Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo

A Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco acaba de divulgar nota em defesa da liberdade de imprensa e se posicionando contra a censura. Com mais de cem assinaturas, o documento é uma tomada de posição contra a censura imposta na Universidade Federal de Pernambuco a vídeo que recomenda o isolamento social como forma de evitar o avanço da pandemia provocada pelo coronavírus. O vídeo seria divulgado em emissoras (rádio e TV) da Ufpe, mas  foi censurado porque continha  uma frase com o nome do Presidente Jair Bolsonaro.

Detalhe: Não havia nenhuma opinião ou locução falando do Presidente, nem chamando ninguém de genocida ou negacionista, para lembrar dois adjetivos que têm circulado ultimamente. A frase censurada era apenas reprodução de uma manchete já publicada na imprensa brasileira que não era fake new (“Bolsonaro diz que lockdown não dá certo e critica governadores”). Com a censura, o Diretor do Núcleo de TV e Rádios Universitárias da Ufpe, Marcos Mondaini, pediu exoneração do cargo. O pedido foi logo aceito pelo Reitor Alfredo Gomes.

“A Comissão de Ética do Sindicato de Jornalistas Profissionais de Pernambuco e as demais unidades subscritas nesta nota conjunta, vêm a público manifestar preocupação diante dos fatos relatados pelo Professor Marcos Mondaini, ocorridos na última sexta-feira, 19/03”.

Em seguida, reproduz  a mensagem colocada por Mondaini em suas redes sociais naquele dia.

“Às 17h31 dessa sexta, recebi um telefonema da Superintendente de Comunicação, a pedido do reitor, solicitando que fosse retirada a referência  a Bolsonaro do vídeo produzido pelo Coordenação de Jornalismo sobre a necessidade das medidas de isolamento social nesse movimento gravíssimo da pandemia que atravessamos. Não acatei a solicitação e coloquei meu cargo de Diretor do NTVRU da Ufpe à disposição.  (A Superintente a que ele se refere é Sofia Costa Rego, o reitor  é Alfredo Gomes e o NUVRU é o Núcleo de Televisão e Rádios Universitárias da Ufpe).

Após citar a publicação do post do professor divulgado em suas redes sociais, o Sindicato se coloca:

Nesse momento de pandemia que atravessamos quando o Brasil se aproxima da marca de 200 mil vidas perdidas para a Covid-19, a liberdade de imprensa é direito fundamental, assegurados em diferentes dispositivos legais, que se mostra imprescindível para a democracia e efetivação da transparência pública. Os meios de comunicação têm  exercido seu papel  de garantir o direito à informação do povo brasileiro e lhe é direito tratar de fatos e dados. É fundamental lembrar que a TV Universitária se configura uma emissora pública, com relevante   papel na proteção e na promoção de direitos ligados à diversidade, pluralidade e à democratização dos meios de comunicação do país, premissas que fundam sua identidade enquanto meio de comunicação. Chamamos atenção para que não haja censura em nenhum veículo e que  a comunicação social no Brasil, seja ela pública, privada, comunitária, independente ou  outra seja espaço para informação de qualidade, para o bom jornalismo,  seja exercido com ética e respeito aos direitos humanos.

Subscrevem o documento, pessoas físicas, profissionais liberais, políticos, historiadores e entidades como Gajope, Fenaj, diretórios estudantis, partidos políticos, organizações não governamentais, entre outros.

Leia também:
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
 
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.