UFPE divulga nota, mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia

Haja polêmica. Depois de solicitar a supressão de uma frase do Presidente Jair Bolsonaro  em um vídeo institucional produzido por seus  próprios jornalistas para destacar a importância do isolamento social diante da pandemia, a Universidade Federal de Pernambuco distribuiu nota na qual “reafirma o respeito e a proteção à liberdade de cátedra e de imprensa e à pluralidade de ideias, garantias irrenunciáveis ao estado de direito”. Em nenhum momento, no entanto, a Ufpe informa   na nota porque a frase “Bolsonaro diz que lockdown não dá certo e critica governadores”  sofreu censura. Aliás, autocensura. Não havia nenhum adjetivação no vídeo, nem contestação à política do governo federal na condução do combate à pandemia, que vem sendo chamada de “genocida” e “negacionista” por vários setores da sociedade brasileira.

A frase era apenas a reprodução de uma manchete já publicada na imprensa, assim como todas as outras constantes do clipe. Mas só aquela, que fazia referência ao Presidente, teria de ser retirada,a pedido da direção da Ufpe. A nota, segundo a Ufpe, é uma resposta “para a matéria Censura a nome de Bolsonaro em vídeo da Ufpe, publicada no domingo”, aqui no #OxeRecife. A matéria fazia referência à autocensura imposta ao vídeo, que levou o Diretor de Núcleo de TV e Rádios Universitárias, Marco Montaini a pedir   exoneração do cargo de diretor do NTVRU.  Na segunda-feira, o Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco divulgou uma nota, repudiando a censura e reafirmando a confiança na liberdade de imprensa e no verdadeiro estado de direito  tão essencial aos regimes democráticos. No artigo  “Com a censura não há diálogo”, publicado no início da tarde de hoje (ver link   https://www.brasil247.com/blog/com-a-censura-nao-ha-dialogo), o  professor e historiador Marco Mondaini destrincha o significado de tão lamentável episódio. Ele é coordenador do Programa Trilhas da Democracia, que é exibido aos domingos na TV 247.

Veja a nota da Ufpe:

A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), ao longo de toda a pandemia, tem se posicionado abertamente em defesa da vida, da ciência, do isolamento social e do uso de máscaras, como é notório pelas medidas adotadas institucionalmente e como foi reforçado na nota divulgada no dia 18/03/2021 (https://www.ufpe.br/agencia/noticias/-/asset_publisher/dlhi8nsrz4hK/content/nota-da-ufpe-sobre-o-momento-atual-da-pandemia/40615).

No contexto de radicalização da sociedade e de negação da ciência, a UFPE tem também se posicionado de forma inequívoca em defesa de políticas públicas e pautas sociais que fortaleçam a Universidade Pública; tem lutado contra os cortes orçamentários; contra os vetos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT); defendido a autonomia universitária e o respeito à decisão da comunidade na escolha do/a reitor/a eleito/a; defendido a continuidade das cotas e respeito ao meio ambiente; criticado a falta de coordenação nacional no enfrentamento da pandemia, dentre outras pautas importantes e urgentes.

O episódio em tela faz referência a vídeo institucional que faz parte da campanha mais ampla que a UFPE vem promovendo para elevar o compromisso e a conscientização de toda sociedade no enfrentamento da covid-19. O objetivo é falar para todas as pessoas, superar a gramática da polarização, visando a sensibilização da sociedade neste momento de tentativa de desqualificação das instituições da república.

Por realizar uma gestão democrática, com capacidade dialógica e construção participativa da universidade pública, inclusiva, plural, diversa e laica, causou estranhamento a posição do ex-diretor do Núcleo de TV e Rádios Universitárias (NTVRU) de colocar o cargo à disposição sem procurar dialogar. A gestão da UFPE sempre respeitou e trabalhou para o fortalecimento da autonomia do Núcleo, o que é atestado na forma democrática de construção da minuta de seu Regimento Interno, que será apreciada em breve pelo Conselho de Administração. 

A orientação da comunicação institucional que projetamos deve refletir o espírito de resistência dialógica e republicana, fundamentada em leitura mais ampla da quadra histórica que estamos vivendo. Neste sentido, a UFPE trabalha para fortalecer a Comunicação Pública e o protagonismo e a representatividade da sociedade civil neste processo.

A UFPE reafirma o respeito e a proteção à liberdade de cátedra e de imprensa e à pluralidade de ideias, garantias irrenunciáveis do Estado de Direito. A gestão agradece o trabalho desenvolvido pelo professor Marco Mondaini, reiterando o respeito por todas e todos que fazem o NTVRU.

Leia também:
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil

A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Ufpe

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.