Memória e censura: Quando a palavra “camponês” era proibida nas redações

Quando eu era criança, ouvia meu pai (Osman Lins) dizer que o Líder das Ligas Camponesas, Francisco Julião (1915-1999), era um “gênio”. Isso por ter conseguido mobilizar trabalhadores rurais da região canavieira que viviam silenciosa e secularmente sob regime de trabalho que lembrava os tempos da escravidão. Eram miseráveis e maltrapilhos, tinham que se submeter a humilhações desferidas por feitores e até enfrentavam as milícias privadas dos senhores de engenho. A história mostra inclusive casos de lavradores que pagaram um preço alto (a própria vida), por exigir os seus direitos.

Mas Ligas Camponesas que eclodiram na segunda metade do século 20 foram sufocadas durante a ditadura militar. Julião foi exilado e muitas das lideranças camponesas foram presas, torturadas e até assassinadas nas masmorras do regime.  Mal sabia eu que, adulta e já tendo optado pelo jornalismo, seria proibida de usar a palavra “camponês” nos textos que produzia como repórter. Simplesmente porque o uso dessa palavra era censurado pelos militares. Ou seja, a palavra “camponês” foi proscrita, era como se não existisse no vernáculo. Felizmente, mesmo durante o regime militar, os camponeses voltaram a se organizar, dessa vez em sindicatos. E aí, juntaram força suficiente para lutar por questões tão fundamentais quanto o direito a água potável nos locais de trabalho. Chegaram a fazer  greves, apesar da legislação draconiana da época.

A censura aos jornais era a realidade do cotidiano das redações nos anos de chumbo pós 1964. Infelizmente, o problema volta a ser assunto no momento em que vivenciamos um governo que tenta impor sua mordaça, seja através da invocação da Lei de Segurança Nacional ou até mesmo de ofensas aos jornalistas que não rezam pela cartilha do “Capitão”.

Portanto, nada mais oportuno do que o programa Trilhas da Democracia, a ser transmitido no domingo (9/5), pela TV 247, às 15h, quando será discutida a censura daquela época. E os convidados para o bate-papo são o jornalista Evaldo Costa (Diretor do Arquivo Público Estadual) e Letícia Lins (titular desse #OxeRecife). Tanto ele quanto eu tivemos passagens por jornais locais ou do Sul, em época em que a censura estava presente nas nossas profissões, com recados nos quadros de avisos das redações determinando o que poderia ser publicado no dia seguinte (naquela época,a Internet ainda não existia).

A TV 247 é um canal de jornalismo democrático e progressista, que conta com 665 mil inscritos no no YouTube. Já o  programaTrilhas da Democracia é comandado  pelo Professor da Universidade Federal de Pernambuco, Marco Mondaini. Curiosamente o conheci devido a um episódio  recente de auto censura na Ufpe, no mês passado. Coerente com os seus princípios – “com censura não há diálogo” – , o também historiador entregou o cargo que exercia de Diretor do Núcleo de Televisão e Rádios Universitárias da Ufpe, após ver um vídeo educativo sobre prevenção à Covid-19 sofrer censura, só porque tinha o nome do Presidente Jair Bolsonaro, fato que você pode conferir nos links abaixo.

O Trilhas da Democracia será exibido às 15h do domingo pela TV 247. Também será exibido às 19h do mesmo dia na TV Pernambuco. E às 21h30m, na TVT. Infelizmente o tempo é curto, e nem sempre dá para contar tudo, como episódios que vivenciei como repórter junto ao Coronel Darcy Villocq (1919-2012), que torturou o líder comunista Gregório Bezerra em praça pública e ao então Serviço Nacional de Informações (SNI), quando o Coronel Nilton de Albuquerque Cerqueira assumiu a autoria pela morte do Capitão Carlos Lamarca (1937-1971), uma das figuras mais caçadas pelo regime militar e então tido como líder da luta armada contra a ditadura.

Veja, abaixo, a chamada do Trilhas da Democracia de domingo:

Leia também
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil

A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Serviço:
O quê:  Memórias da Censura em Pernambuco
Com quem: Marco Mondaini (historiador e professor da Ufpe), Letícia Lins (repórter e atualmente titular do #OxeRecife) e Evaldo Costa (Diretor do Arquivo Público Estadual)
Quando: Domingo, 9 de maio, no Programa Trilhas da Democracia
Onde e horários: TV 247 (15h), TV Pernambuco (19h) e TVT (21h30m)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cepe (Acervo #OxeRecife) e Trilhas da Democracia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.