Atentado estético no Cais da Jaqueira

Mais um atentado estético no Recife. Entre os muitos que se praticam na cidade. Pior, por parte da gestão púbica. Realmente, falta uma tonelada de sensibilidade aos nossos gestores, que parecem teimar em tornar feio o que é bonito. Já toquei neste assunto aqui e volto a bater na mesma tecla. Em nome da economia de energia,  vários locais tradicionais e até históricos do Recife vêm perdendo suas luminárias tradicionais, que são mantidas e valorizadas em qualquer cidade do mundo. Até mesmo aquelas mais cosmopolitas e famosas da Europa e dos Estados Unidos.

Depois de retirá-las de áreas de preservação, de pontes, de praças históricas, a Prefeitura agora substitui todas aquelas que embelezavam o Cais da Jaqueira, um dos bonitos cartões postais da cidade. Deve estar fazendo a mesma bagaceira – ou deverá fazer – no Cais de José Estelita, que tem luminárias tão bonitas quanto as que havia na Jaqueira. Conversei com uma amiga que trabalha com arquitetura e urbanismo e ela disse que a adaptação poderia ser feita, sem necessidade de troca das antigas luminárias de rua. No Recife, parques (como o da Jaqueira e o da Macaxeira), praças (como a da República, a Maciel Pinheiro e a de Apipucos) e pontes estão perdendo o charme anterior, para colocação desses monstrengos de lata pintados de tinta preta, alguns dos quais nem laterais de vidro possuem,como vocês podem observar na foto.

Realmente um desrespeito à estética da cidade e uma prova da falta de amor ao Recife. Essa iniciativa, que vem descaracterizando, “padronizando”  e despersonalizando os locais mais bonitos da cidade começou na gestão anterior do então Prefeito Geraldo Júlio (PSB). E, infelizmente, prossegue na atual. A população, no entanto, está assistindo – inerte – à mesma indiferença com a cidade. Eu, hein…

As luminárias anteriores eram muito mais decorativas do que as atuais. Pode-se dizer que o cais perdeu boa parte da beleza. Tem mais: enquanto gasta-se para substituir as luminárias tradicionais pelos monstrengos, o gradeado do guarda-peito sofre com ferrugem, corrosão e há pedaços que até já desapareceram. Roubaram ou caiu de podre no mangue. Há cidades cujos gestores se esforçam para humaniza-las, urbanizá-las tornando-as mais agradáveis e atraentes. Mas no Recife… infelizmente é o contrário. No bairro do Recife, por exemplo, temos um boulevard que é indigno desse nome. No de São José, o mercado público mais antigo do Brasil está caindo aos pedaços. No de Santo Antônio, a Avenida Guararapes e ruas próximas estão tomadas de ambulantes, o canteiro central virou um terminal de BRT e as calçadas cobertas dos seus edifícios mal dão espaço para os pedestres.

Pior, tombado, lindo e abandonado, está o Pátio de São Pedro. Seu conjunto arquitetônico está para o Recife como o do Pelourinho, na Bahia. Agora… vai ver a diferença. Infelizmente no Recife é assim, pois não se dá valor ao que a cidade oferece. Ou melhor, poderia oferecer. A recente derrubada de um bocado de árvores no futuro Parque das Graças é um exemplo. Será que não tinha jeito de se construir o parque sem sacrifício do verde? Deu no que deu: muita revolta nas redes sociais. Na gestão passada, o então gestor do Recife anunciou uma ciclovia ao lado do Canal do Arruda. Mas a solução era a mais absurda: derrubar árvores seculares para concretizar a promessa. E até os ciclistas foram contra. Ambientalistas colocaram um laço vermelho de alerta em cada árvore marcada para morrer.   O que só não ocorreu nas Graças porque à derrubada foi na surdina. Quando se viu, o estrago estava ao chão.

Leia também:
Cais da Jaqueira requer manutenção
Novas luminárias de Led. Por que desfigurar nossas praças?
Praça José Vilela não é mais assim. Sofreu um atentado estético
O Recife está ficando sem elas
De olho nas luminárias da Bom Jesus
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
Vamos salvar o centro do Recife?
Joao Campos, se eu fosse você…
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror, Pátio de São Pedro
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Instituto Oficina Francisco Brennand: “O Recife não merece tamanho desrespeito”
Parque das Esculturas: “Proteger patrimônio não é caro”
Depois de pilhado à exaustão, Parque das Esculturas vai ter segurança 24 horas
Lixo oficial nas margens do Rio Capibaribe
Atentado à estética no Boulevard 
Recife se  prepara para os 500 anos
O charme da Rua do Bom Jesus
Aluga-se um belo prédio na Bom Jesus
Bom Jesus ganha moldura para selfies
Re-Use no Inciti, na Bom Jesus, 191
Pobre Recife. Será que isso vai mudar?

O Recife da paisagem mutilada
Fonte luminosa na Praça do Arsenal
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19 na cidade que imitava Paris
Art Déco: Miami ou Recife?
Aos 483, o Recife é lindo?
Uma cidade boa para todo mundo
Você está feliz com o Recife?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.