Trabalho escolar sobre vacina faz sucesso em tempos de Covid-19

Coisa boa. É sempre animador dar notícias sobre a meninada que está acontecendo, ganhando prêmios, vencendo olimpíadas. Se for da escola pública, o mérito é maior ainda, pois sem sempre elas têm as mesmas condições das particulares. Pois os estudantes Pedro Renato Soares, Ana Beatriz Ferreira e Vinícius de Oliveira formam uma equipe que acaba de ser destaque na Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente – OBSMA, na categoria Projeto de Ciências, na modalidade do Ensino Fundamental da Regional Nordeste.

E o trabalho científico que apresentaram não poderia ser mais atual, em um momento em que a maior autoridade do país tenta confundir o público, chegando a dizer que quem se vacinar pode “virar jacaré”: Vejam o tema que eles escolheram: “Vacinar ou não vacinar? Os efeitos colaterais do Século XXI”.  Tão oportuno, o trabalho foi considerado o melhor da Região Nordeste na área de pesquisa científica em ciências. O objetivo foi mostrar a necessidade do envolvimento da sociedade e da comunidade escolar, em modificar o quadro do baixo número de vacinação, provocado pela proliferação das Fake News e das ações antivacinas. Tudo muito, mas muito em dia mesmo.

Parabéns também para a professora e orientadora do projeto, Ana Paula Freire. E também para o professor de História e coorientador do projeto, Henrique Nelson. E também para a Escola Municipal  Octávio Meira Lins, que fica no Vasco da Gama, bairro popular da Zona Norte do Recife. “Chegar a final para concorrer a premiação nacional, como na Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente, promovida pela Fiocruz, instituição científica de maior credibilidade e respeito no Brasil e no mundo, já foi uma grande vitória”, diz a Professora.

“Venho participando de edições anteriores e sei o que representa sermos premiados nesta Olimpíada, que recebe excelentes trabalhos de escolas, de educadores e de estudantes de todo o país”, destaca. “Isso o é reconhecimento de um trabalho sério desenvolvido na escola, que mobiliza toda a comunidade escolar em defesa da ciência e da participação efetiva desses estudantes autônomos e protagonistas”. O projeto também tem tudo a ver com a realidade dos estudantes, já que surgiu de levantamento feito pelos adolescentes, que mostrava o baixo número de vacinados no bairro do Vasco da Gama e em outros próximos.  Com o início da pandemia da Covid-19, o trabalho veio firmar, ainda mais, a necessidade de esclarecer e manter a população vacinada. “A partir da iniciativa e curiosidade dos próprios estudantes, surgiu a ideia e o tema do projeto, devido a problemática que já atingia não só nossa comunidade, como também todo o Brasil”, diz.

“Com a chegada da Pandemia do Covid-19, o trabalho teve novos olhares, pesquisas e orientações, que reforçaram a necessidade de continuidade ao projeto de pesquisa científica, dessa vez de forma remota. Precisamos combater os movimentos antivacina e anticiência, e isso também é responsabilidade da escola”, conclui. Além de concorrer ao prêmio nacional da Fiocruz, o trabalho teve êxito na Feira de Conhecimentos do Recife (Fecon 2019), onde foi selecionado para a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – USP/SP (Febrace).  Em 2020 o trabalho foi premiado também na 26ª edição da Ciência Jovem.

Sem distanciamento social e sem vacinas em quantidade suficiente, as pessoas permanecem se contaminando pelo coronavírus.  No domingo, Pernambuco registrou 1.734 novos casos da Covid-19, elevando-se para 395.563 o total oficial de pessoas infectadas pelo coronavírus no estado, desde o início da pandemia. Também foram confirmados 70 óbitos devido à doença, somando-se 13.640 o total de vidas perdidas para a doença.

Leia também:
Artur é professor nota 1000
Mirtes: Professora nota 100
Escola pública representada no Peru
Mustardinha: ecobarreira vai a São Paulo e Paraguai
Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Pet vira barreira para reter lixo em canal

Mata destruída vira trabalho escolar
Robótica: rede pública em destaque
Robótica leva estudantes à Hungria
Você tem fome de quê? De livros
Rede pública: a vez da robótica 
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres 
Pet vira barreira para reter lixo em canal
Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola

Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
A história de Daniel
A menina que salvava livros
Mata destruída vira trabalho escolar

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.