Sessão Recife Nostalgia: Rua da Aurora, Sorveteria Gemba e Cine São Luiz

No Grupo Bora Preservar –  que explora o Recife a pé, porém com enfoque na memória da cidade e nos seus monumentos históricos – diariamente tem sempre alguém postando fotos, fatos, textos, lembranças da cidade. Um dos mais assíduos “escribas” é o professor Emanoel Correia que, dia desses, fez um relato sobre aquilo que era uma novidade no primeiro meado do século passado. “Talvez você não saiba, mas nos anos 1940, houve uma febre de sorveterias no Recife”, conta Correia. E cita algumas delas: Dudi (Parque Treze de Maio), Botijinha (Rua Matias de Albuquerque), Pérola (na Praça Joaquim Nabuco). E claro, como não poderia deixar de ser, lembrou a Sorveteria Gemba.

Correia recorda que a Gemba pertencia ao japonês Heiji Gemba, nascido em Okayama, e que chegou ao Recife em 1927, quando tinha apenas oito anos. Adulto, “abriu uma sorveteria na Praça Joaquim Nabuco (167, onde hoje há uma livraria chamada Luz e Vida)”. E completa: “Mas sofreu perseguição na Segunda Guerra Mundial, e teve seu estabelecimento depredado vindo a fechar as portas”, conta. Depois, em 1950, ele reabriu a sorveteria na Rua da Aurora, 31, perto do Cinema São Luiz”. Talvez de todas as sorveterias, nenhuma marque tanta presença nas memórias afetivas dos recifenses setentões, oitentões e noventões quanto a  Gemba da Rua da Aurora (foto acima)..

“Eu ia sempre à Sorveteria Gemba, onde tomava sorvete duplo de chocolate e mangaba, acompanhado dos inesquecíveis biscoitinhos Waffles”, afirma Margarida Cantarelli, Presidente do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico de Pernambuco. “Meu pai, Júlio Oliveira, tinha um laboratório de análises clínicas na Rua da Aurora, no trecho entre a Rua da Imperatriz e o Cinema São Luiz, na Boa Vista”.  Ir ao centro com a família, tinha para ela um sabor especial, que era “o sorvete maravilhoso” da Gemba. O hábito era tão forte, que as  duas famílias ficaram amigas. Margarida conhecia até as filhas do japonês. “Na guerra, ele foi muito perseguido, mas o que mais o atingiu foi uma inspeção posterior da Receita Estadual na sua sorveteria”, lembra Margarida.

“Ele era um homem muito direito, e ficou muito triste por terem colocado seu negócio sob suspeita”, conta. “E meu pai achava que foi daí que ele desenvolveu uma depressão e terminou se suicidando”. Posteriormente, os seus familiares instalaram um box para venda de ovos no Mercado da Encruzilhada, onde a família de Margarida passou a fazer compras. Outro que teve relações estreitas com a Gemba é o publicitário e escritor Joca Souza Leão. “Para os meninos da Rua Nicarágua, ele era o chinês da sorveteria”, diz, referindo-se à rua do Espinheiro onde passou a infância. “Gemba era amigo do meu vizinho, Antônio Figueira”, conta Joca. “Penso que a casa de Figueira era  a única do Recife que tinha um freezer, e cheio de sorvetes da Gemba”, diverte-se Joca.  “Isso nos anos 50”. Ele conta, ainda, que durante a perseguição que Gemba sofreu na época da  Segunda Guerra, Figueira o escondeu em Garanhuns, em propriedade da família.

“Sim, recordo da Gemba, após as sessões do Cinema São Luiz. Minha mãe tomava sempre sorvete de mangaba, mas  eu não gostava porque ficava com os lábios colando um no outro”, lembra a jornalista Conceição Campos, referindo-se a um dos mais icônicos cinemas do Brasil, e o mais querido dos pernambucanos, que fica na Rua da Aurora. A mesma da Gemba.

Ela lembra que preferia o  sorvete de chocolate e, claro, o fino biscoitinho, que era famoso no Recife. Eu era criança, mas tenho muito firme na memória a imagem da Sorveteria Gemba. Era o destino mais aguardado aos finais das sessões domingueiras do São Luiz, onde assistíamos saudáveis filmes de desenho animado como Tom e Jerry, ou os clássicos de Charles Chaplin, que a gente chamava de Carlitos. Ou as comédias com as trapalhadas de  O Gordo e o Magro, que ninguém nem mais fala deles.  Lembro das taças de inox em que os sorvetes eram servidos e do biscoitinho maravilhoso, que eu devorava com sorvetes de abacate e ameixa.  Também recordo que quando meus pais iam ao cinema, no centro, em sempre fazia o mesmo pedido: “Tragam biscoitos do Gemba“, pois eu trocava o “A” da sorveteria pelo “O” do japonês famoso.

Leia também:
Sessão Recife Nostalgia: Antônio Gomes Neto revive passado de Apipucos
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Cabloco, no bairro de São José
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Caboclo
Sessão Recife Nostalgia: Brincadeiras de rua que estão desaparecendo
Sessão Recife Nostalgia: Casa Navio, papa-fila,Sorvete D’Aqui
Sessão Recife Nostalgia: Escolinha de Arte do Recife na Rua do Cupim
Sessão Recife Nostalgia: Demolido um dos marcos da arquitetura moderna
Sessão Recife Nostalgia: Carregadores de piano
Sessão Recife Nostalgia: Nos tempos de O Veleiro, na praia de Boa Viagem
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Agenda cultural era impressa
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade quase vira Beirute
Sessão Recife Nostalgia: Os quintais de nossa infância
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Buarque Macedo e a sombra magra do destino
Sessão Recife Nostalgia: Teatro Santa Isabel e a luta abolicionista
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade era cem por cento saneada
Sessão Recife Nostalgia: Herculano Bandeira e os jagunços do Palácio
Sessão Recife Nostalgia: pastoril, Villa Lobos, e piano na Casa do Sítio Donino
Sessão Recife Nostalgia: Beco do Veado e outros becos
Sessão Recife Nostalgia: Solar da Jaqueira
Sessão Recife Nostalgia: a Viana Leal
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19, na cidade que imitava Paris
Sessão Recife Nostalgia: os banhos noturnos de rio no Poço da Panela
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Praça do Derby era um hipódromo
Sessão Recife Nostalgia: O parque Amorim e a lenda do Papafigo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife e de Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Donino e seu antigo casarão ameaçado
Casarão histórico do Sítio do Caldeireiro será preservado

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos de época: Pesquisa de Emanoel Correia na Internet / Grupo Bora Preservar

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.