Entre a rua, a vacina e o “jacaré”

Ultimamente motivo de piada depois que o Presidente da República afirmou que não tomaria vacina contra a Covid-19 para “não virar jacaré”, o “animal” passou a aparecer até nas redes sociais. São muitas as postagens ironizando a frase inoportuna, sem cabimento e equivocada de Jair Bolsonaro. Com a declaração, ele prestou um desserviço à população, entre as centenas de outros que o governo cometeu na condução da pandemia no país. Teve até gente que foi tomar a dose da vacina fantasiado de jacaré.  Outros, gravaram o momento da imunização e postaram as imagens com um recado: “Nem virei jacaré”. E há, também, aqueles que a utilizam a máscara do jacaré como forma de protesto contra a fala do homem, como é o caso da fisioterapeuta Paula Hirakawa, @hirakawastudiopilates (foto abaixo).

Mas no Recife, jacaré é coisa comum. E não é piada. É que esse tipo de animal está cada vez mais mais urbano e aparece com frequência nas ruas da cidade. Se ele dá sempre as caras no asfalto,  fica ainda mais fácil encontrar esse bicho, durante a temporada de chuvas e inundações. Como se sabe, muitos bairros do Recife foram construídos em aterros sobre os manguezais. E o jacaré está mais é procurando o espaço dele. Na manhã de hoje, um jacaré também chamou a atenção de moradores de  Olinda. Ele apareceu na Rua  Elídio Cavalcante Macedo, no bairro de Aguazinha que, como o nome sugere, teve muitas vias ocupadas pelas águas ontem e hoje, devido ao excesso de chuvas… ..

O jacaré foi entregue ao Centro de Triagem de Animais Silvestres da Agência Estadual de Meio Ambiente (Cprh),  nessa sexta-feira.   O animal foi capturado pela   Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma). Embora bastante estressado,  não apresentava ferimentos.  Ele tinha razão para estar estressado. Populares, sem saber lidar com o animal, chegaram a catucá-lo com uma vara e até tentaram amarrar o jacaré lançando-o com uma corda. Na Cprh, o bicho recebeu um chip de identificação.

“O chip nos dará condições de identificar se o animal, após ser solto na natureza, for encontrado em outra localidade”, explica o gestor do Cetas, Yuri Marinho. Na próxima terça-feira,  o animal passará por análise clínica do laboratório interdisciplinar de Anfíbios e Répteis (Liar), da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Não há previsão da soltura do jacaré, mas no Cetas será preparado para o retorno à natureza. O gestor do Cetas informa que para a captura de jacarés, a população deve ligar  para o 190 ou para a brigada ambiental do município, onde  o fato ocorrer. “”Tentar capturar o animal sem os cuidados devidos ou equipamento correto é perigoso”, alerta. Sim, porque o jacaré não come gente. Mas pode atacar, quando se sente acuado.

Leia também
Jacaré no asfalto está ficando comum
“Jacaré na rua não é fato inusitado”
Jacarés urbanos liberados na Mata Sul
Fauna urbana: Dona Noêmia e o jacaré “amigo” do Açude de Apipucos
Fauna silvestre cada vez mais urbana
A peleja de Princesa com o jacaré
Chuvas: Jacarés ganham as ruas do Recife mas Cprh os devolve à natureza
Jacarés liberados em Dois Irmãos
Chuvas levam jacarés às ruas
Resgate de jacaré desorientado no mar
Jacarés urbanos voltam à natureza
Em meio à pandemia, capivaras voltam à natureza. E outros animais também
Pandemia e natureza: Animais ocupam áreas urbanas vazias

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.