Censura a nome de Bolsonaro em vídeo da UFPE provoca exoneração de diretor

Motivo de polêmica no Brasil e no exterior –  como na charge acima publicada na imprensa alemã –  e conhecido por não medir esforços para desqualificar os meios de comunicação, Jair Bolsonaro virou alvo de autocensura na Universidade Federal de Pernambuco.  Aliás, a simples citação de seu nome em um vídeo sobre a importância do isolamento social na pandemia deu origem à confusão.  Sabe aquele efeito dominó, onde uma pedra puxa outra? Pois a perseguição a opositores, a invocação indevida da Lei de Segurança Nacional, a tentativa de desacreditar a imprensa e de impor censura, começa a fazer escola.

Infelizmente, na Ufpe, a auto censura já começou. Professor titular da cadeira de história da Ufpe e desde 2020 respondendo como Diretor do Núcleo de Televisão e rádio universitárias da Ufpe, Marco Mondaini acaba de entregar o cargo de direção, diante de autocensura imposta pela reitoria a um clipe que seria exibido na TVU e nas redes sociais, em que era feita a defesa da ciência e do isolamento social, no caso da Covid-19. A reitoria exigiu que uma frase em que consta o nome do Presidente fosse retirada do vídeo. Mas entre a censura e o cargo de diretor, o professor preferiu se posicionar contra a censura e ficar sem aquela função.

“Tudo histeria e conspiração”. Negacionismo brasileiro ironizado em charge na Alemanha e divulgado no Brasil.

O vídeo não tem um só adjetivo, não chama ninguém de genocida nem culpa o governo federal ou nenhum outro pelo número de mortes e pela explosão dos casos de Covid-19 no Brasil. Também não tem locução, mas apenas fundo musical. E se limita a mostrar as manchetes da imprensa nacional  e internacional sobre a pandemia, a partir do primeiro óbito registrado, em março de 2020. Também utiliza colocações de instituições como a própria Ufpe e o Observatório Covid-19. As frases utilizadas no clipe   todas com  letras brancas sobre fundo preto (simbolizando o luto por tantas vidas perdidas) são:

“Ministério da Saúde confirma primeira morte por coronavírus no Brasil”;  “Cientistas alertam: contágio é exponencial e só lockdown impede tragédia maior no Brasil”; “ Bolsonaro diz que lockdown não dá certo e volta a criticar governadores”; “Brasil vive o maior colapso hospitalar da história”; “Brasil é epicentro global da tragédia da Covid-19”; “País totaliza 284.775 vidas perdidas desde o início da pandemia”; “Pesquisadores da Ufpe comprovam eficácia do isolamento social no combate à transmissão do coronavírus”.

No final, o recado, também em letras brancas: “Somente juntos, com que as próximas notícias sejam melhores! A Ciência  está fazendo a parte dela”. E em vermelho, a advertência final: “ Faça a sua. Fique em casa”. Nenhuma das manchetes utilizadas é inédita. Ao contrário, foram reproduzidas a partir de publicações empresas de comunicação como O Globo, El País, BBC, UOL e entidades como a própria Ufpe e o Observatório da Covid-19.

O clipe, que tinha unicamente a intenção de conscientizar a população sofreu autocensura. Na sexta (19/03), Mondaini foi procurado pela Superintendente de Comunicação da Ufpe, Sofia Costa Rego, que informou que o reitor Alfredo Gomes determinara que fosse retirado do vídeo a frase que falava em Bolsonaro. O vídeo fora produzido pela Coordenação de Jornalismo da Ufpe. Logo depois, o professor entregou o cargo de diretor do  NTVRU e divulgou o motivo do seu ato nas redes sociais. O Sindicato dos Jornalista está colhendo assinaturas para divulgação de nota contra censura e em solidariedade ao professor.

Veja o vídeo da polêmica e que sofreu autocensura:

Leia também:
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
 
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Redes Sociais

 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.