Sofrimento na espera do ônibus

Como se não bastassem o risco de se contaminar com a Covid-19 em ônibus superlotados que circulam na Região Metropolitana, os usuários do sistema de transportes do Recife ainda se defrontam com a falta de conforto  nos abrigos espalhados na cidade.

Falta limpeza, conforto,  assentos e acessibilidade. Sejam eles nos bairros – populares ou sofisticados – e até mesmo naqueles que ficam praticamente no centro da cidade. Sempre chegam aqui no #OxeRecife denúncias dando conta de que ficam na chuva ou no sol, que esperam em pé a chegada dos coletivos e acusam excesso de sujeito. A denúncia mais recente chegou da leitora Sofia de Paula Lopes, que reside no bairro do Derby.

Leitores reclamam da falta da manutenção dos abrigos de ônibus e também da ausência de assentos.

Ela é uma moradora atenta às coisas da cidade, tanto no que diz  respeito à degola das árvores quanto a problemas urbanos como condições das calçadas, dos parques, da orla. “Veja a situação deplorável do abrigo de ônibus na Praça do Derby”, diz, chamando a atenção. Como costumo caminhar muito pelas ruas do Recife, acho que ela tem toda razão.

Há abrigos de ônibus, aos quais cadeirantes e pessoas com deficiência nem conseguem ter acesso, devido à falta de conservação das calçadas. Um exemplo: Na Avenida Dezessete de Agosto, próximo ao terreno da antiga Casa de Saúde São José, a calçada oferece risco aos pedestres e completafalta de acessibilidade.  Até o meio fio está com pedras soltas e com pontas pontiagudas para cima. Se a pessoa cair, já viu. Depois do coice, a queda. Entra gestão e sai gestão e fica tudo do mesmo jeito.  A mesma situação que pode ser constatada em vias de grande movimentação, como as Avenida Rosa e Silva, Caxangá e Recife.

Leia também:
A voz do eleitor: “Espero competência, dignidade e honestidade
Pobre Recife: Será que isso vai mudar?
Assim não dá:  buracos na calçada e lixo na parada de ônibus
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Cadeirante merece mais respeito
O índice de felicidade urbana do Recife
Viva 2018, Recife
O Recife que queremos, em 2019
Recife, cidade parque em 2037
Aos 483, o Recife é lindo?
Recife se prepara para os 500 anos
Uma cidade boa para todo mundo
Riscos para quem anda e pedala
Calçadas: acessibilidade zero
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Um iceberg no meu caminho. Pode?
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Calçadas nada cidadãs na Zona Norte
Novas calçadas: 134 quilômetros até 2020
Calçada larga na Rua Gervásio Pires
Convite ao tombo no Centro
Centro do Recife precisa de Mais Vida
Você está feliz com o Recife?
Calçada dá medo na gente de afundar
Acidente em calçada requer até Samu
Calçadas cidadãs da Jaqueira e Parnamirim: todas deviam ser assim
Comunidade recupera calçadas em Casa Amarela. Essas cenas vão sumir?
O drama das nossas calçadas
Quem inventou as famigeradas tampas duplas de nossas calçadas?
Já torci o pé três vezes
Quem chama isso de calçada…
Alguém chama isso de calçada?
Andando sobre o inimigo
Perigo à vista na Rua do Futuro
Futuro de usurpações urbanas
Recife: calçadas e ruas assassinas
Os cem buracos do meu caminho
Depois daquele tombo (3)
Mais uma calçada cidadã
Cidadania a pé: calçada não é perfeita
Charme: calçada para andar e sentar
Quem chama isso de calçada….
Calçadas melhoram na Av Norte, mas…
Oxe, cadê as calçadas da Avenida Norte?
Calçadas crateras na Avenida Norte
Av. Norte: reforma só atinge 12 por cento das calçadas
Pedras nada portuguesas
Santo Antônio sem pedras portuguesas

Texto:  Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Sofia  de Paula Lopes / Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.