Pernambucano Thiago Lucas integra projeto internacional sobre a Covid-19

Aos 33 anos, e atuando há doze na imprensa local, o pernambucano Thiago Lucas é um sucesso.  Já coleciona 20 premiações, sendo uma internacional (na Itália). E acaba de ganhar mais um reconhecimento, dessa vez vindo da terra do Tio Sam. É que ele foi incluído no Projectcovid19.org,  do The Wright Institute, sediado na Califórnia. O projeto inclui um arquivo de arte internacional focado na pandemia que paralisou o Planeta a partir de 2020 e que ainda espalha estragos pelo mundo e pelo Brasil, em 2021.  A iniciativa seleciona bons trabalhos sobre o assunto provenientes de vários países e que poderão se transformar em material de estudo.

“É um lugar para compartilhar obras de arte escrita e visual sobre nossas experiências e esperanças. É também para o futuro”, diz Emily Diamond, uma das coordenadoras da iniciativa. “Eu ensino com ele agora e talvez os professores no futuro também o façam”. Ou seja, nosso amigo – de quem sou fã – virou objeto de estudo lá fora. O artista foi procurado pela professora Emily  Diamond, que lhe pediu autorização para usar uma sua charge sobre a pandemia. Nela,Thiago faz uma representação do Pequeno Príncipe (personagem do livro mais conhecido de Saint- Exupéry), com o pé sobre o coronavírus no clássico encontro dele com a flor.

Só que o “príncipe” do cartunista  olha uma cruz na haste de onde deveria ter uma flor. Nada tão oportuno e tão claro, em um Brasil que já perdeu mais de 252.800 vidas, grande parte devido à negligência e ao negacionismo das autoridades federais. O trabalho chamou a atenção da acadêmica, que lhe pediu mais  obras sobre o tema e fez uma entrevista com com Thiago. Diamond tem razão em catalogar trabalhos do pernambucano. Ele é, de longe, o melhor cartunista de sua geração. Tem traço inconfundível, escolhe os melhores motes e decodifica o que pensa de forma muito clara para o leitor, não deixando dúvida nenhuma quanto à mensagem que pretende passar.

A visão dos problemas sociais e políticos do Brasil que ele tanto aborda em suas charges vêm não só do olho crítico tão essencial na profissão, mas têm a ver, também, com a sua formação acadêmica. Ele é historiador formado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pós-graduado em História do Nordeste pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), período em que desenvolveu uma pesquisa sobre a charge como discurso crítico sobre a “Indústria da Seca” no Nordeste do brasileiro. No caso de retratar o caos da Covid, ele diz a preocupação dos profissionais com problemas sanitários  não é de hoje.

“As questões de saúde pública sempre foram tema dos artistas e dos chargistas em específico. Se formos observar charges de séculos passados já vamos reparar abordagens sobre saúde, porque saúde pública, justiça social e desigualdade social são temas correlatos e todos eles são algumas das matéria-primas do artista”, diz. E acrescenta: “Todavia, não podemos negar que quando nos deparamos com crises de saúde pública, como em epidemias e pandemias, as atenções se voltam com maior intensidade para esses temas, pois a saúde pública traz consigo outras questões correlatas a ela como as injustiças sociais e os desmandos políticos, por exemplo”. 

E completa: “No final, a nossa realidade é um grande caleidoscópio de experiências e realidades multifacetadas”.  Thiago acha que o profissional que nessa área cumpre papel importantíssimo,  em momento tão delicado, como o enfrentado pelo Brasil atualmente.

Vivemos em tempos sombrios, onde a cultura e a democracia são atacadas constantemente. Neste contexto, a arte atua como uma dos redutos de resistência contra o autoritarismo que contamina nossa sociedade. Charges e caricaturas são expressões artísticas que utilizam o humor como instrumento de crítica e contestação da realidade, seja ela política, econômica, social e cultural, dessa forma, precisamos seguir em frente, com coragem e perseverança, cultivando uma arte crítica e engajada.

Tímido, fala sempre baixinho,  Thiago Lucas é um “monstro”. No bom sentido, claro. Ele é cartunista do Jornal do Commercio, do Recife. E acumula – anotem – nada menos de 20 premiações, o que não é pouco. As três mais importantes: 1º lugar na categoria Charge no 29º Salão Internacional de Humor de Volta Redonda,  Rio de Janeiro, em 2017; 1º lugar na categoria Caricatura no World Humor Awards, Itália, em  2019; Vencedor na categoria Ilustração no 25ª edição do Prêmio Cristina Tavares de Jornalismo, em 2020. E agora, mais esse reconhecimento, vindo logo de onde… dos Estados Unidos.  E tem mais, a entrevista de Thiago Lucas para o Project19.org terminou virando material didático nas aulas do professor de inglês Oscar Agra. Tanto entre os alunos de aulas particulares quanto nas turmas da Universidade Tiradentes, localizada na Região Metropolitana do Recife.

Leia também:
O “rio” de João Cabral na Passa Disco
Parem de derrubar árvores na Universidade
A arte de fazer arte na pandemia
Pandemia tem “Arte cura”
Pandemia: Sem shows ao vivo, DJ 440 cria loja virtual
Pandemia: Luz no breu da solidão
A “luz” na pandemia: Gisele Carvallo
O diário fotográfico no lockdown da pandemia pelo olhar dos confinados
Os novos artistas da pandemia
Rafa Mattos: Plante amor, colha o bem
“Rapaz da portaria” escreveu 37 livros
Rapaz da portaria em  editora de Lisboa
Memórias tristes dos tempos do Haiti
O ano de Cida Pedrosa: escritora, premiada,feminista e vereadora

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Ilustrações: Thiago Lucas 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.