Vai sair Auxílio Emergencial do Ciclo Junino

Está certo. Com a pandemia, tem muita gente no meio artístico que está sobrevivendo às custas de doações e até mesmo de cestas básicas. Artistas vivem de shows. Mas amargam as consequências dos palcos vazios, devido à pandemia. Em 2020, participaram do carnaval, mas logo depois o coronavírus espalhou-se. Não houve São João, nem festejos natalinos. Em 2021, nem carnaval, nem comemorações juninas.  E aí… ficou difícil. Por esse motivo, o governador Paulo Câmara (PSB) assinou, na manhã desta sexta-feira (28.05), projeto de lei que concede apoio financeiro para artistas e grupos culturais da tradição junina de todo o Estado.

A iniciativa cria o Auxílio Emergencial do Ciclo Junino de Pernambuco, seguindo o mesmo modelo do benefício concedido à classe cultural no Carnaval deste ano. Por conta da pandemia da Covid-19, essas categorias profissionais estão impedidas de promover atividades há mais de um ano. Como se sabe, as quadrilhas se sofisticaram e contam com profissionais como cenógrafos, figurinistas, coreógrafos.  Têm até enredo, como ocorre com desfile de escolas de samba. Todo mundo está parado, e nem cachês há para os grupos.  O projeto será enviado para análise na Assembleia Legislativa, e  deve destinar recursos de R$ 3,2 milhões. Uma vez aprovado, o edital será lançado com divulgação das regras.

Incluído entre as duas maiores festas populares de Pernambuco,  o São João não terá arrasta-pé, nem quadrilhas.

E deve beneficiar mais de 400 artistas e grupos culturais que foram contratados pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e/ou pela Empresa Pernambucana de Turismo (Empetur) nos ciclos juninos dos anos de 2018 e 2019. O  governador calcula que  serão contempladas mais de cinco mil pessoas.  De acordo com o socialista, os pagamentos deverão ser efetuados no final do mês de julho. O  valor do Auxílio Emergencial Ciclo Junino de Pernambuco corresponderá a 60% do último cachê recebido pelo artista ou grupo cultural, por meio de contratação com a Fundarpe ou Empetur nos ciclos juninos.

Os valores definidos terão um piso de R$ 3 mil e um teto de R$ 15 mil, pagos em parcela única, o que é uma boa. Até porque em tempos normais, os artistas penam para receber os cachês dessas festas, muitas vezes meses depois. A execução dos pagamentos ficará a cargo da Fundarpe. Entre as atrações artísticas contratadas pela Fundarpe e/ou Empetur nos ciclos juninos de 2018 e 2019 estão: quadrilhas juninas, cirandas, grupos de coco, xaxado, bacamarteiros, bois, trios de forró-pé-de-serra, bandas de forró e artistas solo. A medida é certa, pois há grupos – como as quadrilhas – que se preparam o ano inteiro para as festas juninas, quando recebem cachês por participação nos festejos da época. Em 2020, houve algumas comemorações, mas com público limitado e transmissão virtual. E a Forrovioca circulou levando às ruas do som do forró. Mas sem arrasta pé.

Provavelmente, durante o período junino Pernambuco ainda estará sob medidas restritivas, talvez mais ou menos rigorosas do que as que vigoram até o dia 6 de junho. Tudo depende do comportamento da pandemia. Nessa sexta, foram notificados 736 novos casos da Covid-19, totalizando em 473.326 o número de pessoas que já foram infectadas pela doença no estado.  Também foram confirmados 62 óbitos, somando-se 15.657 o total de vidas perdidas para a infecção. É muita gente.

Leia também:
Pandemia deve deixar Pernambuco sem São João nem Festival de Inverno
O São João ambulante da pandemia
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só com o andor
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.