“Trilhas da Democracia” discute Autoritarismo no Brasil e Censura na Ufpe

Mais do que oportuno, nesses tempos de falta de respeito a quem trabalha com seriedade nos meios de comunicação.  São muitas as tentativas de cercear o trabalho da imprensa, até mesmo com agressões físicas. Na ditadura implantada em 1964, havia muita censura nos jornais, rádio e televisão.  Ou seja, tudo que parece desejar o Presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores, que vivem tentando impor descrédito à imprensa nas redes sociais assim como às instituições democráticas.

Durante o regime militar, a imprensa era obrigada a divulgar versões oficiais de assassinatos de inimigos do regime nas masmorras da repressão.  Havia, também, nomes que eram proscritos, como o do Arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara (1909 -1999). Ninguém podia, sequer, fazer referência a ele. E as informações da Igreja Católica em Pernambuco só podiam ser repassadas aos jornalistas pelo então Arcebispo Auxiliar, Dom Lamartine Soares. Mesmo assim, a Arquidiocese mobilizava sua Comissão de Justiça e Paz, para denunciar os atentados aos direitos humanos que, naquela época eram comuns, não poupando nem mesmo sacerdotes.

Quem não lembra do Padre Henrique Pereira Neto, que foi torturado e assassinado, quando era auxiliar de Dom Hélder, em 1969? Quem pode esquecer da casa do Dom, sendo metralhada, em 1968 por apoiadores do regime militar? Tudo para intimidar, para que eles não denunciassem a situação, os atentados, a falta completa do estado de direito, em um momento em que a imprensa era amordaçada? Para discutir essas situações e advertir a sociedade para que se mobilize para que fatos como aqueles não se repitam, o Programa Trilhas da Democracia promove a Jornada On-line, que discute censura e autoritarismo no nosso  país e também na Universidade.  A jornada é iniciativa do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Pernambuco.

Nessa quarta, o tema discutido foi “Censura e autoritarismo no Brasil ontem e hoje”. Mas amanhã (10/6), a partir das 9h, o assunto abordado será mais local, embora contextualizado na situação nacional:  “Perseguição e resistência democrática: O caso da Ufpe de 1964 aos dias atuais”. Como vocês sabem, recentemente houve um polêmico caso de censura interna na Ufpe, que terminou com o professor Marco Mondaini entregando o cargo de Diretor do Núcleo de TV e Rádio Universitários da UFpe , conforme vocês podem conferir nos links abaixo.

Mondaini é quem conduz os debates, também, no Trilhas  da Democracia.  Para o debate da quinta-feira, estão convidados: Edival Nunes da Silva (Cajá), Messias Soares, Marcília Gama e Thiago Soares.  Cajá era estudante da Ufpe, quando foi sequestrado e torturado pela ditadura. Messias é ex-estudante da Ufpe e participou da ocupação  na Ufpe em 2016; Marcília é historiadora e professora da Ufrpe. Já Thiago foi professor do Departamento de História da Ufpe.

Leia também:
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Violência policial derruba Secretário de Defesa Social e comandante da PM
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Violência policial é elogiada por coronel da PM. Vítima protesta
Pernambuco é hoje o grande vexame político nacional
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil

A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Ilustrações: Divulgação / Trilhas da Democracia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.