Calçada “cidadã” na Tamarineira

Como adepta do caminhar e integrante de grupos que costumam explorar a cidade a pé, o #OxeRecife traz mais uma calçada cidadã para os seus leitores. Com a superfície lisinha, sem buracos, espaço para cadeirantes e…  muito verde. Pois possui um jardim externo que é uma gracinha e que acompanha toda a extensão do muro.

Descobri, na última sexta-feira, durante uma caminhada pela Rua Gomes Coutinho, no bairro da Tamarineira, onde as calçadas de residências e outros prédios não chegam a ser um primor de segurança para o pedestre. Por esse motivo, essa se destaca. Ela pertence ao Condomínio Vila Tamarineira, formado por edifícios como o Albertina Meireles e o Rosa Meireles.

Condomínio Vila Tamarineira tem calçada verde e muros transparentes: exceção que deveria ser regra.

Além do jardim muito bem cuidado na calçada, com gramado, plantas rasteiras e decorativas, a calçada também tem árvores de pequeno porte que provavelmente não vão danificar tanto o concreto, como ocorre com espécies inadequadas que são plantadas por equívoco em áreas estreitas.  Há outro destaque. Muro transparente, de forma que quem passa na rua curte não só o verde da calçada como o do jardim do condomínio. Bem interessante.

O muro tem colunas de concreto, porém ligadas por uma placa de vidro. Esse tipo de muro – transparente, em vidro, gradeado, em combogós, etc – dá maior sensação de segurança a quem passa na rua. Aliás, deveria ser obrigatório, pois os muros de pedras com dois a três metros de altura, fazem com que os edifícios pareçam prisões. Não são muros, mas sim muralhas. E deixam as ruas semelhantes a verdadeiros “corredores penitenciários”, como faz questão de lembrar o nosso amigo, arquiteto e urbanista Francisco Cunha, Coordenador das nossas saudosas Caminhadas Domingueiras e ativista do Movimento Cidadania a Pé. Para falar a verdade, eu penso que essas muralhas quase medievais que os condomínios fazem hoje deveriam ser proibidas. Deixam a cidade muito agressiva e excludente.

Nos links abaixo, você lê outras informações sobre calçadas e o bairro da Tamarineira.

Leia também
O ato revolucionário de caminhar e os corredores penitenciários do Recife
O bairro da Tamarineira  e o “verde oásis”no meio da selva de concreto
Calçadas acessíveis no Cais do Apolo
João tenta terminar calçadas de Geraldo Júlio e diz que vai investir R$ 70 milhões
Novas calçadas: 134 km até 2020
Calçadas largas na Gervário Pires
Rara calçada cidadã em Casa Amarela
Calçadas cidadãs na Jaqueira e no Parnamirim: Todas deviam ser assim
Cidadania a pé: Calçada não é perfeita
Charme: Calçada para andar e sentar
Calçadas: Acessibilidade Zero
Acidente em calçada requer até Samu
Pedras portuguesas sem certeza
Pedras portuguesas: Onde estão?
Os remendos nas pedras portuguesas
O drama das nossas calçadas
Assim não dá: Calcada com buraco e chiqueiro na para de de ônibus
Calçadas nada cidadãs na Zona Norte
Calçadas assassinas: “É sair e cair”
Recife: Calçadas e ruas “assassinas”
Os cem buracos do meu caminho
Calçada dá medo na gente de afundar
Uma “piscina” no meio do caminho
Um “iceberg” no meu caminho. Pode?
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Cidadania a pé? Cadê? Buraco e queda
Cidadania a  pé, como?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.