode apagar: Trevas onde devia haver luzes
Depois de pilhado à exaustão, Parque das Esculturas terá segurança 24 horas
O drama do Parque de Esculturas: Proteger o patrimônio não é caro
Instituto Oficina Francisco Brennand: O Recife não merece tamanho desrespeito
Parque das Esculturas pilhado. Cadê a serpente que estava aqui?
Parque das Esculturas e indignação: “Esse post é um pedido de socorro”
Marginais roubam tudo, de escultura de uma tonelada a trator. Punição…
Arte monumental & natureza generosa
Outra obra de Francisco Brennand sofre degradação no Centro. Veja qual é
A voz do eleitor: Que prefeito respeite mais o Recife e o recifense
Mural sobre Restauração Pernambucana precisa de reparos
Estátua de Ariano no chão
Uma “pérola” na comunidade do Pilar
Fórum Arte Cidade movimenta o Recife
Monumento ao maracatu pilhado
Os remendos nas pedras portuguesas
Vandalismo dá prejuízo de R$ 2 milhões
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
Cine Glória: Art-Noveau e decadência
Cine Glória agora é Lin-Lin
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror: Pátio de São Pedro fica sem lampiões até depois de julho
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Ponte da Boa Vista pede socorro
Ponte da Boa Vista: efetuada reposição mas faltam reparos
Bonde vira peça de museu e trilhos somem do Recife sem memória
Recife da paisagem mutilada
Secular Magitot vira ruína na Várzea
A cidade que precisamos
Hamburgo e Recife: semelhanças

Aos 483, o Recife é lindo? Veja fotos
Com Hans, entre o barroco e o rococó
De olho nas luminárias da Bom Jesus

Art Déco: Miami ou Recife?
Passeio do estilo colonial ao moderno bossanovista
Vamos salvar o centro do Recife
Caminhadas Domingueiras: Mergulho no estilo neocolonial no Recife

Você está feliz com o Recife?
O índice de felicidade urbana do Recife
Viva 2018, Recife
O Recife que queremos, em 2019
Recife, cidade parque em 2037
Recife se prepara para os 500 anos
Uma cidade boa para todo mundo
Recife, mangue e aldeões guaiás
Livro mostra mania pernambucana de grandeza: “O mundo começava no Recife”
Livro mostra jardins históricos do Recife
Estátua de Ariano no chão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos : PCR e La Ursa Tours (Acervo #OxeRecife)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.