Um “passeio” pelos chalés do Recife

Eles estão rareando tanto na paisagem do Recife. Sobrevivem a muito custo, sobre pressão da especulação imobiliária, que vivem de olho nos seus grandes quintais para a construção de condomínios de luxo, em bairros como Casa Forte, Poço da Panela, Graças. Parecem náufragos, no meio de um “oceano” de concreto.  Os que resistem, no entanto, acusam um tipo de construção muito comum no início do século passado: o chalé.

Muito solicitados por famílias abastadas entre as três primeiras décadas do século 20, os chalés lembram as casas grandes das fazendas daquela época, mas se urbanizaram no Recife. Eles possuem telhado em duas águas (como um V ao contrário) e terraço frontal, que alguns chamam de alpendre. Porém há chalés que também  apresentam  terraços nas laterais. Os muros costumam ser ornados com grades, deixando à vista seus jardins. Os pisos costumavam ser de ladrilhos hidráulicos e as telhas, quase sempre eram francesas.

Em  1997, doze chalés do Recife foram classificados como imóveis de preservação especial (IEP). Lembro-me, no entanto, de belos chalés que sumiram em bairros como o das Graças, Casa Forte, Casa Amarela, Espinheiro. Normalmente eles são de estilo eclético, e uma das características comuns é o uso de lambrequins, elementos decorativos em madeira, que podem ser vistos ainda nessas construções, não só no Recife como também em Olinda, onde ainda restam exemplares desse tipo de construção tão usual entre os nossos avós. Cresci ouvindo minha avó falar com saudade da Vila Maria, uma casa onde ela morara em sua juventude, à Rua Conselheiro Nabuco, em Casa Amarela. Era um chalé tão bonito quanto os dessa foto. Tinha jardim, quintal grande, fruteiras, muro com colunas separadas por uma grade de ferro decorativa.

Antes de escrever esse texto fui rever o chalé que ouvia nas conversas de minha infância. Está bem diferente.  Do chalé, a gente só vê mesmo o telhado. Porque agora o antigo casarão se esconde atrás de um muro de mais de dois metros de altura, oque é comum nas construções modernas do Recife, que transformam as ruas da cidade em “corredores” penitenciários, como costuma destacar o urbanista Francisco Cunha. As construções em estilo chalé apareceram na Inglaterra e na França, no século 19, e no Recife, doze chalés do Recife foram classificados como imóveis de preservação especial (IEP), em 1997. Alguns deles, no entanto, estão em ruínas, como o antigo Hospital Magitot  (na Várzea) e o Chalé do Prata (no Parque Estadual de Dois Irmãos). Ambos estão quase caindo, embora sejam tidos como raros exemplares de chalé romântico com dois pavimentos. Há um outro, na Avenida Dezessete de Agosto, o do Caldeireiro, que será restaurado para ficar no meio das edificações modernas de um condomínio em construção. Em Olinda, sobrevivem chalés como os dois da galeria, aparentemente bem conservados. Alguns desses chalés, já tinha observado em passeios solitários ou com grupos como o Caminhadas Domingueiras, o MeninXs na Rua e o Olha! Recife

Veja, nos links abaixo, a situação de outros chalés ou antigos casarões do Recife

Leia também:
Licitação para restaurar Chalé do Prata será ainda em 2021
Casarão histórico do Sítio Caldeireiro será preservado
Sabe o antigo Café Lafaiette? Veja o que ficou no lugar dele
Secular Magitot em ruínas na Várzea
Demolição de marco da arquitetura moderna gera protestos no Recife
Sessão Recife Nostalgia: Demolido marco da arquitetura moderna
Na rota dos velhos casarões
Casa Forte: Casarões em risco
Casas modernistas empatando tua vista
Ameaçado, Sagrada Família pode virar IEP
Sessão Recife Nostalgia: Antônio Gomes Neto revive o passado do Recife
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Caboclo, no bairro de São José
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Caboclo
Sessão Recife Nostalgia: Casa Navio, papa-fila,Sorvete D’Aqui
Sessão Recife Nostalgia: Escolinha de Arte do Recife na Rua do Cupim
Sessão Recife Nostalgia: Demolido um dos marcos da arquitetura moderna
Sessão Recife Nostalgia: Nos tempos de O Veleiro, na praia de Boa Viagem
Sessão Recife Nostalgia: Os quintais de nossa infância
Sessão Recife Nostalgia: pastoril, Villa Lobos, e piano na Casa do Sítio Donino

Sessão Recife Nostalgia: Solar da Jaqueira
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19, na cidade que imitava Paris
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Donino e seu antigo casarão ameaçado
Casarão histórico do Sítio do Caldeireiro será preservado

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.